segunda-feira, fevereiro 13, 2006

PORTUGAL NO SEU MELHOR


O deputado socialista João Gouveia, que o PSD-Madeira quer submeter a um exame psiquiátrico, foi candidato à Câmara Municipal de Vicente. Quando as sondagens lhe começaram a ser favoráveis, Jardim anunciou que, eleito ou não, nunca falaria com ele. Parece que isto não bastou, porque a seguir lhe incendiaram o carro. Mas nem com este aviso do Altíssimo, o homem desistiu. Para cortar o mal pela raiz, por assim dizer, alguém (certamente animado pelo melhor espírito democrático) cortou as vinhas de um militante do PS e deixou à porta de outro uma vaca morta.
A justiça tomou agora conta de João Gouveia por ele ter inexplicadamente declarado que Jardim fez da Madeira "um paraíso criminal". A maioria parlamentar do PSD levantou a imunidade parlamentar ao facínora e o queixoso é, como se calculará, o próprio Jardim. Já vi um filme assim, que se passava na América em 1930 com um bandido gordo. Não me lembro do nome.
vpv

30 comentários:

Borges disse...

Chiça! Mas o nosso Presidente da República actual não terá "bols" para demitir essa best*? Enquanto houver Jardim na Madeira não há democracia em Portugal! A situação é grave, sempre o foi, logo, exige medidas sérias!

Anónimo disse...

A coisa não se resolveria com um campeonato de futebol entre o PS e o grupo do Jardim? Então esforça-se o senhor para encontrar soluções e ainda hesitam em seguir os seus ensinamentos?
Que ingratidão!

o mestre disse...

No "Padrinho", em vez da vaca era a cabeça de um cavalo a ser depositada numa cama, como aviso e ameaça bem explícitos.
Essa a diferença, no resto qualquer semelhança não é pura coincidência.
Ah, o Marlon Brando era bem mais bem parecido do que o boçal jardineiro...

Politikos disse...

Mas ninguém põe cobro à «criatura» e os candidatos presidenciais renderam-lhe vassalagem... Apesar de ser o melhor regime que se conhece, a democracia tb tem destas tiranias...

Anónimo disse...

Pergunto está a acusar jardim? tem provas? se o outro senhor disse o que vem transcrito deve ter de o provar. É assim un estado de direito. Sabe eu fosse um anónimo se quisesse chamar à atençaão e sugerir culpas de outrem ou deixar no ar um clima Siciliano, também largava lume a um carro mais ou menos velho, também arranjava uma vaca etc etc. Eu não acredito que o deputado tenha feito isso, mas num estado de direito são precisas provas. PROVAS.

Anónimo disse...

A oposição na Madeira é muito fraquinha, não me admira que façam diabruras para marcar pontos.

Mª Lurdes Delgado disse...

E eu, que fiz um détour, para visitar Corleone na Sicília. Se soubesse, tinha aproveitado uma pequena estadia na Madeira, para ver o sítio e falar com as personagens, e sobrava-me mais tempo para Taormina... Porque é que só agora me informam, que os mafiosos se mudaram todos para a "pérola do Atlântico"?

psac74 disse...

Eu acho que o PSD-Madeira quer submeter o deputado socialista João Gouveia a um exame psiquiátrico, para se certificar se já atingiu os seus objectivos! (enlouquecer o homem)

paper life disse...

pacificamente pergunto: esse JJ, não se pode exterminá-lo?

Anónomio rural disse...

O negócio está fraco! Nesta loja o artigo mais procurado (cartoons) já deu o que tinha a dar. Mas a porta da loja continua aberta e há que vender artigos nacionais. As bananas da Madeira, mesmo a tresandar a podre, sempre vão vendendo. Ou então uns nabos do PSD talvez animem o negócio. E eu que pensava que tinha entrado numa "boutique" onde pudesse encontrar artigos finos e requintados verdadeiras pérolas de produção nacional, dou-me conta que estou à porta de uma normal mercearia de bairro. Já agora, venho aí um copo de três. E biba o benfica.

Riu Maiore disse...

Pacheco Pereira radicou-se na Coreia do Norte!

http://polismaior.blogspot.com/

papilota disse...

o melhor é livrarmo-nos desse 'padrinho',
independência já! os espanhóis ou os americanos que lhe limpem o sebo!

sniper disse...

Eu também já vi este filme, com o tal gajo gordo, mas com várias diferenças. Em Chicago havia sempre muitas gajas boas, bons copos e música, e até dava vontade de pertencer a um gang. Era o tempo do "Big Buck", (muita massa), o tempo dos bons e dos maus e do tempo da lei mais idiota da América, a Lei Seca. Na Madeira, e desculpem-me os madeirenses, na política são todos, sem excepção, aprendizes de gangsters, bebem umas coisas ruins como a poncha, que só matam ainda mais depressa as células cinzentas, as mulheres são gordas, são todos primos, e têm divertimentos com a classificação para adultos, só atribuíveis à insularidade, consanguínidade. Um caso bicudo. Criar casos apalhaçados e tristes tornou-se é uma obrigção regional para ajudar a acabar a monotonia entediante que é normalmente má conselheira.

Ismael disse...

Num estado de direito são precisas provas, mas não é muito normal que aconteçam coisas desse género a personalidades políticas...

piscoiso disse...

Sobre o carro incendiado, diz-se que foi um turista francês com inércia psicológica.
O corte da vinha pode ter sido um árabe.
A vaca, desconheço.

Sílvia disse...

