sexta-feira, fevereiro 03, 2006

O MITO DAS ORIGENS


No PSD, com opinião publicada e profissão respeitável, Marques Mendes foi sempre um líder a prazo. Um incómodo que se antecipou, no último congresso, impedindo a candidatura de nomes sonantes, como Manuela Ferreira Leite ou António Borges, dois eleitos do cavaquismo, com fama de liberais e créditos na alta finança. Nesse PSD, Marques Mendes não existe, a não ser como recurso, para preparar o caminho à gloriosa aventura que se seguirá. Não por estar na oposição, como esteve Marcelo Rebelo de Sousa, na sua frenética agonia. Ou Durão Barroso, a quem o partido caiu nas mãos, ascendendo, mais tarde, ao poder, por obra e graça de António Guterres. Mas porque, ao contrário de Marcelo e de Durão Barroso, Marques Mendes não pertence à elite do PSD. Nunca fez parte de um pequeno grupo de predestinados com apelido conhecido, escritório privado, curriculum académico ou chama intelectual. Para cúmulo, não tem uma grande figura, vive numa vivenda geminada e não frequenta a casa de grandes empresários. O mesmo PSD, que defendeu, com afinco, as origens de Cavaco Silva, face à “arrogância” soarista, aceita, com dificuldade, que um homem de Fafe, pouco cotado nas altas esferas da sociedade, possa, algum dia, chegar a primeiro-ministro. Enquanto ele estiver à frente do PSD, haverá sempre, no PSD, quem suspire pela abertura do partido, pela renovação do partido e por uma nova oposição por parte do partido. Como se o partido tivesse que ter uma imagem que compensasse a imagem que o seu líder tem nalguns sectores do próprio partido.
ccs
(adaptado da revista Sábado)

39 comentários:

Éme disse...

Mau.
Tirando o Sá, que por acaso também era mini mas foi um bom líder do PSD, onde é que o partido teve um presidente que prestasse para alguma coisa?
Ah, pois claro, o Cavaco, que cabeça a minha.

Musicologo disse...

O Marques é óptimo para líder de transição, isto é, vai fazendo oposição enquanto o PS se "gasta"...depois quando o ciclo estiver terminado e o PSD estiver de novo na mó de cima e pronto para regressar ao poder, aí sim, teremos uma Ferreira Leite, acabadinha de entrar e logo para seguir para a porta grande. Para quê estar a gastar-se nos anos de "agonia" ?

ccs disse...

como sabe, esses cálculos às vezes saem furados.

Lord Jeremias disse...

é aí que entram as directas... o luizinho não é parvo de todo apesar de muitos o axarem... a dúvida é como os habituais trocas de apoios e subidas de posto vão funcionar com as eleições directas através de todos os militantes. estou curioso de saber se me vão oferecer um lugar na comissão nacional só pelo meu voto?

ccs disse...

então não? e se arregimentar uma dúzia candidata-se à liderança

Lord Jeremias disse...

bem. nesse caso axo que já ultrapassava o santana e o marco antónio juntos!...

Aestranha disse...

É pena que assim seja, eu que sou social-democrata recuso-me terminantemente a votar no PSD. Este líder pode ter pouca estatura e não ser um dos notáveis do partido mas é sem dúvida um dos poucos que fez alguns trabalhos de casa e que ainda poderia trazer alguma social democracia ao "so called" PSD.

scriptore disse...

Eu torci por Marques Mendes face a Menezes, não votei porque ainda não havia directas (dúvido que o partido se abra às directas tão cedo) mas preferia ver António Borges ou Manuela F. Leite como lider e não era por M. Mendes não fazer "parte de um pequeno grupo de predestinados com apelido conhecido, escritório privado, curriculum académico ou chama intelectual."
Reconheço que agora vai haver muita gula pelo poder e tentativa de desgastar M. Mendes, mas a politica é para os predestinados e para os resistentes. Veja-se Durão Barroso.

rui disse...

