domingo, fevereiro 05, 2006

PENSE BEM

Escreve Daniel Oliveira, com aquela precisão e profundidade que nunca o abandonam: " O que não aceito é que Cristo e Moisés sejam intocáveis e Maomé motivo de recorrente galhofa".
De onde vem ele? De que mundo, de que espécie de galáxia escondida? "Cristo" ou "Jesus" são as palavras preferidas da blasfémia ocidental e, particularmente, anglo-saxónica. Ainda há meia dúzia de anos, de Saramago a Mailer, toda a gente deu a sua pequena versão ateia ou blasfematória do Novo Testamento: um hábito que vem de Strauss (1846), Schweitzer e Renan, e à qual, de resto, pertence gloriosamente o Eça de "A Relíquia", o mais pérfido e genial da escola. Existe por aí uma indústria académica, dedicada a negar a divindade de Jesus (dizer "Cristo" já a reconhece), em que se distingue ( e digo "distingue" sem sombra de ironia) um professor de Oxford, condecorado e glorioso, Geza Vermes. A TV5 passou uma série "A origem do cristianismo", à venda na Amazon, que, da ortodoxia, não deixa pedra sobre pedra. O próprio Ratzinger chegou onde chegou com a sua guerra, no Concílio Vaticano II, contra a exegese histórica. Podia escrever páginas, dicionários, bibliotecas, com exemplo atrás de exemplo, do cartoon ao tratado. Aqui na terrinha a "reacção" esteve representada por Nuno Abecassis, pelo indescritível Sousa Lara e por um anacronismo que barafusta no "Diário de Notícias". De Moisés, não sei - mas Cristo "intocável"?
Daniel Oliveira que pense bem.
vpv

100 comentários:

josé disse...

Daniel, na cova dos leões, seria um cordeirinho.

Aqui, na blogosfera, é um tigre de papel.
Um pateta.

/me disse...

Tem lata, o homem. Até já vi pessoas na rua com t-shirts a dizer "F.c. Jesus" (o que me chocou)... Intocável?

josé disse...

E só digo isso porque, às vezes também sou, o que me confere a moralidade e autoridade suficientes para o ápodo.

josé disse...

Aqui há tempos, em conversa com um beneditino de Singeverga, formado na velhíssima escola, inteligente e esperto, tendo diante dos olhos um mural com o historial da ordem, vinda do séc VI, dizia-me ele que aquilo que o preocupava, era a nova vaga da religiosidade new age de que o livrito Código Da Vinci era mais um expoente.

Lá chegaremos.

josé disse...

Quando era pequeno, ensinaram-me: graças a Deus, muitas; graças com Deus, nenhumas!
Acho de elementar bom senso.
O que vem a seguir, já é de outra ordem que não a religiosa.

danieloliveira disse...

Caro Vasco,

Diga lá o último jornal português que publicou ou republicou um cartoon ofendendo Cristo e eu entrego-me imediatamente à sua "precisão" e "profundidade". Não vale o Papa nem as santinhas. Cristo mesmo, ele próprio. E não estou a falar de paródias. Ofensas, essas que doem.

Porque blasfémias, sempre existiram. Bem sei que por essa altura ainda não andava pelos blogues, mas eu próprio, no falecido Barnabé, publiquei uma sobre Cristo e a Páscoa, bem mais inocente do que estas, e ia sendo crucificado. Aliás, entre os comentadores que se mostraram então milindrados, já detectei uns que agora são ferozes defensores da liberdade dos cartoonistas dinamarqueses.

Aquilo que temos pela frente é um movimento cívico (repito, têm toda a liberdade de o fazer) que repete uma blasfémia durante uma semana em sinal de solidariedade. É coisa que não me lembro de ver. Mas seguramente o Vasco será a minha candeia.

josé disse...

Quando o Expresso publicou a caricatura de João Paulo II com o preservativo, pisou o risco.
Não sendo Jesus Cristo, era o representante de Jesus Cristo na terra.

Logo, a ofensa foi a todos os que acreditam em Jesus Cristo como divindade.

Mesmo assim, a tolerância democrática, sobrepôs-se à ofensa religiosa.

Aí tem o exemplo, mesmo que não me fosse pedido.

João Dias disse...

Eu sou a favor da liberdade de expressão mesmo, subscrevi as caricaturas do Daniel Oliveira no Barnabé e subscrevo agora estas.
E o que Daniel diz também é verdade, há quem defenda a liberdade de satirizar o Islão mas não seja assim tão "liberal" para satirizar as suas crenças e afins.
Comigo não há intocáveis...

Mario Figueiredo disse...

Violência: Não!

Desrespeito: Não!

Um grande puxão de orelhas à liberdade de imprensa, por favor. Alguém o faz!?

Não é por uma questão de ditadura, Sr. VPV. È simplesmente por uma questão de respeito e boas maneiras. Especialmente quando se sabe hoje que o único objectivo era exactamente o de provocar. Não há limites? Acha mesmo que não há limites? Vamos lá então enrolar a bandeira nacional à volta do pénis do Manneken-Pis e colocar o hino nacional nos intervalos do Canal Intimo.

Digo-lhe, tanto se me dá como se me deu. Mas o facto mantém-se. Provocámos sem razão, sem absolutamente razão nenhuma. Apenas para irritar. Isso, eu chamo de boçal.

Não se proiba, concordo inteiramente consigo. Mas, por amor ao vosso Deus, pelo menos puxem-lhes as orelhas.

josé disse...

Por outro lado, a imagem de JEsus Cristo tem sido objecto de ridicularização em várias partes do mundo.

Pode ser quem em Portugal não o tenha sido ( não sei e acredito que o não tenha sido, como também Marx ou Lenine o não eram em certo tempo), mas há muitos sítios em que o foram.

