terça-feira, fevereiro 28, 2006

O CÍRCULO VICIOSO

De 2001 a 2005, o Estado empregou 121.000 funcionários, ou seja, pouco menos de metade da população activa que chegou ao mercado de trabalho (325.000). Estes novos funcionários são com certeza gente qualificada ou semi-qualificada (pelo menos com o 12ºano). O Estado continua assim, como desde o princípio do liberalismo, a criar e a sustentar a classe média. No fundo, pouco o separa de um Estado "socialista". Quem quiser perceber algumas das "doenças" típicas da sociedade portuguesa, do fracasso do crescimento à corrupção dos partidos, não precisa de ir mais longe. O círculo vicioso é, aliás, completo: nenhuma reforma essencial se fará contra a vontade da classe média e a classe média não se vai suicidar a benefício da Pátria.
vpv

179 comentários:

Anónimo disse...

Não é só a classe média que não quer suicidar-se.
Os partidos sabem que, ao afrontarem estes interesses de classe, enveredam por políticas suicidárias.
O mesmo circulo vicioso...

Sílvia disse...

Não é o Estado que cria e sustenta a classe média; é a serviçal classe média quem aguenta o Estado (de coisas...).

PlanetaTerra disse...

///

--->>> O Parasita Branco ( a Maioria dos Europeus... ) - com o seu 'discurso típico' - é muito fácil de Identificar:
- 1 - O Parasita Branco [ a Maioria... ] não está preocupado em construir uma Sociedade Sustentável - uma Sociedade dotada da Capacidade de Renovação Demográfica ---> É a filosofia ' LIVE NOW' -> " a vida são dois dias" -> " a vida é para Curtir " -> " QUEM VIER A SEGUIR QUE FECHE A PORTA " !!!!!
- 2 - O Parasita Branco [ a Maioria... ] pretende estar no Planeta a Curtir abundância de mão-de-obra Servil... APESAR DE... o Parasita Branco NEM SEQUER constituir uma Sociedade aonde se procede à Renovação Demográfica!!!!!!......
- 3 - O Parasita Branco [ a Maioria... ] pretende estar no Planeta a Curtir a existência de alguém que pague as Pensões de Reforma... APESAR DE... o Parasita Branco NEM SEQUER constituir uma Sociedade aonde se procede à Renovação Demográfica!!!!!!......
- 4 - Como seria 'imoral' serem estrangeiros a pagar as Pensões de Reforma ao pessoal... o Parasita Branco [ a Maioria... ] procedeu à alteração da LEI DA NACIONALIDADE... para depois ir gerindo a atribuição da nacionalidade a imigrantes [ e filhos de imigrantes ].


NOTA: O Parasita Branco não é PARVO... pretende, ISSO SIM ,... é 'comer-nos' por PARVOS: --- >> para que a Ocupação da Europa por outros Povos não seja considerada como o resultado da actuação de um BANDO DE PARASITAS no Planeta... mas sim... um ‘Processo Absolutamente Natural’... o Parasita Branco adoptou um TRUQUE Engenhoso: --- > o Parasita Branco promove a mundialização/globalização... e é INTOLERANTE (!!!) para com os Povos Nativos que reivindicam o Legítimo Direito à Sobrevivência da sua Identidade!?!?!?!......


O LEGÍTIMO Direito ao SEPARATISMO
http://divisao--50--50.blogspot.com/

///

ruy disse...

Repare-se nas centenas de milhares de cargos de nomeação politica, sem concurso público portanto, para os quais não é necessário curriculum ou qualificações apropriadas, que se criaram na administração pública e câmaras municipais, substituindo serviços existentes quer no Estado quer nas câmaras, sobretudo a partir de 1995. Falo sobretudo dos Institutos, empresas municipais.
Questiono novamente. Será que tudo isto veio beneficiar o cidadão, e que os serviços a ele prestados melhoraram ? A resposta será inequivocamente não, o que demonstra o desperdício, a incompetência e a completa inutilidade de tais organismos e quadros. Seria interessante, agora que se fala na “reforma administrativa”, que a “comissão” que nela porventura trabalha, apresentasse um estudo, no qual comparasse, e isto em cada uma das direcções gerais dos vários ministérios, os investimentos executados em 1993, por exemplo, com as despesas correntes do mesmo ano (salários mais despesas gerais ) e obtivesse a razão destes dois valores. Para o ano de 2005 efectuaria os mesmos cálculos, comparando de seguida as duas razões assim obtidas. Verificar-se-ia seguramente, de um modo grosseiro mas que não deixaria de ser exacto, que o esforço para efectuar os mesmos investimentos de 1993, seria hoje duplicado ou triplicado, isto é, que para a mesma despesa de investimento, seria necessário agora, o dobro ou o triplo da despesa corrente, por outras palavras, que a produtividade destas direcções gerais baixou para um terço.
Será esta a verdadeira razão, quanto a mim, do défice e do atraso estrutural do País, que se manifesta com maior vigor em fase de retracção económica global.
Uma classe política, corrupta, incompetente e sem valores, que se cobre de privilégios, será a única responsável pela actual crise.
Não será seguramente esta classe política, PS , PSD, etc, que irão alterar este estado de coisas.
Necessitando de mais verbas, porque a senda da criação de mais empresas municipais, comissões reguladoras, fundações e institutos, não terminou ainda, não enxergam outra solução para resolver a crise que não seja aumentar mais os impostos e reduzir as prestações sociais dos trabalhadores (direitos adquiridos pós 25 de Abril).
Não será esta classe política que alterará uma situação que lhes convém e que tão bem souberam criar ao longo dos anos.
Outros homens , outro regime, terá capacidade para romper com os privilégios existentes e inverter este ciclo despesista e corrupto.
Assim prevejo o futuro.
O governo actual introduziu algumas medidas que diz ser de combate ao défice. Sobre elas, aquilo que penso é que o governo parece pretender combater o cancro com aspirinas. Foge do fundamental e entretêm-se com o acessório. Já dizia o Aleixo, a mentira para ser aceite, e atingir profundidade, tem que trazer à mistura, qualquer coisa de verdade.

pirata vermelho disse...

SILVIA- lembra bem
VASCO- o que lhe faz pensar que licenciado ou "pelo menos com o 12ºano" significa qualificação?
mas
sim, é um círculo vicioso, en tout cas

Anónimo disse...

qualificaçao, devia ser o mote.

Veja-se a vergonha dos jornalistas da rtp à porta do aeroporto por causa da colera em Africa. Como se os passageiros pudessem trazer a colera para cá, como se fosse plausível o contágio pessoa a pessoa ou coisa que o valha. Só alarmismo, desinformaçao, um nojo de jornalistas.

e sao funcionários publicos!

Jose Sarney disse...

Princípio de liberalismo?

Mas que "liberalismo"? Em Portugal? Quando? No tempo dos "miguelistas", ou no tempo de D. Maria II? No tempo de João Franco? Ou no tempo de Salazar? Ou já agora, no período do "Otelo do Campo Pequeno"? Ou no "Cavaquistão"?

Portugal NUNCA teve Liberalismo!

Portugal foi sempre Paternalista, quer o pai se chamasse António de Oliveira Salazar, quer se chame Estado Social de Abril!

Risco? Empreendedorismo? São palavras banidas do vocabulário! Ou antes, nunca existentes nele!

É uma vergonha, mas é verdade que o tal "Estado Social" deu "emprego" (trabalho?) a cerca de metade dos licenciados em Portugal! E há milhares de desempregados! Mas, o que pulula são empresas lideradas por indivíduos "desenrascados", com mentalidade de merceeiro, cheios de vontade .....de fugir aos impostos! Ahhh, e com um PhD em malandrice e biscatice!

Mas, a Luta Continua!

Antonio disse...

Muito boa esta analise.

A tao propalada falta de iniciativa privada tem aí as suas raizes e ciclos viciosos.

Também nao tenho soluçao.

Mas acredito que a nossa geraçao (30 e menos) despontará um pouco mais.

O pior é qu eemm muitos casos temos de emigrar!!!!

daviduskas disse...

Pois. Tudo muito certo. E?

maloud disse...

Em Portugal não há, nem nunca houve classe média. Aquilo a que chamamos classe média é uma caricatura de uma verdadeira classe média. Parece é que esta caricatura não suscita os sobressaltos, que outras provocaram.

piscoiso disse...

A minha tia Anastácia, costuma ir curtir para as repartições públicas.
Leva um iPod nos ouvidos e tira uma senha. Quando chega a vez dela, dá a senha ao mais simpático.

Marco disse...

Então agora a culpa do que o Governo/Estado faz, ou não faz é da classe média? Coitadinhos dos governantes de mãos atadas por causa da terrível classe média...

Anónimo disse...

A classe média é uma entidade (realidade)... estatistica (ou quase).
O problema é que, em Portugal, decide as eleições!

Anónimo disse...

