quarta-feira, fevereiro 22, 2006

MARQUES MENDES

Marques Mendes "dedicou" uma semana ao turismo, para lembrar (a quem?):

1. Que a "área do turismo" é "uma área importantíssima, uma área do presente, uma área do futuro, uma área em que podemos ser competitivos".

2. Que o golfe é bom para o turismo e que Portugal precisa de mais golfistas.

3. Que é louvável promover o golfe e que o Presidente Sampaio promoveu o golfe.

4. Que em Portugal o dinheiro da formação profissional é frequentemente mal gasto.

Marques Mendes também conversou com empresários do turismo.
Descendo das nuvens: para que serve isto?
vpv

51 comentários:

Unreconstructed disse...

Serve para Marques Mendes jogar golfe.

Manuel Campos disse...

O homem, antes das directas, assegura a visibilidade.É para isso que serve isto, como questiona VPV. Nem que seja com minudências. Inócuas, pois então...

Vera Cymbron disse...

Há realmente ideias mesmo muito tristes... esta é apenas mais uma do nosso panorama politico. Eu já nem pestanejo.

piscoiso disse...

Para 2004, construiram-se sítios para se meter a bola num rectângulo.
Agora é para meter a bola num buraco.
É a alternância.

Mª Lurdes Delgado disse...

O dinheiro da formação profissional na área de turismo é mal gasto? Qual dinheiro?
Só se for o meu, que pago inscrição, mais onze meses de propina {quando o rapaz só tem 9 meses de aulas e 2 de estágio obrigatório em hotel, onde trabalha como um doido}. E isto não é privado, pelo menos os recibos vêm com o timbre do Ministério da Economia, excepto naquele interregno em que vinham do Ministério do Turismo. Ou será que tendo o 12º ano, já não é formação profissional? Esclareçam-me depressa, pois depois disto, começo a temer que o espere um futuro brilhante igual ao das manas licenciadas.

Sílvia disse...

Serve para Marques Mendes fazer turismo, cá dentro, até ao próximo congresso do PSD...

Anónimo disse...

Serve para o VPV lhe dedicar tanta e tão repentina atenção,por exemplo.

lipemarujo disse...

nuvens não leva acento...

Anónimo disse...

Nem dá para comentar, de tão triste que é! Só mesmo o VPV para nos fazer lembrar que estamos em Portugal e temos um MM e um país que é todo ele um buracão à espera da bola esfingíca. Sairá de Belém?
Lá se vai o balde da cal e começa o baile da bola.

Carlos Medina Ribeiro disse...

.
JUNTANDO os pontos 3 e 4, conclui-se que «deve ser gasto mais dinheiro a dar formação em golfe»...

anticriticodofreitas disse...

A todos:

Grandes criticos que vêm que tudo, e especialmente todos (especialmente todos os politicos, e especialmente os que estão no poder)está mal:

Digam o qu edeve ser feito.

Pela positiva.

Sejam construtivos.

Ou só sabem dizer mal de tudo?

é mais fácil...

coimbra tem mais encanto disse...

Portugal precisa de mais golfistas porque os broncos do futebol já ninguém os pode ouvir. Faz-me lembrar aquelas mães (não as de Bragança que clamavam contra as boazonas das brasileiras que lhes surrupiavam os marido - mas as dos 'castings' para os morangos com açucar que cortavam o futuro aos rebentos ao não fazerem os tais castings) Enfim! nós somos mesmo os maiores nesta coisa de buracos. É cá cada um...

anticriticodofreitas disse...

dizer qu eturismo é bom e importante está mal...


Porquê?

JOINCANTO disse...

É só para dizer que eu sou (devo ser) um dos Trolls que pululam por aí na Blogosfera. Escrevo aqui, para ver se visitam o meu Blog, afinal de contas também quero alguma (in)visibilidade! Qualquer dia pode ser que apareça num programa televisivo ou atrás de alguém famoso, aos saltos. Ou quem sabe, pode ser que o Herman me arrange os dentes!