Basta dar uma espreitadela por aqui

Bendito Googgle...

josé disse...

E Este que tal?!

Carlos Malmoro disse...

Factos:
A Agência Internacional de Energia Atómica remeteu para o Conselho de Segurança da ONU a análise do programa nuclear iraniano. Como retaliação, o Irão suspendeu unilateralmente o TNP (Tratado de Não Proliferação). Final da estória: o chefe da AIEA a fazer uma declaração não para explicar o sucedido, mas para justificar-se perante o Irão a opção tomada;

Uns cartoonistas dinamarqueses, de um jornal tablóide lá do sítio, publicaram em Setembro umas caricaturas do profeta Maomé. Passados quatro meses, uma onda de protesto assola as virgens ofendidas muçulmanas, com destruição de embaixadas, queima de bandeiras, etc....Final da estória: As autoridades europeias vêm a público defender, não a liberdade de imprensa, mas o direito à indignação dos muçulmanos. (Os mesmos que aquando de Londres e Madrid nos pediram para não confudir o terrorismo islâmico e o islamismo...). Por outro lado, o Grande Ayatollah Ali al-Sistani, o líder do clérigo iraniano, condenou ontem as caricaturas e a «acção horrenda» dos jornais ocidentais. (Nota – este último período foi a concretização de um sonho há muito adiado: ter neste estaminé a presença de um Grande Ayatollah…dá logo outra seriedade à coisa);

Conclusões:
Ó meus amigos líderes europeus, se quereis ser serventis perante o poder do petróleo, façam muito bom proveito. Agora que eu - e mais uns milhões de gatos e gatas pingados - defendemos que a liberdade de imprensa é um pilar da nossa civilização, e que o Tratado de Não Proliferação Nuclear é uma das (poucas) boas coisas que V.exas se lembraram , é um facto que não podeis negar. Entendido?

Ó meus amigos líderes muçulmanos, aprendei de uma vez por todas que eu prefiro – e mais uns milhões de gatos e gatas pingados - que façam uma caricatura do deus que a maioria da Europa segue, do que ter de receber um telefonema a meio de uma manhã qualquer a dizer que um familiar, amigo, colega ou filho ficou esfrangalhado no metro ou no comboio só porque cometeu o pecado capital de ir trabalhar…E nós, também estamos entendidos?
Carlos Malmoro

paulof disse...

Vasco Pulido Valente:

O sr. até tem razão - coisa rara, nos seus posts e crónicas - mas o sr. confunde opinião pública com opinião publicada .

Mas continue e abra o jogo e o avental -nojento- e diga-nos porque é que o irmão voltaire e muitos ingleses e outros ( desde 1717) escreveram a porcaria que escreveram ( Voltaire então até gozou com Portugal, usando o terramoto de 1755, de uma maneira nojenta): diga lá quem foi o "inspirador-mor" que esteve por detrás desses homens e do qual a Bíblia e Cristo falaram várias vezes?

Fale, se for capaz... ou tenha vergonha e cale-se sobre o que desconhece !

Anónimo disse...

pergunto a mim mesmo o que sucederia se se escrevesse assim um Código da Vinci, só que versão Islâmica...

para mim a questão resume-se ao seguinte: os senhores tem todo o direito à indignação. mas esse direito pára aonde começa a violência. destruir embaixadas e incendiar bandeiras por causa de um cartoon? ainda por cima um cartoon de um jornal PRIVADO?
julgo que ninguém imaginaria uma tal reacção se um jornal qualquer islâmico publicasse um cartoon ofensivo aos cristãos ou judeus.

Diogo

esgoto disse...

yuuuppppiiii! vêm aí outra vez, as cruzadas, querem ver? vou já a Tomar vestir-me e já volto, ok?

VPV disse...

Ó Daniel,
Essa de só os jornais contarem, não convence. A blasfémia e a tal "chacota! entraram na linguagem comum, na literatura, no cinema, na televisão. O resto é indiferença. Quem se lembra de fazer um "cartoon" sobre Jesus? Porquê? Para quê? E quem o quis, coitado, crucificar? Eu não dei por isso. Desconfio que ninguèm deu. Foi atacado e agredido pelo César das Neves? Será que o Januário atiçou as massas contra si? Queimaram no Rossio a bandeira do "Bloco"? Se essas coisa temíveis sucederam, lamento a minha distracção e garanto que daqui em diante estarei sempre a seu lado. Um abraço. Vasco.

Jose Sarney disse...

Mas o VPV e outros da "blogosfera" é que atribuem importancia a quem NUNCA a teve, o dito D.O..

Para esse peditório, não dou.

Anónimo disse...

Serao as liberdades absolutas? Talvez a do direito à vida. Tal como em todas as outras vertentes, a liberdade de expressão e de imprensa não sao absolutas... tal por estas liberdades nao serem absolutas é que existem leis e códigos.

Falando de um problema inter nações, inter religiões, não há qualquer código que nos restrinja as liberdades, daí que surga toda esta quezilia.

Mal está o nosso mundo onde a tendência é que qualquer interacção entre individuos, comunidades, estados, religiões ou culturas necessite de leis e códigos que os controlem.

Deixemos tudo ao livre arbitrio do juizo de cada um e ao seu bom-senso? Está provado que não.

Joao Antunes

josé disse...

paulof:

É sempre o mesmo.
Para quem acredita na existência de Deus, é o Mal.
O Cristianismo e as outras religiões identificam-no num Rebelde.

Quem não acredita, sofre-lhe as consequências, sem lhes perscrutar a origem.

A melhor definição que encontro é: O Pai da mentira.

Anónimo disse...