Este VPV está paulatina mas irremediavelmente a perder qualidades com textos tão inócuos e inodoros como este...

Ao que chegaste VPV...

Será do Irish Coffee ?

Anónimo disse...

Eu acho que é dos blogs, é uma tentação escrever umas coisas, sem ter que fundamentar... é pena, insisto, o rigor faz falta e se os académicos com nível se juntam ao bacanal da asneirada, então realmente a esperança diminui...

Apatrida disse...

Hé Hé!!! O Irish coffee não faz mal nenhum!!! e o Irish puro também não!!! Que é isso, Anonimo? Nada de confusões!

mala de cartão disse...

Tou com o apátrida. Irish coffe do bom nunca fez mal a ninguém, muito menos do puro!

Anónimo disse...

Parece que a classe média não gosta de ouvir VERDADES politicamente incorrectas.

daniel disse...

VPP é um careta comparado com a tia Anastácia do Piscoiso.
Ela é mesmo uma baril.

working class disse...

Ó, meu, a malta não gosta de ouvir verdades, incorrectas ou não e prefere pelo contrário mandar abaixo uns baldes de lager, topas?

Anónimo disse...

pois...tiro ao lado mas ficámos a saber onde está o porta-aviões...

Reformista disse...

Pois. Tou com o working class. Uma boa reformazinha era meter esses gajos todos da função pública a emborcar uns copázios valentes logo pela manhã...Pelo menos sempre nos atendiam com um brilhozinho nos olhos e um sorrizito na boca...

submarino ao fundo disse...

Ficámos, pá? Tens a certeza?

Anónimo disse...

Eh eh eh eh eh

VPV e Irish Coffe...esse binómio foi bem bolado...

Anónimo disse...

Estes "gaijos" são uns liberalões da porra. Enfiados num saco de sarapilheira com umas pedras lá dentro e deitá-los no Mar da Palha ainda era pouco...
Vcs andam é com a barriga cheia de ler a Atlântico e nessas cabecinhas já nem sequer há lugar para ler as crónicas do Luís Delgado...

Anónimo disse...

O que importa reter neste post é que "de 2001 a 2005, o Estado empregou 121.000 funcionários, ou seja, pouco menos de metade da população activa que chegou ao mercado do trabalho (325.000)".
Dos 150.000 empregos prometidos por Sócrates, quantos mais vão engrossar o batalhão de funcionários do Estado, da amninistração central à local, não é difícil de prever. E, como o Ruy demonstrou, isto está mesmo a ficar inviável e não creio que seja só a classe média a sentar-se à mesa do orçamento. As cliques partidárias não estão só instaladas: estão cimentadas, o que é mais grave.

Adorador de Irish Coffe disse...

Caro Vasco

Parece-me que este post teria tudo a ganhar se nos tivesse apresentado não só os números portugueses mas também os de outros países, nomeadamente a Espanha, França e Reino Unido (provavelmente o mais liberal dos três). Em percentagem, o que nos separa realmente dos outros? Saber os nosso números de per si não me diz nada.

Anónimo disse...

Ainda não percebi se VPV faz o papel de almocreve ou de uma qualquer bisbolheteira vicentina, nos tempos que correm...
Alguém me pode esclarecer?

Anónimo disse...

bisbilhoteira...(lapsus teclae)

Anónimo disse...

Bom dia a todos

Chamo-me Daniel Estulin. Sou o autor de "Clube Bilderberg - Os Senhores do Mundo". Devido a algumas informações muito perturbadoras que temos recebido dos nossos amigos em Portugal, estou a escrever a todos os bloggers portugueses a pedir ajuda.

Recebi informações de alguém que trabalha para a Temas & Debates em Portugal que os editores receberam FORTES PRESSÕES de membros do governo PARA NÃO VENDEREM O LIVRO acerca do Clube Bilderberg. Aparentemente este apanhou mesmo o governo de surpresa e assustou-o. Têm medo que este se torne num fenómeno mundial. De facto, está a tornar-se num fenómeno mundial, uma vez que foi editado em 28 países e em 21 línguas.

Esta carta é um pedido de ajuda. Por favor enviem-na a qualquer pessoa disposta a lutar pela liberdade de expressão. O governo e o meu editor em Portugal, Temas & Debates, estão a tentar sufocar este livro porque têm medo que este possa criar uma base que se transforme num movimento populista em Portugal, como já aconteceu na Venezuela, na Colômbia e no México, nos quais a primeira edição esgotou em menos de 4 horas e causou manifestações em frente das embaixadas dos EUA, algo que, como é óbvio e devido ao bloqueio da comunicação social, você não viu nem ouviu na televisão nem na imprensa nacionais.

Se não enfrentarmos estas pessoas da Tema & Debates e do governo elas irão vencer esta luta e nós, o povo, ficaremos UM POUCO MENOS LIVRES E UM POUCO MAIS PODRES INTERIORMENTE.

Peço a todos aqueles que queiram ajudar que:

1. Apelem a todos os bloggers que por aí andam a telefonarem para a Temas & Debates e perguntarem o que se passa e a EXIGIREM que vendam este livro. Já contactei todas as pessoas que conheço pessoalmente e estas estão a organizar uma campanha de telefonemas e de envio de cartas PARA TELEFONAREM OU ESCREVEREM À TEMAS E DEBATES E EXIGIREM UMA EXPLICAÇÃO.

2. Estão dispostos a telefonar aos vossos contactos na imprensa, aos vossos amigos e aos amigos dos vossos amigos e verem se estão dispostos a publicar esta história e em ajudarem? O que o editor e o governo mais temem é O ESCRUTÍNIO PÚBLICO E A ATENÇÃO INDESEJADA.
Quantas mais pessoas telefonarem e assediarem o editor, e o governo, menos possibilidades terão eles de levar essa tarefa a cabo. Se não fizermos algo seremos tão só MENOS LIVRES NO FUTURO. É ESSE O OBJECTIVO DA BILDERBERG. MAS NÃO É ISSO O QUE EU QUERO PARA OS MEUS FILHOS.

Com base nas nossas fontes no Porto e em Lisboa, descobri que a muitas pessoas têm ido à FNAC à procura do livro mas que, de acordo com a FNAC, "o editor, por qualquer razão, não está disposto a vendê-lo."

Posso dizer-lhes, por experiência própria em Espanha, que esta pressão funciona. Inicialmente a primeira edição foi de 4.000 exemplares que se esgotou num dia. A Planeta (a editora espanhola - nota do tradutor) estava a ser MUITO vagarosa no reabastecimento das livrarias.

Organizamos uma campanha massiva na comunicação social na qual isto quase se transformou num ponto crucial para a liberdade de expressão. E funcionou. A Planeta cedeu, o livro avançou e actualmente foram vendidas mais de 65.000 cópias. Também podem divulgar este número na vossa página.

Além disso, estou a organizar uma série de seminários em Portugal para falar sobre os Bilderbergers e os Planos da Ordem Mundial. Esta atenção indesejada irá irritá-los profundamente. Os Bilderbergers são como vampiros. O que odeiam mais que tudo na terra é que a luz da verdade brilhe sobre eles.

Adicionalmente, se isto resultar em Portugal, irá enviar uma dura mensagem a outros países que desejem ceder à pressão dos membros do governo ou a quem quer que seja.

Agradeço-lhe adiantadamente e estou disponível para o que possam desejar da minha pessoa.

Daniel Estulin

Bigodes disse...

Esta caixa de comentários está a ficar surreal, surreal...

jacques o estivador disse...

Daniel Estulin,

Só um estulto não sabe o que é o Clube Bilderberg.
A ele pertencem Clinton, Guterres, T Blair, Jorge Sampaio, etc, etc.
Aqui há uns anos reuniram-se todos na Beloura e depois?
Sobre o Clube Bilderberg há demasiada informação na net...
Não seja alarmista, ok?
Não conte com a minha colaboração.
Depois de denunciar a Opus Dei, então poderemos falar calmamente.
Cumprimentos,


Jacques o estivador

Anónimo disse...

Há uma metade do país que vive do que a outra metade paga. A metade que vive do que a outra metade paga é a metade honesta...A outra que paga mas não paga o que a outra metade quer que pague é a metade criminosa.Paga mas o que paga não chega para pagar o defice A metade que paga não pruduz : regulamenta. A metade que pruduz paga porque se não pagar vai pagar na penitenciaria. Mas o que a metade que vive do que a metade que paga paga devia perguntar era:
Quem é que vai pagar se aniquilarmos a metade que paga?

Anónimo disse...

Para se ter uma ideia do que o Estado que nos sufoca cresceu nos ultimos anos basta ter em atenção esta numero:
O valor do defice a preços constantes é igual ao total das despesas em 1974
Francisco Múrias

Anónimo disse...

com guerra...

jacques o estivador disse...