Desculpe lá, Constança, mas está a esquecer-se do famoso «grupo da sueca» e do Fernando Ribeiro da Silva, donde emergiram o cavaquismo e o próprio Marques Mendes, vinte anos atrás.

Abraço,

RA

rui disse...

Desculpe lá, Constança, mas está a esquecer-se do famoso «grupo da sueca» e do Fernando Ribeiro da Silva, donde emergiram o cavaquismo e o próprio Marques Mendes, vinte anos atrás.

Abraço,

RA

rui disse...

Desculpe lá, Constança, mas está a esquecer-se do famoso «grupo da sueca» e do Fernando Ribeiro da Silva, donde emergiram o cavaquismo e o próprio Marques Mendes, vinte anos atrás.

Abraço,

RA

Operário com Amor disse...

... ou seja, prepara-se já a cama ao líder Marques Mendes, que em tempo de aflição aguentou o barco, acalmou as águas, preparou a "passadeira laranja" para agora outros passerem sobre elas!!!!

Vergonha a política neste país, e desse rol de pessoas enunciado nos vários post acima só tem trazido "coisinhas boas" a Portugal, tal como o Prof. Cavaco Silva enquanto PM, que de tão carinhoso que era para a malta até lhes deu umas bastonadas em tôm de festinhas e tudo, e agora o povo agradece-lhe com a sua reeleição!!!! E já alguns pensam em arranjar-lhe parceiro para o governo, mas digam-me, que melhor parceiro que o Engº José Socrates???? Até foi o seu melhor apoiante nestas eleições, escusado será dizer porquê, porque todos o sabemos...

Urge sair da alternância em Portugal e olhar para a alternativa democrática que se apresenta...

rb disse...

O MM e o PSD vão fazer a sua longa travessia no deserto e só lhes faz bem.

Nuno Marcelino disse...

Não temamos por Marques Mendes, não chegou ontem à política ou ao partido.
Para além disso, tem uma vantagem: hoje os carros já vêm com a rodagem feita...

magnuspetrus disse...

Ao contrário do senhor que se diz atento, até acho que é de uma pessoa como Marques Mendes que o PSD está a precisar.
Quanto ao país, não sei se será o mais indicado, mas o PSD, definitivamente.

josé disse...

Os escanihos do poder, em Portugal, tem as suas vias de atalho.
Seria muito interessante ver um escritor debruçar-se sobre o tema.
A Agustina escreveu Os Meninos de Oiro. Outros escreveram uns apontamentos à pressa. A malograda Helena Sanches Osório tentou.
Até um Deus Pinheiro se tentou na escrita de putativa vendetta.

Mas falta O Romance.

Lembro de o Vasco Pulido Valente ter dito numa entrevista que escrever romances não era para todos...isso numa altura em que se confessava ávido leitor de Frederick Forsythe e outros Tom Clancy, como Grisham.
COmo também nessa altura devorava todo esse trash de luxo, imaginava como seria um autor do género em Portugal, a descrever e narrar as aventuras de um qualquer Coelho disfarçado de Alice. Sim, a do País das Maravilhas!

Anseio há anos por uma coisa dessas.
Quem aparecer, leva o jackpot, tenho a certeza.
Mas não é com estes ersatzs, por muito Mexias que sejam ou Georges universitários...

laranja amarga disse...

A análise talvez menospreze o eleitor-tipo do PSD( em Portugal, o único que fez reformas de fundo) que é muito no género do L.Marques Mendes, pelo que os defeitos que apontam deverão ser antes vistos como virtudes. E depois, nos dias que correm, onde se encontram pessoas da estirpe de Sá Carneiro que se queiram meter na política "à portuguesa"?

Pedro C. Azevedo disse...

Quem conhecer minimamente o passado de Marques Mendes, desde os bancos da escola até hoje, não encontra nenhum do romantismo que CCS lhe tenta atribuir.

Fernando disse...