O engraçado desta questão é exactamente isso, vermos mais uma vez a nossa esquerda um pouco desorientada, e em relação ao tema cristianismo vs islamismo há sempre alguém que dá um tiro no seu próprio pé. Com Cristo podemos brincar, gozar, mandar piadas, etc, etc, com Maomé ou com o Islão é um aí não me toques, afinal, para que lado estão virados. Para Jerusálem??
Até Jah

Anónimo disse...

ups, ueria dizer:
...para Meca??

Anónimo disse...

So alguns exemplos:

http://www.cartoonstock.com/directory/r/resurrection_of_christ.asp

E não se lembram daqueles desenhos animados Family Guy em que nao so Cristo como ate Deus apaereciam caricaturados ?

Danielzinho, filho, volta para a casota.

zazie disse...

ahaha O Daniel Oliveira a quem ninguém conhece um pensamento ganhou direito a uma resposta do VPV ":O)))

esperemos que não entre para a História à custa destes pequenos desvios virtuais

Euroliberal disse...

Vamos lá ver se os nossos baraves defensores da liberdade de blasfemar também vão defender estes cartoons anti-judaicos:

Liga Árabe Europeia responde com desenhos anti-semitas

A organização Liga Árabe Europeia reagiu às caricaturas do profeta Maomé com a publicação, via Internet, de desenhos anti-semitas, que, considera o movimento, «romperá com muitos tabus na Europa». A iniciativa faz parte de uma «campanha» lançada na sexta- feira, dia em que anunciou a «publicação sistemática de desenhos atrevidos» para «romper tabus e cruzar todas as linhas vermelhas», numa referência às caricaturas de Maomé.

Na sua página na Internet, a organização publica um desenho de Hitler deitado na cama com Anne Frank, um símbolo judaico do Holocausto, e uma segunda imagem que questiona o extermínio de judeus.

«Depois da lição que árabes e muçulmanos receberam dos europeus sobre liberdade de expressão e tolerância e depois de muitos diários europeus voltarem a publicar as caricaturas dinamarquesas do profeta Maomé, a Liga decidiu entrar no negócio das imagens e fazer uso do seu direito à expressão artística», refere a organização.

«Tal como os diários europeus asseguram que apenas querem defender a liberdade de expressão e estigmatizar os muçulmanos, nós também destacamos que os nossos desenhos não pretendem ser uma ofensa a ninguém e não devem ser encarados como uma declaração contra nenhum grupo, comunidade ou acontecimento histórico», acrescenta.

josé disse...

O cristianismo execra ou hostiliza o islamismo? Não me parece- antes pelo contrário.

O islamismo hostiliza ou persegue o cristianismo?- Também não vejo onde.

Então?! Onde reside o Mal?

josé disse...

Em Munique...

zazie disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
zazie disse...

«O que não aceito é que Cristo e Moisés sejam intocáveis e Maomé motivo de recorrente galhofa"»

Esta frase cai em segundos.Basta ir aos históricos do Barnabé e ver como ele até defendia a terapia do ataque à religião católica. Uma vez decidiram estabelecer um sistema de prioridades e legitimidades de troças e a Igreja Católica fazia parte dos necessários. Proibidas só as brincadeiras xenófobas e homofóbicas. De resto, como ele sempre disse, Cristo e Deus são persoangens de ficção- não contam.

Se há dúvidas também bastava ler o que o Ivan Nunes uma vez contou da forma como se iniciaram politica e ideologicamente- saindo da Nova para correrem atrás de padres à saída da Igreja.

(também consta dos históricos da Praia)

zazie disse...

e é verdade. O islamismo não provoca a Igreja Católica porque quem o usa fá-lo por motivos de propaganda. Na morte do Papa estavam lá todos!

As religiões não têm nada a ver com isto. E era bem mais sensato que não se fosse atrás.

zazie disse...

Quando foi da cruzada dos crucifixos (liderada por uns personagens mais tenebrosos que andam a passar ao lado) um camarada do Daniel também comparou a importância social da Igreja aos chouriços. Que eu saiba o DO não veio a terreno condenar a troça. Nem podia vir. Se alguma vez existiu grosseria religiosa que me lembre só no Barnabé e naquela imbecilidade do Esperança.

josé disse...

Para mim, a importância que se dá a ideias barnabélicas ( e retiro o pateta ao fulano, porque pode ser entendido como insulto pessoal quando o é apenas ao que escreve)só se compreende como mero referencial para discussão.
Porém, a partir de certa altura, nem isso. O fosso- que nem chega a ser ideológico- torna-se intransponível.

josé disse...

Mas por falar nisso, vou escrever sobre o VItorino.

Esse, também barnabélico, ao menos canta. E bem. E aí, já nos entendemos...

sniper disse...

Caro VPV, você está a pedir o impossível ao Sr.Daniel Oliveira; pensar é algo muito complicado e difícil, e ele nunca irá pensar, porque o pateta que diz e escreve o que se conhece públicamente, nunca foi treinado para tal. Pensar requere disciplina e honestidade intelectual e moral.A masturbação deve ser algo que ele deve estar a fazer neste momento, para fechar com chave de ouro a tarde de glória que teve no Espectro. Oxalá tenha uma ejaculação precoce.

zazie disse...

eu penso o mesmo. Pessoalmente nada tenho contra o Daniel. Bem pelo contrário. Em termos de carácter e comportamento em grupo não faz parte dos gelatinosos. Como também entendo que se tome por referencial. Mas, ainda assim, penso que existem outros "refernciais" com muito maior poder e que passam ao lado.
No caso do Daniel Oliveira nem poder nem ideias. É como diz o José, só por se escolher como marionette.

zazie disse...

ora bem José... Há que não confundir os bonecos virtuais com os outros ";O)))

jose sarney disse...