Não sabia que não querer colaborar com o Daniel Estulin, dava direito a censura aqui neste blogue...

jacques o estivador


P.S. do Clube Bildberg faz parte Clinton, Guterres, Tony Blair, Jorge Sampaio, António Vitorino, etc, etc.
Reuniram-se na Quinta Beloura aqui há uns tempos atrás...
Não percebo qual é o mal!

Anónimo disse...

É pena que VPV até a nós (ou muitos de nós), que aqui escrevemos, critique. Mas no fundo, o que diz é verdade: a classe média acomoda-se no paternalismo do Estado. Não existe classe média realmente produtivia e essa, inunda a função pública.

MCM disse...

bem visto. Infelizmente é isso mesmo que se passa...

Anónimo disse...

Vai mas é para a praia filha!

MP-S disse...

Talvez nao fosse ma' ideia o Estado patrao distribuir umas tarefas mais estimulantes aos seus empregados. Por exemplo, criar empresas e novos negocios. As empresas multinacionais fazem-no, porque nao o Estado? Sempre era um comeco, ja' que nao temos um Far-West para ir aprender a "empreender".

Politikos disse...

Claro que este post teria necessariamente de ser muito comentado... E quem reclama nos comentários são os mesmos que reclamam quando não há professores para os filhos, médicos nos hospitais, polícias na rua, o seu «problemazinho» da água resolvido a tempo e horas (não é vpv) - & etc.
É claro ainda que o vpv tb é funcionário público ou será que faz o que a sua ex faz que é não se considerar funcionária pública (v.g. Visitas ao Poder). Ou será que os professores universitários pertencem à casta superior?
Gostava de ver contabilizado, nos números do défice, os custos das centenas de milhares de portugueses com mais de 50 anos reformados das muito bem geridas multinacionais, banca e seguros e a receber reformas da SS?! Na minha família, conto pelos dedos de uma mão os que trabalham no sector privado e empresas públicas com mais de 50 anos?!

Di Jay disse...

A classe média “made in Portugal” tem a sua especificidade...
Vive da “ sopa “ do Estado. Em troca vai comendo e calando, fazendo fretes, lambendo, enquanto os boys dos partidos e do Estado vão manobrando as suas influências a seu bel-prazer. No subconsciente da tal classe mérdia, uma frase maldita: se não consegues vencê-los, junta-ta a eles. Cambada.
( Neste estado de coisas, tudo o que tem a ver com conhecimento e competência, assusta. Tem um fado. A não ser que este ou outro governo desse novos sinais. Quem? )

Lá se vão encomendando avaliações a comissões, mas o cancro já alastrou.
Favorece-se a empresa A, mete-se o sobrinho B, encaixa-se a amante C...tudo em alegre simbiose.

A interpretação das leis já não é o que era, muitos concursos públicos surgem por encomenda. Mais, já se arranjaram artifícios ( leis) para fugir ao crivo dos concursos, do mercado, da concorrência. É o que se chama ter “ o mercado na barriga”, camuflado de “iniciativa privada”. Pois, esta coisa dos concursos também é sempre um risco, às vezes o tiro sai pela culatra.

( qualquer semelhança com a realidade é pura ficção )

Despudor!

Anónimo disse...

Se com o dinheiro gasto no Ministerio da saude fosse dado um seguro de saude no valor de 45 euros mensais (optimo seguro) popava-se do orçamento geral do estado 2 mil milhões de euros e ficavamos muito mais bem servidos

Francisco Múrias

Anónimo disse...

45 euros a cada portugues (incluindo as crianças)

Anónimo disse...

Se o troco (2 000 milhoes de euros)fosse distribuido por cada portugues (incluindo crianças) recebiamos cada um 166 euros para passar um fim de semana no Algarve

Francisco Múrias

Anónimo disse...

Se se desse um cheque no valor de 50 contos por mês a cada estudante (publico e privado) (desde a pre ate à Universidade)poupava-se 200 milhoes de euros .
Francisco Múrias

Anónimo disse...

Com o troco (200 milhões de euros) podiamos abrir um concurso publico (só para politicos) para ver quem é que se candidatava a um exilio dourado (tou convencido que se candidatavam todos)

Francisco Murias

tina disse...

Realmente, o que a classe média deveria fazer era recusar empregos no estado. Isso obrigaria o governo a não criar mais postos de trabalho já que não haveria pessoas para preencher o lugar. Mas não, a classe média continua a aceitar o emprego que o estado lhe oferece. Que classe média tão pouco compreensiva é a nossa, assim o país não avança... que chatice!...

quintoimperio disse...

Meu caro Vasco. A classe média é o quê? A que paga impostos? Ora todos os funcionários pagam impostos, logo todos são da classe média. E não produzem nada? Produzem um Parlamento, um governo, o pior presidente da república que tivemos (Sampaio de seu nome)e uns governantes que fogem de vez em quando quando lhes cheira a esturro!
O que vale é que SANTANA ANDA POR AI E O PORTAS VAI ESTAR NA SIC!

Manolo Heredia disse...

Vamos mas é negociar com Bruxelas a demolição das autoestradas, e eles que nos deixem voltar a semear trigo e milho, e ter uns barquitos à pesca !

henrique doria disse...

Seria interessante é saber-se quantos desses funcionários entraram para o poder local, para se saber como sobrevive o poder local à custa do país.
Por outro lado seria interessante perceber-se porque é que a chamada sociedade civil não cria mais empregos que o Estado, analisando as qualificações dos novos empresários ( e dos antigos) e dos novos empregados.Compreender-se-ia que o país é assim porque somos o único país da Europa dos 15 em que os trabalhadores são mais qualificados que os empresários. E que estes falam contra o Estado, mas são os primeiros a querer os seus benefícios ou, mesmo, a corrompê-lo.

Politikos disse...

Em adenda ao que se disse acima e porque os «funcionários públicos da classe média», segundo VPV, têm de trabalhar amanhã:
http://polisetc.blogspot.com/2006/02/os-funcionrios-pblicos-da-classe-mdia.html

formol disse...

Os críticos também são da classe média: não produzem nada e vivem disso.

Alessandro_PPG disse...

Olá! Estou divulgando o meu trabalho de ilustração publicitária e meu blogger: http://ilustrada-ppg.blogspot.com/ e meu site: http://www.ilustrada.ppg.br/

Carpinteiro disse...

O assustador é que os privados de facto não representam uma alternativa nem ao emprego dessa metade da população activa nem à perpetuação do ciclo vicioso.

Imigremos? A solução não é nova... e os que ficam perpetuam o ciclo do privilégio e da falta dele.

cidadão disse...

A França está novamente em choque, uma vez mais resultado das benesses indiscutíveis do modelo multicultural que está imposto sobre a Europa ocidental. Ilam Halimi, um jovem judeu residente naquele país, que foi outrora europeu e é hoje sabe Deus o quê, foi selvaticamente torturado até à morte por um grupo maioritariamente constituído por africanos, liderados por um indivíduo chamado Youssef Fofana, originário da Costa do Marfim. O bando denominava-se, apropriadamente, «gang dos bárbaros».

Na sequência do ocorrido foi convocada uma manifestação “contra o racismo e o anti-semitismo” organizada pela Licra e pelo SOS Racisme ( os congéneres franceses dos farsantes que por cá usam a mesma designação) e que contou com a participação do “partido único” de poder, que aqueles que ainda lutam contra a africanização da França chamam de UMPS(UMP+ PS), ou seja, uma espécie de CDS+PSD+PS, lá do sítio.

Ao mesmo tempo que os cruzados do anti-racismo se juntavam para o seu habitual exercício de hipocrisia e “lobotomização” da sociedade duas personalidades eram “proibidas” de participar, De Viliers e Le Pen. A sua presença não seria aceitável diria a organização. E embora Le Pen tenha acabado por não ir, De Villiers foi ao protesto, tendo inclusive sido por lá agredido!

cidadão disse...

Superior ironia! Aqueles que ao longo dos anos mais têm contribuído para a presença dos “Youssefs” e seus semelhantes na França e na Europa, as mesmas organizações que têm incentivado a vinda crescente de imigrantes do Magreb e da África subsaariana para a Europa, as mesmas organizações que têm continuadamente desresponsabilizado essas comunidades nos seus crimes e que têm perseguido judicialmente quem ouse falar contra o fenómeno, pretenderam impedir a participação na marcha de dois homens que têm alertado precisamente para a bomba-relógio que é a imigração africana e islâmica em terras europeias. E no entanto Ilam foi morto às mãos das mesmas gentes que são apadrinhadas, na França e na Europa, pelas associações que agora, no mais ignóbil cinismo, dessa morte tentam tirar proveito político: os marxistas e os “anti-racistas”( que no fundo são uma e a mesma tralha), juntamente com o centrão político, o mesmo é dizer a “partidocracia respeitosa”, que tanta ou mais responsabilidades tem no que sucedeu neste caso e no que sucede em tantos outros, directa ou indirectamente ligados à invasão consentida e encorajada das nações da Europa.