(Ah, escrevo aqui porque, este deve ser um dos tais Blogs com muitos leitores).
:)

JAC disse...

Para nada disso…




«Somos uma nação pobre (estéril) e castrada (infecunda) … somos um povo descaracterizado, humilhado e cobarde cujos ídolos são uns, alguns de nós, a correr atrás de uma bola num campo relvado. - JAC»

http://sal-portugal.blogspot.com/
JAC – Sal de Portugal

Pés de Chumbo disse...

Para tentar ganhar umas férias de borla?!!!

Anónimo disse...

Turismo acidental? Ou para satisfazer uma facção do partido cuja presença é muito forte nesta área?Não esquecer que se aproxima o Congresso e lá mais para diante as directas.

Anónimo disse...

Com a breca, que este Senhor Professor Doutor incorre outra vez num grave erro de ortografia!

Antes, acentuava os advérbios de modo! Agora escreve "núvens"!

Estudou em Oxford, mas pelos vistos não frequentou uma escola primária decente.

Cordialmente
Zacarias Torcato

Anónimo disse...

Enquanto "blogues" com o calibre deste (não só em termos ortográficos...) atacarem o Sócrates e o Marques Mendes, estão eles muito bem.

Vou divertir-me é com os "blogues" que o Cavaco irá ter que defrontar nos próximos CINCO anos.

Adeus e até nunca mais!

Capitolino Tremoço.

Mª Lurdes Delgado disse...

Zacarias Torcato,
Quando lá muito para trás suscitou os advébios de modo e a acentuação feita por VPV eu expliquei a que se devia. Agora núvem...não sei.A não ser que tenha tanto jeito para o teclado como eu.

Comum dos Mortais disse...

e já alguém deu pelo que se está a tentar fazer ao Dr Rui Rio. Unica alternativa credivel a oposição. Podemos comentar esse facto? Podem abordá-lo?

http://comumdosmortais.blogspot.com

jose fiaes disse...

Estás mesmo entregues à . . . canalhada!
No Verão, com o país a arder, a oposição vocifera que os greens consomem a água que faz falta para outros fins. Agora dá mais jeito apoiar ao golfe.
Tenho a impressão que o novo PR, seguindo as pisadas do actual, também se vai dedicar ao golfe (no seu Algarve é onde há mais greens)e
é pensando nisso que o MMendes se prepara para depois empurrar o carrinho dos tacos.

jose fiaes disse...

Caro lipemarujo,
Admito que aquilo que aprendi na instrução primária esteja desactualizado, mas uma das regras da acentuação era a de que todas as palavras graves terminadas em "l", "m", "n", "x" e "ps" levam acento.
Já agora se houver alguém na rede que possa ajudar, ficaria agradecido.
Estou mesmo a lembrar-me de alguns exemplos: útil, alguém, dólmen, fénix.

Mª Lurdes Delgado disse...

Posso.
Parece que o Dr. Rui Rio ao avançar com a obra do túnel de Ceuta {nós cá no Porto, não queremos ficar atrás de Lx, e zás abrimos túnel}, depois desta estar embargada, cometeu um crime de desobediência. O IPPAR fez queixa e o MP tomou nota. O Sócrates, que já estava farto da polémica do nosso túnel, demitiu a direcção do IPPAR, para pôr uma menos embirrenta e mais rosa, desautorizou a Isabel {a da Cultura}e pelo caminho nomeou o Pedro Burmester, para a Casa da Música, porque na sua opinião o Rio não é mais que a Isabel, e se esta engoliu um sapo, porque é que o Rio não havia de engolir o dele.
Entretanto a nova direcção do IPPAR, lá autorizou a continuação da obra com ligeiríssimos reajustes, tão ligeiros que são invisíveis a olho nu, só com microscópio, e, em sequência, desistiu da queixa.
Houve um ligeiro problema, o crime de desobediência é público ou semi-público. Vai daí o MP, borrifando-se para a desistência da queixa, constitui arguido o dr. Rui Rio.
Esta é a explicação de uma leiga. Aguarde um pouco, pois neste blog, quando se fala do MP, aparecem logo uns senhores que descodificam esta filigrana da justiça.