"ahaha O Daniel Oliveira a quem ninguém conhece um pensamento"

Ora bem.

Jose´Sarney disse...

"e uma segunda imagem que questiona o extermínio de judeus"

Se se pretende entrar no "Sonho", diga-se que o HOLOCAUSTO não existiu, e que o Hitler foi um líder eleito democráticamente pelos alemães, e que foi derrotado por países reconhceidamente do eixo do mal: Grã-Bretanha, Estados Unidos, URSS, França, entre outros.

Reescreva-se a História!

Já agora, o Salazar também foi uma invenção do Maléfico Dr. Soares e Dr. Cunhal!

Anónimo disse...

O Sarney, desculpe la, mas o Hitler foi de facto democraticamente eleito pelos alemães.

Mariazinha disse...

ei malta e o Buda? estão a esquecer a destruição das estátuas no Afeganistão, muito mais dramático para a história da humanidade do que o desenhar um Cristo gay,ou uma 'Crista' e do que um Maomé com um turbante bomba, ou sem stock de virgens...

mariazinha#2 disse...

e sim, vpv tem toda a razão, desde o Rafael Bordallo Pinheiro que a igreja é caricaturada...

Euroliberal disse...

Aplicando a tese pulido-valentona a um desenho de Hitler deitado na cama com Anne Frank, um símbolo judaico do Holocausto, proposto por uma organizaçao muçulmana europeia, parece dever concluir-se não haver aí nada de malicioso. Pura e cristalina liberdade de expressão artística ! Honni soit qui mal y pense...

Ahab disse...

Na mouche... mais uma vez!

Mª Lurdes Delgado disse...

O Daniel Oliveira em que mundo vive? Portugal não é só o colunista do DN, o padre que publicava anúncios a recusar a comunhão a quem defendesse a IVG, o Portas ajoelhado em missas onde estavam as TVs, as tenebrosas marchas de joelhos em Fátima e outros folclores. Eu, agnóstica, tive os meus filhos, não baptizados, no Colégio das Escravas, aqui no Porto e garanto-lhe que munca foram minimamente discriminados e que foi talvez o lugar dos seus completos percursos académicos onde foram mais felizes.
É que ele há católicos e católicos e as freiras deste colégio tinham a mente bem mais arejada que muito ateu ou agnóstico dogmático com que me cruzo. E acima de tudo queriam a felicidade das crianças, que, como sabe, raramente é tida em atenção. E, já agora, não lhes fizeram nenhuma lavagem aos cérebros.

Carlos Indico disse...

A TV e os Semanários precisam de um D.O., como opinista.Ele, como bom tarefeiro, cumpre aquilo para que lhe pagam.E bem, pois acredita no que escvreve. Caso contrário seria um canalha, o que não é. É mesmo um idiota muito útil para dinamizar páginas e programas perfeitamente inuteis, como o Eixo do Mal que pelo título se presumia um combate feroz, mas não passa de um Documentário Zoológico dos Gatinhos versus a Gatona.

Anónimo disse...

ó zazie, já viste que a ti é que o vpv não responde? volta para o lar e deita-te, filha.

fvaz disse...

"Diga lá o último jornal português que publicou ou republicou um cartoon ofendendo Cristo"

Tirando o caso dos cartoons dinamarqueses,diga lá Daniel,já agora,que outros (a recorrente galhofa assim o pressupõe) foram publicados em portugal.

E anedotas também são galhofa? Conte-me lá uma com o Maomé,que eu conto-lhe duas com JC.

"João,vê-se daqui a tua casa"

Anónimo disse...

Freud diria: "Como já mataram o pai, agora querem matar o pai dos outros"

EUROLIBERAL disse...

A prova de que os cartoons são obra da escumalha da extrema-direita dinamarquesa que apoia a criminosa cruzada dos terroristas bushistas no Iraque e que pretendia humilhar o Islão (do blogue Da Literatura):

"Toger Seidenfaden, director do jornal dinamarquês Politiken, título de referência, entrevistado por Ana Navarro Pedro: «No Verão de 2005 [...] um polemista dinamarquês, Kaare Bluitgen, muito conhecido pela sua islamofobia [...] escreveu um livro sobre a vida de Maomé, destinado às crianças e à juventude dinamarquesa, que apresenta o Profeta como um pedófilo e um criminoso de guerra. O livro é provocante e, na minha opinião, vulgar. [...] Bluitgen queixou-se publicamente que um ou dois desenhadores tinham recusado ilustrar o seu livro. Até hoje, não sabemos se isso foi um facto — o que sabemos é que publicou o livro, e com ilustrações.» Cf. Público de anteontem, página 5.

2. O Jyllands-Posten, jornal popular de grande circulação — «o mais lido» da Dinamarca, segundo Seidenfaden —, deu eco às queixas de Bluitgen e convidou 40 caricaturistas a fazer cartoons de Maomé. Doze aceitaram o desafio. Os 12 cartoons foram publicados na edição de 30 de Setembro, acompanhados de um editorial que reivindica o direito a «desafiar, blasfemar e humilhar o Islão».

A EUROPA CIVILIZADA NADA TEM A VER COM as actividades criminosas desta ralé nazi. Os muçulmanos têm todo o direito de defenderem a sua honra contra estes Van Gogh's...

EUROLIBERAL disse...

"I am for the absolute freedom of speech everywhere, and that’s why I call upon every free sole among Arabs to use the Danish flag as a substitute for toilet paper. To illustrate every wall with graffiti making fun of everything Europe holds as holy: dancing rabbis on the carcasses of Palestinian children, hoax gas-chambers built in Hollywood in 1946 with Steven Spielberg’s approval stamp, and Aids spreading fagots. Let us defend the absolute freedom of speech altogether, wouldn’t that be a noble cause?»