Mas ao mesmo tempo que era encontrado o corpo de Ilam, Raphaël Clin, um polícia francês, era assassinado em Saint-Martin, no arquipélago de Guadalupe, sob administração francesa, numa ocorrência de contornos claramente racistas.

Enquanto todos os meios de comunicação e toda a sociedade francesa falam do homicídio de Ilam Halimi e se sucedem as discussões em torno do assunto, ao mesmo tempo que se organizava uma manifestação extremamente politizada em torno desse acontecimento, reunindo mais de 30 000 pessoas e contando com a presença em peso da digníssima classe política e das oportunas associações “anti-racistas”, o caso de Raphaël Clin era menosprezado, para não dizer olvidado. Os jornais de referência não pareceram em França encontrar aí particular motivo de interesse, a sociedade civil não pareceu descobrir ali motivos de revolta, os políticos respeitáveis não se indignaram, as associações “anti-racistas” desapareceram…

cidadão disse...

Clin foi atropelado por um piloto de corridas ilegais, depois de ter tentado restabelecer a ordem pública, cumprindo a sua missão ao serviço do Estado francês. Enquanto falecia, mais de 40 pessoas (autóctones) juntavam-se em seu redor injuriando-o, recusando ajudá-lo e gritando: morre!

A sua mulher escreveu posteriormente uma carta que ilustra a situação e que transcrevo aqui parcialmente:

“Bom dia,
Eu sou a mulher do polícia que foi morto, Raphaël Clin.
O meu marido foi morto por um piloto que participava num “run” (corrida de motas em Bellevue).
Enquanto o meu marido agonizava havia mais de 40 pessoas em seu redor a injuriá-lo, dizendo-lhe: morre.
O colega que estava com ele pedia-lhes que fossem procurar socorro mas nem um se moveu.
Quando cheguei ao hospital estava lá muita gente, pessoas da família desse piloto. Eles injuriavam os polícias e quando nos foi dito que o meu marido estava morto todos tinham um sorriso e gritaram vitória por ter morto um polícia e ademais branco.”

O homicídio de Ilam poderá ser considerado um “crime de ódio”, a maioria dos agressores terão sido africanos islâmicos e Ilam era judeu, mas ao seu rapto esteve subjacente também o móbil dinheiro, afinal à família foi exigida uma quantia que assegurasse a sua libertação. A forma como as organizações "anti-racistas" e as associações judaicas conseguiram reduzir o crime a um delito motivado exclusivamente por questões étnicas e o modo abjecto como foi politicamente aproveitada esta morte por essas mesmas associações e pelos políticos franceses, todos com responsabilidades directas nas causas que estão por detrás destes e doutros factos similares, torna-se particularmente nojenta quando comparada a situação com o assassinato de Raphaël,no qual o ódio racial tem um papel fulcral, mas Clin era branco, europeu, e os seus assassinos não, entende-se pois...

cidadão disse...

As reacções à morte do jovem judeu ocupam todas as discussões, uma manifestação foi imediatamente organizada, o delírio anti-racista, no mais vergonhoso descaramento, serviu-se de uma morte na qual tem inegáveis culpas. Para Raphaël guardam-se as palavras, a revolta, a indignação, calam-se os políticos, escondem-se as ”associações cívicas”. Em Março, na cidade de Nice, anuncia-se uma marcha silenciosa em memória de Raphaël Clin. Esperarei para ver quem estará presente e quantos marcharão, para já constato que tem tudo para ser um sucesso, pelo menos no que diz respeito à parte “silenciosa” , nisso todos parecem estar a colaborar. Compreendo, Clin não era negro ( e portanto uma eterna vítima da exclusão, inimputável) e não era membro do “povo eleito”,não,Clin era filho de um deus menor.

Anónimo disse...

VPV, desses tais 121 mil a grande maioria são empregos precários, cobretudo contratos a prazo, sem as regalias tradicionalmente atribuidas aos "funcionários" do quadro. Mais rigor com os conceitos, se é que pedir rigor não é pedir demasiado neste país, até a um historiador. Entretanto, siga a banda. Já adivinho cerca de 121.000 comentários indignados com os "funcionários" chupistas.

caramelo

Anónimo disse...

Cá para mim este círculo vicioso só acaba, quando cessar essa corrida aos votos, as chamadas eleições.
Afinal para que servem partidos como PCP, BE, CDS-PP? Porque não se fundem os irmãos PS e PSD, formando um Partido Único?
Aliás, nem seria necessário haver partidos na nossa sociedade, nem mesmo um Partido Único. Bastaria um Estado composto por pessoas que se entendam bem, que não se dividam, que trabalhem em rede, com uns Ministérios de Finanças e da Administração Interna, modernos e competentes ( estes dois são fundamentais ). Um Admirável Estado!
Quanto não se pouparia com gastos supérfluos na Assembleia, em deputados e reformas, em campanhas eleitorais! Dispensar-se-iam aqueles debates “ com elevação” que os media trazem a lume.
E pelo caminho, acabam-se com os casos como Casa Pia, Apito Dourado, Fátima Felgueiras, que ficam sempre em águas da bacalhau, que só nos roubam tempo e nos distraem, podendo nós aproveitar o tempo noutras coisas.
Como ir à pesca, ao futebol, ir de vez em quando à missa, dar uma escapadela ao bordel ou à casa de alterne, tantas coisas.

Ah, é preciso é continuar a haver liberdade de expressão: o nosso 25 de Abril! ( O português é por natureza um povo falador.)

Haverá alguma diferença em relação ao que se passa hoje?

Apatrida disse...

Sobre o caso do judeu assassinado depois de tortura pelo "bando dos bárbaros" em França, um puto de origem portuguesa estava metido no crime e fazia parte do Bando, segundo li agora no site da radio alfa de Paris - www.radioalfa.net. Os emigrantes jà não são o que eram!

rb disse...

E ainda dizem que o Estado assiste de braços caídos ao desemprego galopante ...

alice disse...

Eu acho é que a classe média portuguesa, subsidiada ou não pelo estado, está cada vez menos média e mais baixa. Portugal está a ficar um país de ricos e de pobres. O VPV tem ainda de contar com a nossa economia paralela. A empregada sem recibo, o canalizador, a baby -sitter, o aluguer de quartos, tratar de idosos ao fds. É a luta da sobrevivência.

PSYCHO KILLER disse...

parece que com o ps temos mais do mesmo....quem é que dizia isto?

e-konoklasta disse...

O comportamento dos jovens delinquentes são o reflexo das contradições políticas e sociais, e, das insuficiências educativas ao longo da infância, o caso do assassínio do transsexual do Porto, no fundo, não é muito diferente. Se as instutuições e as famílias não são capazes de assumir as responsabilidades que lhes incumbém, o resultado só pode ser o que se vê, e, não são os jovens de origem portuguesa (2ª e 3ª geração), filhos de imigrantes, que farão excepção. Exemplo revelador: há 18 anos, nos subúrbios de uma cidade francesa onde, na altura, foram mortos homosexuais, mendigos e peles pouco brancas, por skin-heads neo-nazis, o filho de um amigo português, que na altura, tinha entre 11 e 12 anos foi apanhado e espancado (por ser português) por 3 rapazes, nas mesmas idades, dois franceses e um megrebino. A desordem já é antiga, e maior ainda nas cabeças que nos actos. Agora só a lei pode alguma coisa. Os ingleses, já algum tempo que começaram a responsabilizar os pais pelos actos dos filhos, sim porque há pais incapazes de educar os seus rebentos, e, ou o fazem ou "pagam caro". Em França também os juízes de menores começaram a convocar os pais e a exigir uma resposabilização pela educação e comportamento dos seus filhos e, até, lhes pedem para frequentar cursos onde lhes é explicado o que devem fazer para educar e controlar a sua progenitura...

Helena Flatos disse...

Não percam a proxima Atlantico! O Eminente Fernandes escreverá já para a semana sobre a mais manhosa conspiração nacional e denunciará "Os Protocolos dos Sábios de Sodoma".
Salvem as nossas famílias da agenda gay.

maloud disse...

Apatrida,
Já, creio que em Setembro, havia uma portuguesa metida naquele incêndio que começou nas caixas do correio de um prédio. Na altura julguei que a menina sofresse da tara nacional da piromania.
Atendendo ao que nos conta realmente " os emigrantes já não são o que eram"

dorean paxorales disse...

Uma coisa é certa: continuarei a vir a este blogue com o interesse de sempre mas nunca mais volto a lêr estes comentários.

Cumprimentos a ambos.

maloud disse...

Dorean Paxorales,
Lamento que não tenha lido os comentários ao post As Mulheres e a Política. Foram de uma elevação extraordinária. Um vocabulário de fino recorte estético. Não imagina o que perdeu.

paper life disse...

Ó Vasco, você não é classe média (alta) ? Suicidava-se?

;)

Anónimo disse...