Este blogue e a ultima coqueluche da classe parasitaria. Se soubessem a verdadeira importancia que a classe politica tem para a vida pratica dos portugueses pintavam a cara de preto e enfiavam-se num buraco

xatoo disse...

Este blogue ´´e a ultima coqueluche da classe parasitaria. Se soubessem a importancia que a classe polica representa para a vida pratica dos portugueses, bem que pintavam a cara de preto e enfiavam-se todos num buraco.

JAC disse...

"O presidente da distrital do PSD-Porto, Marco António Costa, anunciou hoje que vai abandonar a liderança da estrutura, numa “decisão irreversível”, convocando desde logo eleições antecipadas para 11 de Março."

Comentários!!!




«Somos uma nação pobre (estéril) e castrada (infecunda) … somos um povo descaracterizado, humilhado e cobarde cujos ídolos são uns, alguns de nós, a correr atrás de uma bola num campo relvado. – JAC»

http://sal-portugal.blogspot.com/
JAC – Sal de Portugal

Anónimo disse...

Na mouche.
Não é por acaso que o partido se abespinha tanto com o relatorio do T.de Contas sobre o consulado de F.Leite.
Pelo contrario se for Santana Lopes, toda a gente no PPD ( desculpem mas este partido não é social-demopcrata) assobia para o lado. Tudo foi feito, cirurgicamente para que Santana arcasse com as culpas, as proprias e as que não lhe cabiam.Podia assim o PPD passar a mais que anunciada fase de transição com um "lider" cordato e simpatico, não para o governo, mas para aqueles que esperam "em silencio"
pela oportunidade, "in illo tempore".
M.F.Leite é cavaquista e como tal vai esperar (como Cavaco esperou) até que o Governo e M.mendes se desgastem o necessário. Mas atenção, quem aparecer não será M.F.Leite, será um designado, um ungido.
Santana Lopes foi o cordeiro sacrificado, todos lhe conheciam a ambição e a predosposição pelo poder.Conhecem melhor maneira de limpar um governo (que na altura)não tinha estrategia nem rumo? Pois bem, Santana "mope" Lopes!!Melhor, correram com dois. Não esqueçamos P.Portas!!!
Agora, com o PP "manso" e quase aboletado pelo PPD isto é canja!! Mas há que ter paciencia, e cuidado, não vá Cavaco "intrometer-se".

Jorge disse...

Compreendo que, à primeira vista, este raciocínio de CCS possa fazer algum sentido. No entanto, é, facilmente, refutável com o exemplo do homem que, hoje, temos como primeiro ministro. Sócrates é da Covilhã e, também, conseguiu impor-se nos círculos lisboetas... Já para não falar do homem que, ainda há bem pouco tempo, conseguiu levar, pela primeira vez, o centro-direita a Belém, coisa que nenhum dos ditos apelidos sonantes, jamais conseguira. Este homem, Cavaco Silva, obviamente, conseguiu, também, impor-se na classe lisboeta.

piscoiso disse...

A minha tia Marcela também tem um Chihuahua irritante.

TMS disse...

Que post tão fraco e falso, então "Marques Mendes não tem curriculum"!?, então o Senhor já não foi Ministro?

E é esta Sra. editora de política...

Davide E. Figueiredo disse...

O senhor Marques Mendes uma vez veio cá à Lourinhã nas autárquicas ver as pegadas de dinossauro da pedreira e pôs os pés dentro da pegada. A comitiva do PSD que ia com ele riu muito porque o pé do senhor Marques Mendes era do tamanho do dedo mindinho de um Sinornithosaurus (que nem é um dos maiores)

Planície Heróica disse...

Este país conservou até aos nossos dias o pior das monarquias: os senhoritos, as figuras predestinadas e os privilégios (fundações por ex.) inquestionados e inquestionáveis.

Anónimo disse...