De um site árabe europeu... Usem a bandeira dinamarquesa como substituto do papel higiénico ! Boa ideia...

Jose Sarney disse...

"De um site árabe europeu... Usem a bandeira dinamarquesa como substituto do papel higiénico ! Boa ideia... "

De facto.....chama-se "Liberal" a tudo ....até ao papel higiénico, que vai sanita abaixo!

Eu, pessoalmente, se a tivesse, usava a bandeira Dinamarquesa ao lado da Portuguesa, e ao lado das fotografias de Mahatma Ghandi, Martin Luther King e de Nelson Mandela!

Viva a LIBERDADE de expressão. Já tivemos 48 anos de rolha.....

Rui Castro disse...

O Daniel tem 2 palas nos olhos. Não vale a pena!

Anónimo disse...

O perigo não está na discussão sobre a oportunidade dos cartonistas dinamarqueses, o perigo está, e por isso o dr.Vasco é um homem perigoso, em ignorar que as reacções como a de Beirute têm muito pouco a ver com o conteúdo dos cartoons diabólicos. E, como se trata de duas questões tão opostas como o azeite cristão e as azeitonas islamicas, há uns espertos que tratam de manter o eufemismo entre ambas. Só não entendo porquê?! Pela retórica e o gozo que ela dá? Comos seria bom que fosse apenas por isso. Mas não é... a génese desta mascarada está mais para lá, está no humus que separa os conceitos de bem e de mal escavados em séculos de afunilamento da inteligência através do medo. Que pena tudo continuar na mesma!!! E mais pena ainda não se perspectivarem mudanças.

joão disse...

Caro SNIPER, você não tem o mínimo de nível.... a sua capacidade de argumentação é desastrosa, além de ser, de um claro baixo nível e de falta de educação.... A palavra/significado "respeito", "tolerância" não fazem, definitivamente, parte do seu intelecto... é uma pena!

Vasco disse...

«As pessoas que escrevem nos blogues, como muitas das que escrevem nos jornais, como as que falam na televisão, dão aquilo que elas julgam que serão opiniões. Políticos falhados, jornalistas frustrados e tanta outra gente completamente iletrada, que não conhece os assuntos, e podiam dizer aquilo, ou o contrário, que era igual ao litro. Mesmo a maior parte dos cronistas são ignorantes, e o que escrevem são crónicas desnecessárias ou desabafos, aquilo a que chamo jornalismo da indignação. Mas faz muito sucesso, porque como as indignações são básicas, há muita gente a partilhá-las, e a ficar feliz por o senhor X, que até escreve no jornal, pensar como elas.» Assinado: Vasco Pulido Valente

piscoiso disse...

Ena.
Até medidores de nível aqui vêm parar !

Anónimo disse...

Apenas uma acha para a fogueira: o filme The Life Of Brian (Terry Jones, 1979), goza durante 94 minutos com a figura de Jesus Cristo. Do nascimento até à morte. Até a virgindade de Maria é levada ao ridículo.
O que se seguiu ao filme em nada se compara com o que se passa agora. Ambos gozam cinicamente com as principais figuras das religiões. E a reacção dos crentes é diferente. Estou profundamente convicto que se o filme se chamasse A Vida de Al Braihan e fizesse a Maomé o que fez a Cristo, os Monty Python tinham sido brutalmente assassinados.
Corolário: dentro de uma vasta intolerância, o catolicismo é muito mais tolerante que o islão.
Nuno Antunes.

Milindrado disse...

Quem é este Daniel Oliveira?
Parece que é apenas mais um mau jornalista, sem referências culturais ou históricas...
Mais um que funciona por injecção de slogans, sem coerência, como infelizmente é comum por cá.

Eu é que estou "milindrado".

Ó VPV, você está ao nível dele?
Eu pensava que não, mas perante a sua resposta ao comentário, começo a interrogar-me...

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro Sniper,
Estou decepcionada. Descobri, aqui e agora, que você não tem nível nem educação e para cúmulo faltam-lhe respeito e tolerância. Não lhe ensinaram em pequenino, que certas palavras nâo se dizem? Ah! Era uma metáfora?! Eu vou rever "Il Postino de Pablo Neruda"{perdoe os erros, mas eu italiano, só de ouvido} porque metáfora é muita areia para a minha camionete!
Um abraço e juízinho

josé disse...

Começa assim a dessacralização de um mítico comentador de jornais, chamado Vasco Pulido Valente.

Bem que sugeri para aí que não deveria descer à cova dos leões que esta caixa de comentários abriga. Por precaução se não quisesse encontrar os anónimos josés e outros que nem nome trazem e que dizem o que lhes vêm à cabeça com que pensam- às vezes melhor que outros renomados.

Vasco Pulido Valente, ao aceitar responder ao tal Daniel que escreve em jornais, participa em programas restritos na tv e escreve sem restrições em blogs, as palermices que todos podem ler e que todos podem comentar, desce ao nível da cave.
Às vezes, é onde se encontram os vintage, como todos os connoisseurs sabem bem.

Será tentação- ou uma vez sem exemplo?!

Acautele-se: a blogosfera é perigosa!
Olhe que o Abrupto não cai na cilada...

josé disse...

Aguentar o embate frontal de comentaristas anónimos e potenciais abusadores da liberdade de expressão, tem o seu quê de masoquismo e não é para todos.

Alguns abespinhados de sempre, resfolegam nos blogs contra os mabecos e biltres que a coberto do anonimato lhes mordem as canelas protegidas pelo nome até agora intocável em teses universitárias e cadeiras em sala de capítulo.

Alguns ainda, temem o assalto da arraia miuda aos ceptros de poder mediático ou pelo menos a desvalorização da cotação.