«Já, creio que em Setembro, havia uma portuguesa metida naquele incêndio que começou nas caixas do correio de um prédio. Na altura julguei que a menina sofresse da tara nacional da piromania.»

"Portugueses" há muitos. Por toda a Europa há milhares, de brasileiros e africanos com documentos de identificação Portugueses adulterados resultantes de roubos, ou falsificados. a cometerm crimes e "incivilidades" ficando as responsabilidades para os cidadãos Portugueses. Este facto é refereido pelos nossos compatriotas na Bélgica, França e UK. No UK as consultas para verificação por parte de instituições financeiras, entidades empregadoras e instituições policiais aos nossos consulados dispararam. Invariavelmente são brasileiros portadores de documentos de identificação falsos. A responsabilidade e a mancha na reputação fica para a comunidade Portuguesa.
A comunicação social deveria dar mais destaque a esta nova realidade.

Não foram os emigrantes Portugueses que mudaram, deixem de dizer mal do próprio povo. O que está amudar radicalmente é a constituição da população Europeia, estando a surgir extensas comunidades de populações extra europeias com "diferentes formas de estar na vida".

Anónimo disse...

Ó maloud
crie lá um blog...

alice disse...

Atenção CCS , no browser Firefox o blog não aparece... só consigo aceder com o Safari, e a coluna da direita está ligeiramente sobreposta com o texto...acho que é do tamanho das imagens que estão grandes demais. O máximo que aconselho é 13 cm de largura. Não sei se outros utilizadores de Mac estão com o mesmo problema.

Anónimo disse...

As receitas totais do Estado são 61 677 mil milhões de euros o que dá 6 167 euros por portugues. 103 contos mês por português. Quer dizer que um casal com tres filhos , se apenas se cobrasseM
os impostos e os distribuissem por cada portugues , recebia 515 contos por mês.

Quer dizer que esse tal casal devia receber em serviços do Estado 515 contos por mês se a despesa fosse igual à receita.
Mas como o total da despesa (orçamantada, porque já sabemos que o defice é o dobro e portanto a despesa não vai ser 65 674 mas sim 69000) é 65674 devia cada portugues receber em serviços do Estado 6567 euros anuais 110 contos mensais) e a tal familia devia receber 550 contos por mês em serviços do estado.

Os economistas dizem que nós gastamos mais do que consumimos - mas não é verdade : nós compramos é mal - somos burros - Compramos todos os meses gato pelo preço da lebre.

Tudo isto quer dizer que somos ricos, mas muito estupidos. Somos tão estupidos que nem percebemos ainda que somos ricos. Somos tão estupidos que compramos gato por lebre e ainda apludimos quando aumentam o preço do gato.

Francisco Murias

rb disse...

Alice: eu uso o firefox e com este blog nunca tive desses problemas ...

João Boaventura disse...

Vpv limita-se a sintetizar que todos nós, com todos eles, alimentamos o círculo vicioso da pobreza, para não sairmos dela.

alice disse...

M. de Lurdes deveria ter lido os comentários do extinto mas sempre célebre Barnabé...

paciente inglês disse...

Caro Cidadão,
Não me parece que o tema que tratou tão alongadamente encaixe no texto do VPV, mas nem por isso deixa de ser da maior importância e oportunidade.
No fundo, o que aconteceu agora com o judeu assassinado é um acto duplamente abominável, por envolver a horrível marca do racismo e a sordidez do dinheiro de um resgate que assentava na premissa judeu=rico.
Os desmandos dos chamados "jovens", no fim do ano passado, inscrevem-se na mesma linha, a recusa de integração e o ódio. Não serão uma maioria, mas muitos são franceses apenas para os direitos e as benesses de um Estado generoso, embora detestem a França.
E há muito aprenderam que o Poder é fraco, cede à chantagem, recompensa quem pilha e incendeia.
Michel Rocard, na altura primeiro ministro, disse um dia que a França não pode acolher toda a miséria do mundo. Mas nem ele nem os outros, antes e depois dele, foram capazes de firmeza e justiça.
Conheço um caso real, inacreditável, de um cidadão do Mali que tinha em casa duas mulheres que engravidavam regularmente. Essa bigamia tolerada produziu 21 filhos e deu lugar a apreciáveis abonos de família, além de outras ajudas, como mulher a dias gratuitamente fornecida pela Câmara.
Isto não é ficção, é real.
Por esta e por outras, o contingente de estrangeiros desenraizados não pára de crescer. A crise económica e a hipócrita e timorata atitude dos governantes só encorajam a rebelião dos "jovens". Obviamente, o delito compensa.
E nós por cá, como vamos? Quando ouvimos, na televisão, designar a rapaziada da Oficina de S.José (no Porto)por "crianças", dá que pensar...

Jose Sarney disse...

O que acha disto, Caro VPV:

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=12&id_news=216726

Manuel Monteiro desafia PSD e CDS para plataforma política

O presidente da Nova Democracia, Manuel Monteiro, vai desafiar os líderes do PSD e do CDS-PP para uma plataforma de entendimento político, tendo como mote a Constituição, disse hoje o próprio à Lusa.




«Há uma oportunidade, após a eleição presidencial de Cavaco Silva, do espaço não-socialista encontrar uma plataforma comum que comece a preparar uma base doutrinária, tal como fizeram Sá Carneiro e Amaro da Costa», afirmou Manuel Monteiro, apontando como mote para estes «Estados gerais não socialistas» a discussão da Constituição da República.

--------------------------------

É a IV República.....

Anónimo disse...

Se olharmos para a receita do estado não há duvida que somos um pais rico. O estado consegue em média ir buscar 515 contos por mês a cada familia.Mas a realidade é que apesar de sermos um pais rico os portugueses não são ricos.E não são ricos porque pagam 515 contos por mês

Comum dos Mortais disse...

nâo será errado pensar que o Estado ao empregar está a contribuir para o engradecimento da Classe Média? Será que o Estado paga assim tão bem? Ou será que a nossa classe média é assim tão baixa??
E qual foi a classe mais afectada com as recentes medidas do governo? E quem é que paga normalmente por tabela??
não me parecem factos tão simples assim...

http://comumdosmortais.blogspot.com

maloud disse...

E que nome lhe dava? "Vacuidade" é a última sugestão. Lá mais para trás, houve outra que também me encantou "Elitista, diria mesmo snob". O problema é o nome. Com o tempo surgirão outros ainda mais apelativos. E aí lanço-me.

Anónimo disse...

O conceito do Estado dar a mão aos seu povo não é mal visto. Empresas de importânica estratégica para a nação poderiam e deveriam servir de incubadoras de outras empresas, como por exemplo a PT servir de cliente principal a pequenas empresas de tecnologias, enquanto elas não ganhavam dimensão para se lançarem ao restante mercado. É a ideia dos clusters, mais uma vez a vir ao de cima...

Sílvia disse...

Os funcionários públicos pertencem, sociologicamente, à classe média (alta e baixa)
Mas a classe média não é definida apenas pelos funcionários públicos. E os outros, também são "parasitas" do Estado?

Anónimo disse...

Em Vilamoura não havia água do luso, só evian...não deu para perceber...paguei com cartão de débito à mistura com cornetas de carnaval que parecem línguas de camaleão a caçar mosquitos.

maloud disse...

José Sarney,
O Manuel Monteiro é quem vai patrocinar a criação dessa plataforma não socialista e ser o padrinho {não, não é com a conotação dada em tempos pelo Dr. Basílio Horta, portanto os meus amigos não socialistas escusam de ficar abespinhados} dessa IV República? Eu, se defendesse a criação da IV República, ficaria preocupada, diria mesmo, receosa.

piscoiso disse...

Caro VPV:
O que acha de um entrecosto flambé, com um Remy Martin...
Não lhe digo mais nada. Vai ter de esperar pela próxima segunda-feira.

Sílvia disse...

Maloud,
a direita portuguesa escusa de sonhar com uma Constituição à medida dela, enquanto houver uma estável maioria de esquerda e centro esquerda no Parlamento da Assembleia da República.
Descanse, porque a dita IV República NÂO PASSARÁ!...

Anónimo disse...

Mas há uma maioria de esquerda no parlamento?
Tem piada, não tinha reparado...

Anónimo disse...

O nosso sistema politico esta transformado num sistema de partidos unicos. Se o Hitler se tivesse lembrado disto ainda por cá andava...Concorria às eleições ora ele ora o Goering e tinhamos a altenancia democratica em todo o seu esplendor...

maloud disse...