Que nojo me faz a política esta, à portuguesa! Causam-me um vómito do tamanho do mundo estes predestinados, bem falantes, bem descendentes e bem socializáveis dos Borges, Leites e companhias. Coitados! Será que os portugueses continuam tão pacóvios como dantes? Só cresceram democraticamente no dia 22 de Janeiro para o voto na 'democracia'? Todo o resto é para enterrar? Fazem-me pena os portugueses - especialmente os trabalhadores portugueses e até aqueles que menos têm e vão atrás destes Dons Sebastiões de pacotilha. Que bom o Sr. Cavaco agora presidente da república! Não me revejo nele, nem naqueles que o apoiam. Não por qualquer ideia pré concebida de puro democrata, ou porque o sr. nunca se revoltou contra o fascismo, ou porque 'alçou 'quando a res publilca começou a ficar preta, ou por ele ter confundido o balde da cal com o balde do leite - NÃO, porque eu também sou do povão - é mais pelo que ele foi e continua a ser como político e como 'grandessissimo' cinico que não olhou a meios para atingir os fins. É a política, dizem uns. De certo que o sr PM deu Belém de bandeja e alguns apoiantes do PS também, na medida em que permitiram uma campanha medíocre e solitária do seu candidato. Mas apetece dizer: se as árvores morrem de pé, os cavalos também se abatem. Porém, e perante o post e os comentários, não tenho dúvidas que vão manter o cinismo por mais três anos e mais cinco, para depois sim, consolidarem os seus tachinhos - é tão bom comer do erário público...
Mas tenho uma certa pena do MMendes - não pela figura que não tem (pelo menos para aqueles 'estilistas e fazedores de imagem' a caminho de Belém) e que não é sinal de competência nenhuma, mas porque demonstra uma certa coragem em aturar aquela cambada de oportunistas e apunhaladores de costas. (Até tu, meu filho Brutus!). Tem demonstrado algum bom senso e dedicação ao partido, suponho, por isso merecia mais respeito.
Em Portugal a democracia é assim: trampolim para o tacho.

Anónimo disse...

Alguns comentadores dizem que 'Sócrates e Cavaco, não sendo de Lisboa conseguiram impor-se à classe lisboeta'.
Mas impor-se a quê, e a que classe lisboeta? À classe dos corruptos, dos oportunistas? À classe cujo mérito é dado pelas TVs para os promoverem? À classe dos fatos de corte inteiro? Coitados daqueles que são promovidos através da comunicação social! Mais tarde ou mais cedo vai-se fazer história.
Mas não está descabido - basta ver aqueles deputaditos que vêm lá de xima e também lá de baixo à rasquinha a tirarem cursitos de 'dótores' à pressa para entrarem nessa tal classe. Ai que dor!
A verdadeira gente que tem classe, não anda por aí na promiscuidade da política e dos media - trabalha, sabe trabalhar e pensar e não precisa da política para ter estatuto ou classe, ou mais ainda, para ter emprego.
Sabem o que isto me faz lembrar? Eu conto:
Uma senhora, cujo marido enriquecera rapidamente, resolveu mudar de casa para um daqueles condomínios de luxo, pois pensava que isso lhe iria dar muito estatuto - a tal classe - . Porém, um belo dia ao sair da sua porta blindada dá de caras com o homnem do talho - exactamente, aquele onde ela ia comprar os bifes. Imaginem o desabafo para os colegas: 'Vejam lá, gastei um dinheirão para ter vizinhos com 'classe' e afinal o vizinho do meu andar é mesmo, em carne e osso, o homem do talho. Não há pachorra para esta gente que tem assim tanto dinheiro.
Pois é, meus queridos comentadores - fora de Lisboa também há gente com classe, mas mesmo classe a sério. Estes, não precisam da política nem de medias para a badalarem. Têem-na por direito próprio - a dignidade que impõem às suas vidas, a cultura, o rigor e acima de tudo a educação. Desculpem lá, tenham maneiras! (senão chamo-vos de 'provincianos')

fada madrinha disse...

o grande problema do MM é ser assim pró baixito porque o pessoal ibérico gosta de leaders matulões que ficam sempre bem na pelingrafia, com a cabecita lá nas alturas...