Compreende-se e por isso, a admiração por este espaço de livre comentário continuar ainda livre, depois de algumas arremetidas, até pessoais.

COntudo, deveremos pensar que a blogosfera é meio ainda pequeno e restrito a alguns afanosos opinadores que obedecem a padrões de normalidade conhecida.

Aliás, os únicos padrões de anormalidade que detectei, com comentários soezes e do pior extracto insultuoso, foram sempre em blogs politicamente libertários, como o Barnabé.
FOi o excesso que me impeliu, desde cedo, a desertar de tal convívio. Safa!

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro José,
O seu último comentário despertou-me a curiosidade e se lhe for possível satisfaça-ma: o Barnabé é o pai do Aspirina b?
Desde já grata

piscoiso disse...

Também é sócio da Casa do Douro ?

haja pachorra disse...

Ao quase mentecapto (quase porque para o ser é preciso uma migalha de entendimento) lembro que a 'blasfémia' (conceito do AT que pouco devia incomodar um cristão) contra o cristianismo tem o patrocínio do supremo magistrado do nação. Qualquer palhaço que queira armar-se em artista (Saramago, Paula Rego, Dan Brown e outros ignorantes chapados) para ser estrela só tem que escarrar na fé cristã. Mas não há problema, como o vpv devia saber se lesse Tertuliano, o único inimigo da Igreja é a... ignorância. E não há cegueira que um cancrozito não resolva: na agonia até aos voltaires caem as escamas.

BONIFÁCIO disse...

"Daniel Oliveira pense bem"

VPV, pense bem: refere uma impossibilidade metafisica, como Ser e não ser ao mesmo tempo

Daniel e pensamento "don't match"...

haja pachorra disse...

Não é preciso um héracles para varrer estas cavalariças, bastará um zé-agostinho. Tende cuidado, gentios, pode ser que se arranje...

josé disse...

mªde lurdes:
Modestamente lhe digo que não sei. Esse barnabé de que fala, é o delgado?!

As genealogias de uma certa esquerda nostálgica de precs, podem interessar-me, mas não ao ponto de lhes conhecer o pedigree.
Antes ir a Lourdes a pé!

Mª Lurdes Delgado disse...

Piscoiso,
O Barnabé não, que já se finou; o Aspirina b duvido que fosse aceite, não tem nome de gente, pelo menos como nós o concebemos lá para cima. Mas se as suas Tias Marcela, Augusta, Constança {perdoe-me se me está a falhar alguma} tiverem um bardo {sabe o que é, não sabe?} de vinha podem e devem ser sócias.
PS:Dei-me conta que me faltava a Tia que iniciou este diálogo, a Vintage 2003.

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro José,
Continuo grata e parabéns pelo humor. Mas deve haver um pequeno equívoco: o Barnabé foi por si citado. Eu só tinha ouvido falar do Aspirina b.
De qualquer forma achei brilhante e já agora touchée!

Anónimo disse...

Para o Daniel Oliveira e outros que tais:

proponho que o camarada Saramago faça uma reedição de o "Evengelho segundo Jesus Cristo", alterando a palavra "Jesus Cristo" pela "Maomé".

Veremos então do que estamos a falar quando destacamos a diferença entre "critica" e "violencia anti-democrática"!!

Bem sei que tanto o DO como os outros que pensam como ele têm plena consciencia disto (não são ingenuos!), mas, POR MANIFESTA MÁ-FÉ, tentam fazer ignorar...

Domingos

Mª Lurdes Delgado disse...

Que cocktail: Saramago, Paula Rego, Dan Brown {e já agora, quem é o Dan Brown?}!

Éme disse...

Cara Maria de Lurdes,

Mas que falta de conhecimentos literários, Dan Brown, autor de "O Código Da Vinci".
Já não confio em si para aquela parte da vinhaça.

Abraço

josé disse...

mª lurdes:

Já agora que aprecia humor, deixo ficar uma pequena amostra que retirei agora mesmo de um sítio que indico a seguir, sem contra-indicações de maior:

"Um bom benfiquista não perde uma promoção "Pague um leve três", nem que para isso tenha de ir até Leiria."


Aqui, fica sempre a ganhar. . Boa disposição.

rb disse...

Não tivesse o DO vindo aqui comentar o post e VPV lhe ter dado honras de réplica e o mesmo, provavelmente, não chegaria aos 67 comentários actuais, isto sem falar de todos os outros que só terão vindo espreirtar e optaram por não comentar. Recomendo aos autores deste blog que mantenham a caixa de commentários e que, quando se justifique, intervenham na caixa de comentários, como tem feito CCS e agora também VPV. Claro que, como diz o JOsé - que por sinal também tem um blog com caixa de comentários onde também intervém, a GLQL - a caixa de comentários expõe demasiado os autores do blog à critica e por vezes até ao insulto. Isso é inevitável. No entanto também os ajuda a escrever e a desenvolver as suas ideias. Para mim, este modelo de blog, aberto e participativo, é o mais interessante. E a prová-lo está o sucesso do Espectro, com muitos bloggers a montarem aqui arraiais, se calhar a escrever mais aqui do que nos seus próprios blogs. Assim, se me permitem: Força CCS e VPV! Mantenham o blog como está continuem a alimentá-lo com energia, que o vosso talento opinativo trata do resto. PS: subscrevo totalmente o post do VPV.