A Sílvia vai-me permitir discordar. Em Portugal não há classe média {eu sei que já disse isto mais atrás, mas se toda a gente se repete e repete, eu não quero destoar, senão ainda me insultam}. Mas dizia eu, em Portugal não há classe média, nem alta, nem baixa, nem assim-assim, nem pública, nem privada. Em Portugal existe o povo a que todos pertencemos, e umas pessoas que ora se chamam tias e tios, ora jet-set{claro que também não é bem um jet-set, mas é o que se pode arranjar}.
Ora ao que eu vou lendo aqui no Espectro, somos todos, mas todos parasitas do Estado. O único, que momentaneamente não o é, é o que está a escrever que os outros são. Claro que mal pára de teclar e clica naquele Login And Publish, já regressou inevitavelmente à condição de parasita do Estado, para dar lugar a um outro. Isto irmãna-nos a todos e cria esta bela cumplicidade. Porque é que julgam que eu venho aqui? Para pelo menos várias vezes por dia poder dizer de forma subtil, mas cada um tem o seu estilo, não é verdade? que 9.999.999 cidadãos são uns parasitas. Todos menos eu.

maloud disse...

Sílvia,
Leu bem? Era o Manuel Monteiro, aquele senhor que vive cá no burgo, às vezes pára no café mais citado deste blog {eu não o torno a citar, enquanto eles não me pagarem a publicidade em pingos}, e que aqui há uns anos achava que o nosso cluster era o queijo da Serra. Eu sei que é bom, mas cluster?

Sílvia disse...

Maloud, o Estado somos nós! Todos!

Anónimo disse...

A mim me parece que o PSD não estará interessado em convenções para a criação de bases doutrinárias, pois a “estável maioria de esquerda e centro esquerda “ também não é nenhum papão.
Como dizia o outro: Tá-se bem!

Anónimo disse...

Quero que fique bem claro isto:

EU NÂO SOU O ESTADO

Pago quotas porque sou obrigado. Mas não sou nem quero ser.

Anónimo disse...

Qual é o café mais citado deste blog?

Anónimo disse...

O estado não é mais que o conjunto das repartições publicas

EU NÂO SOU UMA REPARTIÇÂO PUBLICA

Anónimo disse...

Silvia:
A Zzilbia acredita inabalabelmente na izzquerda e é claramente contra o poder do capitalizmo ezacerbado..zzz..cassete nr 3:

...Incrível como nos dias de hoje aínda alguém pode acreditar que o comunismo ainda é solução para alguma coisa...só se for para remunerar o ócio de uns com o trabalho de outros...

Anónimo disse...

Tenho alergia a repartições publicas, a taxas, impostos, multas e papel selado.

Fico cheio de borbulhas...

Anónimo disse...

Tambem há quem acredite no D Sebastião

Anónimo disse...

Tambem há quem acredite no D Sebastião

Anónimo disse...

Já temos refrão...

Sílvia disse...

Caros Anónimos,
eu não sou uma "manga d'alpaca", nem burocrata, nem comunista. Sou uma funcionária pública especial (como diria João Barroso) - sou professora.

Anónimo disse...

E professa? Ou é do contra?

Anónimo disse...

A paz, o pão, habitação, saude, educação, só o povo não-sei-quê...quem é o João Barroso?

Anónimo disse...

Então e que me diz a vendermos todas as escolas liceus e universidades e darmos um cheque a cada aluno de 50 contos para se increver onde quizer? Poupava-se 200 milhoes de euros...

Anónimo disse...

VPV:
Reflecti sobre o seu artigo e penso que o PS encontrou uma fórmula excelente de comprar votos. Começou com o Guterres (e eu a pensar que ele não tinha qualquer capacidade para além de atirar dinheiro aos problemas) e o Sócrates mostra que aprendeu bem a lição. 100.000 sempre são uns 5% do eleitorado?

Sílvia disse...

Caro Anónimo,
professo a favor ou contra quando é necessário.

Prof.Dr.João Barroso, professor catedrático e estudioso de política da educação do nosso país, com obra publicada.

Sílvia disse...

Sou contra esses cheques. Sou a favor de uma escola pública de qualidade e, pela minha parte,como professora e cidadã, tudo farei para que isso aconteça. Tenho dito.

maloud disse...

50 contos pelas minhas contas são 250€. Onde é que o caro anónimo quer que eu inscreva o meu filho e pague mensalmente a propina com os 250€? O rapaz anda a estudar turismo, os recibos são passados pelo Ministério da Economia e por ano nós pagamos 1.200€, fora os uniformes necessários. Se me arranjar um sítio igualmente competente, público ou privado. por 250€ "é que é já a seguir"

Anónimo disse...

Estas são as proprinas da Universidade Catolica:
3. PROPINAS DE LICENCIATURA
Alunos admitidos em 2005 (mensalidades - 10 por ano) 251,50
Alunos admitidos em 2003 e 2004 (mensalidades - 10 por ano) 244,40
Alunos admitidos em 2002 ou antes (mensalidades - 10 por ano) 234,00

Chef Miguel disse...

As palavras mais sábias que li nesta caixa de comentários:

"Caro VPV:
O que acha de um entrecosto flambé, com um Remy Martin...
Não lhe digo mais nada. Vai ter de esperar pela próxima segunda-feira."

Ó, também posso ir? O bacalhau à lagareiro estava óptimo...

maloud disse...

Essas vebas são mensais x 10?
Se for assim o Ministério da Economia, até não é nada explorador, atendendo a que o que ele faz dá licenciatura.

Anónimo disse...

Nos tinhamos o mesmo PIB que Singapura e um PIB superior ao da Coreia em 1975

Com o socialismo e o crecimento do Estado vejamos o que aconteceu:
Crescimentos decada 80 Portugal 38.65%
Singapura 98.41%
Coreia 107.32%

Crescimento decada 90 Portugal 31.80%
Singapura 110.82 %
Coreia 81.63%

Crescimento sec XXI
Portugal 4.06% Singapura 21.82%
Coreia 29.95%

Crescimento Ultimos 25 anos
Portugal 90.15%
Singapura 509.55%
Coreia 489.33%

Anónimo disse...

Silvia:

Não acha que para o bem das nossas futuras cabeças deveria abster de se professar contra ou a favor e apenas promover o debate inteligente? Aí sim, conseguiria o verdadeiro esclarecimento e educação.

Anónimo disse...

Só que os alunos da Catolica pagam as suas proprinas e as dos outros

maloud disse...

O Espectro acabou? Há mais de 24 horas que não temos um post que nos ponha em reboliço. O que se terá passado?
Estou curiosa e preocupada.
Vocês não estão?

Anónimo disse...

Todos nós somos a favor de escolas de qualidade.
O problema é que as publicas são más e carissimas

Anónimo disse...

Silvia não leu o artigo "s.nob" de Filomena Monica no Publico...ou talvez sim...só para contrariar

Anónimo disse...

E para quem pense que Singapura e a Coreia cresceram por estarem no Sudoeste Asiatico lembremo-nos da outra Coreia que tem um Estado ainda maior do que o nosso.Tão bem que está não é?

xatoo disse...

VPV espeta a primeira farpa no lombo da Classe Média - está a preparar o animal para acabar de ser morto.(a Tourada já tinha começado com o golpe da Tanga do Barroso em 2001) VPV avisa: de futuro só se "safam" os incondicionais neocons que alinhem nas negociatas Neocons. Nem é preciso recordar que para a semana já entra o Sr. Silva de vassoura em punho. Portanto, quando começar a razia, despedimentos, redimensionamento da FP, etc não se admirem.

Por contraste: No último Congresso do Partido Comunista da China a tese que prevaleceu foi a de previlegiar a Classe Média como o motor da Revolução (leia-se: Desenvolvimento social!) abandonando a exclusividade teórica tradicional do poder (apenas) à Classe Operária. Pese embora que a Classe Trabalhadora ainda seja muito importante, perante a nova era tecnológica que impõe cada vez mais a terceriarização, doravante são estas duas Classes em conjunto que serão determinantes na definição das politicas do Estado.

Por esta altura, as cachimónias bem pensantes que são clientes habituais aqui da Tasca da Direita, já devem estar a sorrir - encucando: olha mais uma espécie extinta recuperada, sem conecção alguma com a realidade.
Mas, por estranho que pareça a realidade é que a China tem 1 bilião e 200 mihões de chineses; enquanto a nossa classe de Élite em construção será para aí 10% (ou menos) dos portugueses (num modelo mais ou menos igual ao Brasileiro dos coronéis) - tal facto limita um bom bocado o alcance de massa critica que o pensamento politico das nossas Élites tugas julgam ter. Apesar do apoio macisso do Pentágono, do Sr. meio-falido Wolfwitz, do Émaiti e do Sr. Gates.

Anónimo disse...

Caro pain in the but, veja o dialogo do shrek e do burro a propósito de cebola e tarte...ponha-se na perspectiva do ogre e deixe a do burro

Anónimo disse...

Para diminuir o peso do estado na saude e na educação não é preciso despedir ninguem.É só preciso vender tudo e dar um cheque educação e um seguro de saude a cada portugues e poupa-se 2 200 000 milhões de euros anuais e ficamos muito mais bem servidos

Anónimo disse...