Coutinho Ribeiro disse...

Não me parece que, atentas as circunstâncias, Marques Mendes veja a sua liderança em perigo pela intromissão de qualquer dos nomes sonantes que espreitam e que acham que só serão líderes se o PSD lhe cair nos braços. Que eles não são dados à carne assada em jantares da populaça laranja. Mas se o vaticínio estiver errado, não me espanta que os adversários Mendes e Menezes juntem forças contra os "sulistas, elitistas e liberais", num punjente abraço, selado a lágrimas, no palco de um qualquer congresso.

Anónimo disse...

Eu não entendo como ainda há tanta gente a suspirar por um Sá Carneiro. Já não vos chegou a cópia dele: o Santana Lopes?

João Boaventura disse...

Pode dizer-se de Marques Mendes o que S. Tomás de Aquino disse de Deus: "De Deus, não sabemos o que ele é, mas sabemos o que ele não é".

gonçalo ilharco disse...

Constança,

É verdade que o Marques Mendes é um leader a prazo no PSD. Mas, não me parece que seja por não fazer parte da élite que refere. Julgo que a explicação está numa coisa muito simples: não ser um leader carismático. Goste-se ou não, Cavaco tem um certo carisma, resultado da sua aura de competência ténica e de académico. Na era mediática em que vivemos, o carisma - que eu poderia definir como a capacidade de gerar adesão sem se saber ao certo porquê... -, é decisivo, um dias destes torna-se mesmo um pressuposto. A verdade é que Marques Mendes tem uma estatura muito baixa, o que o penaliza bastante. Depois não tem o brilhantismo que muitos atribuem ao Vitorino que lhe permite, em parte, "limpar" a sua fraca imagem. É, por essa razão, que não ficaria admirado se o Passos Coelho viesse a concorrer à presidência do PSD. Aguardemos.

Coutinho Ribeiro disse...

Pungente

galvao99 disse...

Alguem ainda se lembra do que se dizia de Durão Barroso nos primeiros tempos como líder do PSD? Era mais ou menos, ou pior, do que se diz agora sobre Marques Mendes.

Quanto às opiniões sobre o carisma, ou falta dele, do lider do PSD, que em Portugal grassam não deixam de ser a imagem do país: continua a previligiar-se o parecer ao ser. É preciso é ter um ar sério, dominador e inteligente. Os resultados práticos manipular-se-ão à ideia pré-concebida que a plebe e suas elites têm sobre as criaturas.

Não admira que o mérito continue a ser uma qualidade altamente desvalorizada neste país sub-desenvolvido e à beira da banca rota. Mas, aconteça o que acontecer, o que importa é que nao se importune o tuga a faze-lo crer que as suas opiniões é que estão erradas e a enterrar o país cada vez mais. Nem a amostra presente do estado de Portugal lhes serve pra tirarem essa conclusão: a culpa é do Santana, do Peseiro e do Ricardo. O resto é tudo gente séria e competente.

Spin Doc disse...

PROFISSÃO RESPEITAVEL?
MAS ESSE GAJO VIVEU SEMPRE À PALA DA POLÍTICA...
A DRA ANDA DISTRAIDA?

sniper disse...

Em Portugal não há política. Nos EUA, Inglaterra, França, Alemanha, e poucos mais, é onde a política como ciência existe. Aqui vegeta uma gestão de mercearia da vida dos portugueses. Uma "política" dos pequeninos. Isto não consigo comentar e discutir. É degradante.

Anónimo disse...

Envei hoje um ost para este blogue, Fui censurado, dizia que CCS desviou VPV para os cavaquistas, com muito mérito, Até merecia o Pulitzer ou o Nobel de Pacos de Arcos, se fosse necessário. Lembrava que VPV apoiou indefectivelmente Fernando Nogueira contra Cavaco Silva em 1995, edez anos depois reslveu lutar por Mário Soares. Isto foi censurado, o que demosntra o nível intelectual e político de CCS, a responsável máxima do blogue. Niiet