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro éme,
Só por falta de tempo, ainda não li. Mas já reservei na FNAC, bem como todas as Margaridas Rebelo Pinto. Dê-me um coselho. Devo levar para a Provença ou serão demasiado profundos para leituras junto à piscina?
Um abraço {a este ritmo deve ser a pessoa que eu mais abracei em toda a minha vida}

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro José,
Mais uma vez grata, até porque como sou portista {ninguém é perfeito e eu tenho a desculpa de viver nas Antas} comecei logo a rir. No fim rirão outros! Depois desta confidência, não me imagine de very-light em punho. Não faz o meu género.
É-me permitida outra pergunta? Eu faço-a e, se achar que estou a ultrapassar os limites, mande-me à fava. Como é que uma pessoa consegue descobrir que um JOSÉ é um dos autores de um blog não assinado, julgo eu?

Éme disse...

Cara Maria de Lurdes

O Brown e o seu código são levezinhos e bons para a beira da pool, lê-se na bisga e se caír dentro de água não se perde grande coisa, muito embora o final seja um pouco decepcionante. Compre.
Da Margarida sempre me consegui manter afastado e lá vou mantendo a minha sanidade mental.
Quanto aos abraços, faça como eu para variar, e depois vai alternando.

Um beijo

josé disse...

"um blog não assinado"?
Eu escrevo num blog com assinaturas reconhecidas em notários anónimos.
COmo o meu nome é mesmo josé, nem aceito que me contestem esta asserção...ahahahaha!
Por outro lado, este exercício venatório de vir aqui caçar audiência para a charla, em intervalos profissionais, só mesmo com muita condescendência dos autores deste blog.

Espero bem que me perdoem estas atitudes de cuco, mas para que serve uma caixa de comentários alheia, tão bem fornecida quanto esta, senão para vir aqui pôr uns ovitos de banalidades e partir para outra?

josé disse...

Reparei agora que o animador do Contra-Indicado também se chama José.

Atenção, cara MªLurdes! Não sou eu- que nem tenho jeito para humores...

recomendei o blog porque me parece o melhor em cápsulas de humor para a dor na raiz capilar.

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro éme,
Lamento decepcioná-lo, mas veja lá, eu há mais de 30 anos fiz Filologia Românica, na Fac Letras de Lx{na altura não havia no Porto, agora não há em lado nenhum}. Isto habilitou-me a dar aulas de Português, Francês e, se necessário Latim aos meninos do liceu {tb já não há}. Ao fim de dois anos estava farta, esquelética, a precisar de psiquiatra à cabeceira. E vai daí "reformei-me", sem custos para a segurança social, mas com a reforma por inteiro paga pelo meu pai. Optei por ser dona-de-casa {doméstica, como eu sempre digo, é a gata e a cadela}, com alguns inconvenientes, mas numerosíssimas vantagens: ir tomar café cerca das 10 h e ler o Público, no Inverno,quando há sol junto à janela, no Verão na esplanada do Velasquez {isto só no Porto!}, ir ao cinema quando me apetece {agora vou pouco, porque embirro com as pipocas}, ouvir música e ter disponibilidade mental para ler bons livros. Recentemente, acho que hoje comemoro uma semana, blogar. Como só o faço com um dedo e ando à cata das letras, veja lá o tempo que isto me toma! Terá de concordar que era capaz de não ter pachorra para o Código, mesmo junto à pool.
Como sugeriu e bem
Um beijo

Mª Lurdes Delgado disse...

José
Como talvez já se tenha dado conta fui induzida em erro por um comment anterior de um Atento. As minhas desculpas.

josé disse...

Mª Lurdes:
É um prazer encontrar pessoas assim, por aqui, na net.

Hoje dei com a leitura no Público, de um artigo sobre Maria Helena Rocha Pereira que penso lhe dirá alguma coisa.

Se tiver tempo ainda vou escrever algo sobre.

E seja bem vinda a este admirável novo mundo!

Boca-Doce disse...

O VPV, é um neo-setentista (em sarrabulho com a M F Mónica) ?

António Mega Ferreira:

"Há anos dizia que quem se compraz no retrato eterno da miséria são os neo-setentistas educados em Oxford e peritos em investigação social.

– Claro, são os piores.

Os educados em Oxford?

– Exactamente.

O diagnóstico continua actual?

– Completamente. E eles estão aí, escrevem todas as semanas.

Quer dizer nomes?

– Leia os jornais e logo os encontra.

Educados em Oxford e peritos em investigação social, só me lembro de Vasco Pulido Valente e Maria Filomena Mónica.

– Olhe, foi o meu amigo que o disse. Tem graça, não me lembrava deles. São incapazes de relativizar as coisas: isto é tudo horrível, é tudo mau."

piscoiso disse...

Ó Vasco, ponha aí uns posts cor-de-rosa, para ver se os comentários chegam aos 300.

Mª Lurdes Delgado disse...

José,
Grata pela indicação, pois hoje apesar do sol não pude ir ao Velasquez e ler o Público. Os tais inconvenientes do ménage, o after day da comemoração dos 30 anos da minha primogénita. Mas como o cadet quer ver o jogo do Porto e nós não temos Sport Tv, senão ele nem dormia, vou comprá-lo. Pode ir para casa de um Pereira Coutinho, desterrado aqui a estudar, desde que me compre o Público. Mas espero que o José tenha tempo para fazer os seus comentários que eu lerei com o máximo interesse e gosto.
E grata também pelas boas vindas ao admirável mundo novo. Belo livro, não acha?

Mª Lurdes Delgado disse...

Psicoiso,
Se falar de todas as suas tias verá que não serão necessários psts cor-de-rosa
Amicalement

A. de Anónimo disse...

Se no tempo das cruzadas já existissem cartoons seriam os islamicos a gozar o JC...e os cristãos a ficarem furiosos.É que naquele tempo a prosperidade, a "superioridade" civilizacional( conceito um pouco abstracto) e a tolerância estavam naquelas bandas(com as devidas proporções, claro). Pelo que vejo e vou lendo o fanatismo religioso é proporcional à miséria que existe, para a maioria do povo, que habita o "eixo do mal". Sim, para um ser humano por fim à sua vida em nome de uma religião é porque não lhe resta mais nada para além dessa religião...
Bem Haja!