O novo. Sempre o novo. Já não consigo ter opiniões novas e diferentes neste post por isso preciso de um NOVO, onde vou resplandecer! Um NOVO onde vou ter o comentário mais perspicaz. Um NOVO para criticar opiniões diferentes das minhas apenas por serem diferentes. Um NOVO onde vou ser notado e apreciado! QUERO UM POST NOVO! Por favor...Sempre o amanhã...

Comum dos Mortais disse...

Maloud,
Se o-espectro tiver acabado, pode sempre ir a http://comumdosmortais.blogspot.com
e deixar um comentário sobre as poucas coisas que escrevo. Mas olhe se ouver comentários, pode ser que escreva mais. Não prometo é ser nem tão atento nem tão conflituoso como os autores deste. Mas este não é exemplo pelo bom que é. Bem já fiz a minha publicidade.......

Comum dos Mortais disse...

eu sei, faltou-me o h em "houver". Peço desculpa aos mais atentos....

Sílvia disse...

Caro Anónimo,
Como deve calcular,eu tenho as minhas convicções e tenho por hábito expressá-las, democraticamente, no seio da comunidade educativa a que pertenço.
Também aqui, naturalmente.

Politikos disse...

Cara Sílvia
Quer então dizer que funcionário público é por definição da classe média (sabe quanto ganha um cantoneiro? Ou um coveiro?);
Quer tb dizer (na douta opinião de João Barroso) que é uma funcionária pública especial (sabe que dentro da Administração Pública (AP) existem os chamados «corpos especiais» e que os professores não estão entre eles, não sabe?!);
Presumo tb que tudo que não seja professor seja «manga de alpaca»? (o burocrata, pelos vistos é diferente?).
Olhe que na AP há mais mundo para além da escola… E atrevo-me a dizer - embora sem dados concretos - de muito melhor qualidade...

Anónimo disse...

Silvia, gosto quando se "expressa"...com o devido respeito...naturalmente. Que disciplina professa?

pennac disse...

Não há uma eminência parda que possa sugerir uma OPA do Sr. Belmiro de Azevedo ao Monstro?
Neste caso a desconto, evidentemente. Belmiro receberia x € para ficar com o encargo de gerir a máquina administrativa do Estado. Seria livre para fundir, extinguir, aumentar, enfim reformar todos os serviços em prol da eficiência e racionalidade. Podia ser ser assim como que uma contrapartida obrigatória para a OPA sobre a PT ser aceite.

maloud disse...

Comum dos Mortais,
Lá irei mesmo com o Espectro. Isto é mais viciante que o tabaco e eu fumo dois maços por dia. Mas vai-me prometer que não me indica o 24 Horas, porque fará mais o meu género. Ainda me quer lá?

Politikos disse...

Ao anónimo dos cheques saúde e educação:
1.º Tem ou conhece alguém quem tenha um filho com NEE (Necessidades Educativas Especiais) numa escola privada?
2.º Tem ou conhece quem tenha um doente crónico e com doença grave a ser atendido numa clínica privada ou coberto por um seguro de saúde?
Se conhecer, informe-se bem? Talvez mude de ideias. Espero que nada do que lhe disse lhe bata à porta.

Anónimo disse...

Que cheirinho a café...ah três vezes a fingir uma gargalhada assassina

Cooldown disse...

Parece impossível... tenho vergonha deste país...

Comum dos Mortais disse...

maloud
claro. hoje escusa de ir que é dia de post sobre futebol. mas talvez arranje uns mais (do mes passado...vá lá vá e diga o que acha)antigos para se enterter. E essa indicação não foi para ofender....foi uma pequena graça. Não me fale dos cigarros, pois não fumo há 1354 cigarros. Lá a espero com as suas ideias e contribuições. Porque não um blog...tem algum?

Anónimo disse...

Se me permitem, um ponto de ordem à mesa, com uma pergunta que me parece pertinente:
Segundo A Grande Loja do Queijo Limiano, " No período compreendido entre 1996 e 2001, governos comanadados pelo Eng. Guterres, a função pública teve um crescimento líquido (admissões - rescisões) de 133.536 funcionários. No período entre 2001 e 2004, governos do PSD, primeiro de Durão depois de Santana, tiveram um crescimento líquido negativo de 33.390 funcionários públicos".
Será esta a razão que levou um a "fugir" e o outro a ser despedido pelo socialista Sampaio?

Sílvia disse...

Caro Anónimo,
só na próxima sexta-feira é que darei uma entrevista ao Conselho Municipal de Educação...
Mas, para acalmar a sua curiosidade, sempre vou adiantando dizendo-lhe que fiz as Belas-Artes e "professo" Educação Visual e História da Arte e tudo o que for necessário nesta área, na escola secundária cá do sítio.

maloud disse...

Pennac,
Sabe que para isso tínhamos de deslocar a capital, para o meu e do eng. burgo. Ele é intransigente nessas coisas e detesta aquilo a que ele chama o "lisbonês". Acha que essa "massa crítica", que por aí anda aos milhares, aguentava a mudança? Depois ele tem a mania que o dia de trabalho começa às 8 H da manhã. Já viu o horror que causaria aos elementos femininos da tal "massa", quase não terem tempo para a maquillage. Também não faz muito o estilo do senhor perder-se tempo, naqueles almoços onde se discutem e resolvem os problemas da Pátria. A "massa" masculina morreria de subnutrição. Eu poderia passar a tarde a elencar {esta palavra está muito na moda, não está?} os inconvenientes, enquanto não surge o post, mas acho que o panorama que visualizaram chega para a tal "massa" morrer de susto. E eu não os quero matar.
Por mim que vivo pacatamente cá no burgo, detestaria ter sirenes, batedores e essa traquitana toda a incomodar-me.
Deixe-nos estar assim que estamos bem.

PSilva disse...

Talvez mum forumTSF ou concurso:
"-Ola Fulano, bem vindo!
-Obrigado...ja agora trago aqui uma coisitas la da terra!
-Obrigado! Qual é a sua profissão?
-Sou FUNCIONARIO PUBLICO!!"
É a nova profissão que foi criada, não so com a entrada destes 121.000 funcionários, mas sim desde...já lhe perdi a conta.Este tipo de pensamento, espelha um pouco o que as pessoas (nada contra elas) entendem ser o seu trabalho..pois não são Administrativos, Varredores, ou secratrio adjunto do primeiro Adjunto Director do Subdepartamento da Divisão de QualquerCoisa de um SitioQualquer, mas sim Funcionarios Publicos!

maloud disse...

Comum dos Mortais,
Claro que não. Eu ando nisto fará 6ª feira um mês.
Hoje só não vou lá por causa do peru do Baía {você sabe onde eu vivo, sabe?}, porque eu sou muito eclética e diletante. Até por futebol me interesso. Quem acha que cá em casa dialoga com o "dragãozinho", que anda em turismo? Eu até tenho um cachecol que diz o Porto é uma Nação {eu sei que deveria ter escrito Naçon}.
Grata pelo convite e no máximo amanhã lá estou. Se isto continuar assim, mesmo com o peru, vou hoje.

maloud disse...

Caro Anónimo,
Peço-lhe pelo que lhe é mais sagrado {gostaram desta tirada?} que não fale dessa loja, nem do MP, nem da Casa Pia, nem do Pedroso, porque é tiro e queda. Aparece-nos um senhor a descodificar as leis, uma senhora que zurze no senhor e ´quando a conversa está ao rubro, aparece uma que eu chamo a picareta falante deste blog {não é o Guterres} a ajudar o senhor a desfazer a tal senhora. Acredite no que lhe digo, porque eu já assisti a este filme pelo menos meia dúzia de vezes.

Anónimo disse...

Silvia, pelo modo correcto e bem estruturado como escreve arrisquei um tiro no escuro em Português. Calculo que ensinar educação visual e sobretudo historia da arte não seja fácil sobretudo pelo ostracismo a que essas disciplinas devem estar sujeitas...por isto e por outras razões me parece que o sistema de ensino não deve permanecer como está...em contrário do que a Sílvia pensa. A que jornal (ou TV) vai dar a entrevista? Seria interessante poder acompanhar o que faz e eventualmente bloggar sobre...

rb disse...

Vamos lá teclar pessoal, já só faltam 15 (agora já devem ser menos) comentários para ultrapassarmos o post dos anónimos e contrariarmos a tese de que para aumentar audiências é postar sobre anónimos. Não é. Podemos sempre falar sobre o aumento da função pública, vulgo, monstro, cuja paternidade ninguém quer assumir. 2001 a 2005, isso já foi há muito tempo. Quem governaria nessa altura? Como é que foi possível, alimentar o monstro desta forma?! Depois, claro que a dieta custa. Se custa ...

Anónimo disse...

E no entanto paira no ar um cheiro a tripa

maloud disse...

Atento,
Eu tenho-me esforçado, mas acho que já esgotei os assuntos todos. Até de futebol eu falei. Agora só se começar a dar receitas de cozinha. Ou uma aula de etiqueta? Qual prefere?
Também podemos, como quem não quer a coisa, desatarmos os dois a defender as medidas do Sócrates. Estou por tudo!