Parece que os sicilianos fazem da Sicília "um paraíso de bananas"...

Anónimo disse...

O pai da região
Infelizmente o Vasco percebe pouco das insularidades, apesar de adorar oa Açores, um paraíso ainda não muito conspurcado.
O Dr. Alberto João Jardim, qual D. Corleone, é um homem sábio porque fez da sua (no sentido literal do termo) ilha uma terra de progresso. Como nasci lá, com um vago parentesco ao deputado Vieira de Castro (meu bisavô era sobrinho do malogrado deputado que mereceu a sua especial atenção), conheci as dificuldades dos indígenas locais como a emigração, a economia de subsistência, numa altura em que o turismo dava os seus primeiros passos.
A Madeira e os madeirenses vivem, desde há 30 anos, num clima de efectivas melhorias económicas e sociais que a propaganda procura a atribuir ao Dr. Jardim e à sua governação. Há 30 anos que a oposição não tem hipóteses de ser qualquer coisa para além de oposição, apenas com as mordomias que gozam os seus deputados.
O povo vive melhor, muito melhor desde que o PSD e o dr. Jardim se instalaram no poder. Como a legitimidade está no voto, o povo agradece e dá o seu voto a quem lhe tem proporcionado essa melhoria ou seja, ao dito cujo. Empresários, classe média (já existe uma importante classe média na região)que apoiam o regime e agradecem os favores do querido líder.
Posto isto, que fazer?
De um seu admirador
José Maria Amador

migas (miguel araújo) disse...

Não terá sido um filme qualquer do "Bucha e o Estica"?!
E já agora, porque não uns cartoons?!
É que se tivermos de levar a sério estas preciosidades que vão florindo na madeira, a guerra não será entre Ocidente e Islão, mas sim entre Continente e Ilhão!

Anónimo disse...

Tenho o nome mesmo debaxo da língua... Ah, já sei: Al Jardone.

Anónimo disse...

Há não muito tempo pensei nesta sequência:

1) seria brilhante por parte do nosso PR destituir este alarve que diariamente desafia as instituições; que cinicamente desdinha do dinheiro do Contnente; que se excede consabidamente no exercício do poder;

2) mas ninguém se move porque o tipo tem legitimidade popular;

3) estamos tramados com F. e tomara que, além do tipo de Vila Nova de Poiares, ninguém lhe siga os passos.

4) a coisa há-de mudar lá para 2012.

Anónimo disse...

Se, como diz o seu admirador ilhéu, a Madeira é a região mais progressiva do país - cá, é o que se vê - não será que a chamada democracia que se diz viver no continente, além de cara é ineficiente? Ou será que o regime que melhor se adapta à fase actual de evolução do cidadão português, é uma "democracia musculada"?
Como se diz no futebol, o que conta não são os resultados?

Anónimo disse...

Este Sr. Jardim é daqueles que morde na mão que lhe dá comida. Nem um rafeiro faz isso normalmente.

Por um lado leva uma fatia grossa do orçamento para uma zona franca, por outro gaba-se de coisas que têm a ver com circunstâncias naturais que sempre estiveram lá, e que vão estar muito depois de ele deixar de nos irritar a molécula com as suas labreguices.

A única coisa que ele fez foi não conseguir evitar o turismo sexual e o declínio das bananas. À excepção destes dois pontos, ninguém conhece mais nada sobre a Madeira, e sobre o que as pessoas fazem por lá.

No fundo, no fundo, o que sabemos da Madeira é que tem bastante Rum, bastante Prostituição, e um chefe parolo. Mais nada.

Ícaro disse...

Apenas um elogio pessoal ao autor do post.

Confesso tinha imensas saudades deste estilo de comentário. É certo que continuamos a lê-lo no Público. Mas é um espaço mais formal e, escavando a memória, lembro-me de algumas crónicas fantásticas no Independente - que num curto e glorioso período se tornou num dos momentos de maior liberdade de escrita na história do nosso jornalismo - num registo que eu há muito não lia. Momentos de puro génio de crítica (satírica)política, que este pequeno post me fez lembrar.

Tinha mesmo saudades.

A um dos maiores do nosso articulismo político (Vitor Cunha Rego aqui tão perto),

Um abraço e bem vindo à blogosfera.

Jose Sarney disse...

Caro VPV,

Era o Laurel, ou o Hardy?

Vera Cymbron disse...

Para quê ir ao cinema?!

Anónimo disse...

e não é que Alberto João Jardim disse há tempos na RTP Madeira, que o Público tem 2 cronistas fantásticos que fazem sempre comentários pertinentes. Segundo o mesmo esses cronistas são António Barreto e Pulido Valente. Será que agora está a dizer o mesmo?

Fungagueiro disse...

Sinceramente o que o Alberto João diz não serve para mais nada a ser para me rir, acho que neste caso penso um pouco à madeirense, o que interessa são os indicativos economicos e os da Madeira pelo que consta só muito bons.

cócó disse...

Abaixo com estes cubanos todos do Cont´nente!

Precisamos dum Jardim cá! Já!

(O VPV pode, entretanto, emigrar para a Madeira)

Joane Atento disse...

Só posso dizer, Senhores, se o nosso presidente fosse o Doutor Alberto João Jardim, podem ter a certeza que a crise já tinha sido superada.
VIVA O SENHOR DOUTOR ALBERTO JOÃO JARDIM.

Luis Teixeira disse...

Haja alguém que não tem medo de dizer mal do homem nem compreensão para o 'progresso' que semeou na Madeira.