Éme disse...

Cara Maria de Lurdes,

Não há qualquer problema.
Como eu também vou, comprometo-me a ler-lhe o livrito à beira da piscina, enquanto doira o seu esbelto corpo com o lindo sol italiano.
Poupa os érios correspondentes porque levo o meu exemplar e poupa os seus olhinhos, que assim sendo não se cansam nas letrinhas e podem disfrutar da bela paisagem e de mim próprio, que também não sou nada de deitar fora.
Que me diz?
Ou marimbamos no código e vamos mas é esportular dinheiro em coisas boas?
Enfim, você melhor decidirá.

Agora, para variar, mando-lhe um xi-coração.

Saloio disse...

Ao que isto chega....

Comentarem "opiniões" do Daniel Oliveira...qualquer dia estão a comentar opiniões do Tino de Rãs, do Alexandrino, ou de outros seres igualmente mentecaptos, mas algo mediáticos.

E ainda para mais, o vpv dignou-se responder-lhe. Sim senhor, deve ser para não ser acusado de qq coisa má lá no Eixo. As "opiniões" do DO são determinadas pelo komité central...não são dele, por isso não batam mais no infeliz, que é uma mera correia de transmissão ou boneco de ventríluco.

O lugar que o DO tem na comunicação social é o preço que a democracia tem que pagar para existir. Ganhou ele os tachos, talvéz por ser mais simpático, mas podia ser outro qualquer lá do Bloco, dos que (tal como ele) têm por missão minar a democracia.

Saloio

Pedro Botelho disse...

De vez em quando a ingenuidade do VPV consegue surpreender-me.

A óbvia razão por que o Daniel Oliveira se saíu com o disparate do menino Jesus, foi para não deixar o Moisés sózinho, exposto na praça pública à reflexão das multidões...

Mete-se pelos olhos dentro. Não são precisos grandes inquéritos.

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro éme,
Lá está você a jogar a carta da ingenuidade. .Então eu não lhe disse que ia en couple. E quanto aos olhinhos levo as oculetas para ler, adequadas à minha provecta idade. Em matéria de corpinho, você deve estar a ter fantasias com as minhas filhas e isso não perdoo. Não vê que elas a trabalharem {se o outro me torna a falar de baixas, pontes, atrasos…passo-me} não têm tempo nem pachorra para blogarem! Está-se a candidatar a meu genro? Não vale a pena! São duas belas {orgulho maternal, nem eu escapo} moçoilas, e cheiinhas de juízo. Não reivindicam, como agora está na moda, o casamento {esta foi mesmo reaccionária}. Já perceberam que a maioria dos homens não vale o esforço.
Um abraço { eu mantenho a alternância}

Éme disse...

Cara Maria de Lurdes,

Não entendo a sua amargura, eu só ia para ler o raio do livro, rien d'autre.
E além do mais nem sequer sou ciumento.
Nunca ousaria trazer a sua descendência à cumbersa, nem sequer sabia que a tinha.
Como somos os dois da mesma idade vou-lhe perdoar por esta vez.
Mas o que já não posso deixar passar em claro é essa referência a que a maoiria dos homens não vale o esforço do casamento.
Não concordo, é tudo uma questão de saber escolher.

Olhe, um beijaço (mistura de beijo com abraço, ocorreu-me agora mesmo)

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro éme
A cumbersa sobre os parceiros é da minha prole. Ou verduras da idade ou defeito de educação. Mea culpa! Mas já viu as vantagens: casa, mesa, roupa lavada {e bem passada, que a minha empregada, é um espectáááculo!}, quarto e casa de banho privativa, pais p'rá frentex...Não, não são nada parvas!
Um beijo {a tal alternância}

Carlos Gil disse...

chiça!!!!

Anónimo disse...

Cara Maria de Lurdes,

os livros de Dan Brown
são uma criação da imaginação
maldita, uma invenção
fabulosa,
tenha isto sempre em memória.

Convém não poluir o seu espírito
com tanta maldade.

Existem coisas mais belas. ;-)

A Gelinota

Monique disse...

ho piscoiso.... vê lá se tiras o capecete..... Não comentas um peido!

Éme disse...

Cara Maria de Lurdes,

Essa dos "pais prá frentex" parece-me algo despropositada e antiquada.
Fica-lhe mal e depois se as crianças aqui viessem pensavam que a mãe teria bebido Messias a mais.
Não, a expressão correcta e actual é "pais bué da fixes".
Aprenda que eu não sou eterno.

No rumo que tracei, por ora leva 1 beijo e 0 abraços.

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro éme,
Ninguém no Porto usa "bué". Nem os chavalos!
Entretanto a prole adora e orgulha-se que a mãe tenha sido uma soixante-huitarde. Eles sabem como isso lhes deu uma certa leveza de vida. Bastava olhar para os colegas que, volta meia volta, pediam asilo político cá em casa e, passado o calor das fúrias parentais, ainda contavam comigo para negorir o regresso ao ninho.
Um abraço

Mª Lurdes Delgado disse...

Claro que não era negorir , mas negociar

dTb disse...

Quando os talibans destruiram as estatuas budistas os governos ocidentais nada fizeram... pudera eles nem a casa metem em ordem!
Nem mais um tostão para a autoridade palestiniana nem mais um tostao para o petroleo iraniano!
Os muçulmanos são atrasados e muitas vezes enganados por uma máfia esperta que sabe o que faz e que é doida e so dois tiros nos miolos é k era

Anónimo disse...

100 posts é obra! cumprimentos