Anónimo disse...

Paira no ar uma certa azia...deve ser da tripa...já não está em bom estado

esgoto disse...

a azia é da comida requentada ao longo de
séculos. Muito boa é a tripa que mesmo assim digere tal merda.

Anónimo disse...

Prevejo que Sócrates faça uma grande reforma da administração pública, apoiado pelas indicações dos dirigentes de todos os organismos da FP. Só vão permanecer os funcionários excelentes, os competentes, aqueles que têm mérito. Todos aqueles que estão a mais, que atrapalham o normal funcionamento das instituições, vão ser corridos.
Uma administração pública de grande nível, gerida por uma classe dirigente com provas dadas, é um grande passo. A corrupção vai finalmente desaparecer, o que já não era sem tempo. A eficácia está a chegar.
Bem haja!

esgoto disse...

recebes do partido ou do papá?

Anónimo disse...

comentário nº150

Sílvia disse...

Caro Anónimo,
ao contrário da entrevista, as áreas curriculares que eu lecciono são muito importantes, para mim e para o projecto pessoal dos alunos.
Já agora, todos os professores são professores de Língua Portuguesa...
Já visitou o meu blogue?

Anónimo disse...

Vai mais um Irish Coffee,caro Vasco ?

Estes ciclos viciosos são bons indutores...

Anónimo disse...

Cara Silvia

O seu blog tem um je ne sais quois de Abrupto do Pacheco Pereira, ou será só impressão minha ?
Muita imagem, muita arte/pintura, alguma literatura...

Interessante, mas...déja vu ?

Ou talvez não...aliás se não fossem os Blogs e o seu inegável papel na liberdade de expressão, estavamos bem arranjados, com as tendências "controlistas" que por aí se adivinham...

esgoto disse...

CSJ
Cicuta para Sócrates, já!

Anónimo disse...

É disso mesmo que a gente precisa : de uma Classe Dirigente.
Uma Classe Dirigente de alto nível que acabe com a corrupção, com os maus funcionarios, com o crime. Uma Classe de Eleitos pagos por nós para nos vigiarem, nos multarem e nos prenderem.

Quando já não houver espaço nas prisões façam-se campos de trabalho, espaços onde a alegria seja o mote e a produção o tema.

Heil Socrates o Povo segue-te

Anónimo disse...

Eu acho que estamos no bom caminho. Com o eng. Sócrates e o Prof. Cavaco, Portugal daqui a 4 anos fará empalidecer de inveja a Finlãndia, a Suécia, a Dinamarca das bandeiras, a Austria e porque não Singapura citada no comentário, calculando por alto, 80º. Teremos só um problema, mas de difícil resolução, que será estancar as hordas de britânicos, franceses e alemães que quererão entrar no paraíso.
Talvez pedir ao José Barroso que faça uma lei em Bruxelas que impeça esses bárbaros de porem cá o pé.

Sílvia disse...

Caro Anónimo,
reparou em tudo, menos no essencial.
Foi falha minha, só pode...
Vou jantar. Até logo, ANÓNIMOS!...

Carlos disse...

Alice,

Passa-se o mesmo comigo quando corro O Espectro no Safari. A sobreposição da coluna a uma parte do texto dificulta muito a leitura dos posts mais recentes.

Desculpem-me pelo comentário off-topic

pirata vermelho disse...

Não, Maloud!

Não se esforce mais...

Já deu o que tinh'a dar

pirata vermelho disse...

...a Silvia terá pretendido declarar que todos os professores deveriam (por inerência) ser considerados professores da língua portuguesa, não é?
Pois...
não são!
Desensinam.
Por trezentas razões; do mero modismo englezant à pura distorção incipiente e à incompetência linguística elementar.
(veja lá no dicionário do malaca grosseleiro - desensinar! Às tantas...)

xatoo disse...

MALOUD disse...VPV?

o homem é só V porque o apelido Pulido Valente pertencia ao avô que foi militante do PCP. O homem é Vasco Qualquer Coisa e utiliza o apelido do Avô como cartão de visita, apenas para fins de sucesso comercial. Portanto nunca se refira a VPV, mas a simplesmente V
olha que nick giro: "simplesmente V"
vamos lá ver se cola,,,
é que isto da blogoesfera tb tem inconvenientes
(ihihihi)

Anónimo disse...

Cara Sílvia, não conheço o seu blogge. Mas concordo consigo em género e número de que todos os professores são professores de Língua Portuguesa...e não me extendo mais sobre este assunto que vai acabar invariavelmente no "é por isso que...", etc. No entanto factos são factos.
Quanto à educação da "sensibilidade" visual sou muito mais céptico, sobretudo num país preocupado com o estômago...o q é legítimo. E qual a "sensibilade" a transmitir aos alunos? História da arte faz todo o sentido, sobretudo em áreas humanísticas.

maloud disse...

Batemos o record ou não?

Xatoo,
Eu sei isso, porque essa foi uma intervenção que VPV teve enquanto deputado. Declarou o nome pelo qual gostaria de ser chamado. Ele aqui é meu anfitrião, e eu respeito a sua vontade, até porque eventualmente terá razões que a justifiquem.

Anónimo disse...

tripa para o esgoto, já

Anónimo disse...

O essencial, cara Silvia ?

E então o resto é acessório ?
A moldura que envolve o cerne, o âmago da questão, a matéria de facto ?

Bem sei que uma imagem vale mais do que 1000 palavras, mas...

Anónimo disse...

Caldeirada de peixe...será que está em bom estado?...a tripa passou do prazo

Sílvia disse...

Pirata Vermelho,

olhe, tenho uma colega que gosta tanto, tanto, da língua materna que, nas suas aulas de Inglês quase só se fala e escreve o prazenteiro Português. Espero que a minha colega me perdoe esta maldade...
E assim se desensina o Inglês, digo Português.

(Maloud, estou a portar-me mal, não estou?)

Anónimo disse...

caldeirada de peixe com ameba...e alheira fora de prazo...boa receita

Anónimo disse...

alheira fora de prazo dá prisão

Anónimo disse...

Por isso muito requintado...só de contrabando e em avançado estado de decomposição

Sílvia disse...

Caro Anónimo /8:15PM,

a solução para os nossos problemas de "estômago" está precisamente na criatividade e imaginação através da arte, mais precisamente do Design. Nós, os portugueses, necessitamos urgentemente de originalidade e criatividade para os nossos produtos e marcas, a fim de podermos competir e sobreviver à globalização do mercado internacional.Veja só o que os italianos fizeram no seu país após a Segunda Grande Guerra... Nesse país, a par de uma vontade política forte, houve também uma grande aposta e investimento no ensino do Design em quase todos os níveis de ensino.
Quanto à Historia da Arte, acho que é um "óleo de fígado de bacalhau" necessário ao crescimento de artistas e não artistas.

maloud disse...

Sílvia,
Nunca. Mas reparei que o Miró, o Bosch, o Cézanne e o Magritte{sabe que a minha primogénita é licenciada em História de Arte e o surrealista preferido é Magritte?} assustaram quem lhe visitou o blog.
Talvez pôr o Menino da Lágrima.
Um abraço

Anónimo disse...

Que pivete a bufa...é da tal receita

Anónimo disse...

Silvia, obrigado pela perspectiva...mesmo sabendo que depois da II guerra não havia os chineses que "imitam" e trabalham a pão e água. Quanto à história de arte podia-a ter diluido noutra substância...pareceu-me azeda. Cumprimentos e boa sorte para a sua entrevista.

Sílvia disse...

Caro Anónimo, muito obrigada. Cumprimentos.

libertas disse...

valor das reformas do funcionalismo público:

-Prof primária com 12 anos de estudo: Eur.2.600,00x14

-polícia com 4ªclasse que nunca teve qualquer promoção: Eur1.700,00X14.

Mas se as reformas de um trabalhador do privado com estes anos de estudo varia, em média, enbtre os 300 e os 700 euros porque temos nós de suportar as reformas de luxo do funcionalismo público?

Anónimo disse...

claro está, para os FP os cálculos são em bruto para o sector privado já os apresenta líquidos! A inveja é um sentimento negativo e feio! Por que razão não foi para a polícia ou para professora primária? Agora estaria tecendo argumentos contrários...
2001-2006: período magnífico, edificante - o bom povo luso no seu melhor!

LIBERTAS disse...

PARA ANONYMOUS DAS 3.05PM

De facto, depois de tantos privilégios, só falta dispensar os FP de pagamento de impostos.

Em contrapartida, os reformados do privado com 400 euros devem contribuir generosamente para as reformas raquíticas das sras professoras do ensino primário.

Devem também passar o tempo nos centros de saúde.Por seu lado, srs polícias reformados - com a 4ª classe - têm um sistema de saúde (que invejo!) pois não podem perder tempo: têm 1700 euros para estourar.