Davide E. Figueiredo disse...

Há certos desportos, como o golfe, em que a estatura física do praticante não é relevante.

Anónimo disse...

A sério: o turismo vai ser a indústria do século XXl e, também aí, era bom que não ficassemos para trás.
Brincando a sério: com o incremento podia ser que atingíssemos categoria suficiente para que o nosso 1º Ministro passá-se as férias cá dentro e que o Presidente da República estivesse por cá mais uns diazinhos!...

Mª Lurdes Delgado disse...

Se nem eu passo, porque carga de água o nosso 1º havia de passar?
Meu caro, já me chega o resto do ano. Acho, que se a perspectiva fosse passar as férias neste jardim ou campo de golf à beira mar plantado, entrava em coma, e só acordava para morrer.

Anónimo disse...

Ó Mª de Lurdes, mas você não tem obrigação de dar exemplos a ninguém! Eles têm... Se andam a propalar "faça férias cá dentro" por que razão vão para fora? O que é bom para os outros não serve para eles?

Carlos Medina Ribeiro disse...

A propósito de «núvens»:
.
Já se sabe que quando se escreve com alguma pressa se cometem erros.
Mas há erros e há gralhas.
.
Em tempos, Mário Castrim foi atacado por um tontinho por causa de umas gralhas tipográficas.
.
Ele, em respota, e socorrendo-se do facto de "gralha" ser também nome de ave, sentenciou:
.
«Perseguir gralhas é tarefa para rafeiros»

Sílvia disse...

Maria de Lurdes,
experimente umas férias à sombra,nos pátios de Arouca. Estou certa de que vai morrer por mais...

Antónimo disse...

E o momentoso problema do Mário do 1º Big Brôda ter sido apanhado como chefe de um gang de assalto a transportes de valores?

E os 2ºs encontros da Alexandra Lencastre?

Queremos que continue a manter-nos sempre actualizados com os assuntos do momento!

Mª Lurdes Delgado disse...

Anonymous das 7.38 PM,
Vamos por partes.
1-Eu tinha de servir de exemplo à prole {eu sei que são só três} e esforcei-me. Ando há 30 anos a esforçar-me, confesso que estou um pouco exausta, mas acho que me saí bem.
2-Quanto ao exemplo que "eles" têm que dar, acho que já ninguém tem ilusões. Se nem eu tenho, e sou uma ingénua, não estou a ver os nossos concidadãos que têm dinheiro para fazer férias, a hesitarem na reserva, à espera da "dica" patriótica dos ministros.
3-Eu sempre interpretei aquele "faça férias cá dentro", como, faça as pontes cá dentro. Vá até umas pousadas {agora estão insuportáveis, cheias da gritaria da criançada}, visite uns museus, uns palácios, procure o pitoresco e nada mais. Não supunha que tivessem lata, para nos pedirem que passássemos de enfiada 4 semanas no Algarve ou num turismo de habitação que, comparativamente a essa Europa, é muito mais caro.

Agora vou-lhe contar um episódio doméstico. Quando o José Barroso veio com a "tanga", eu que nem votei nele, tive um sobressalto patriótico {acho que foi o único que tive em toda a minha vida} e perguntei ao meu marido se não seria melhor passarmos a semana a seguir ao Natal "cá dentro". Como resposta obtive: Estás doida? E ele tem a mania que é patriótico e que gosra da Pátria, enquanto eu nem consigo fingir.

Mª Lurdes Delgado disse...

Ó Sílvia você qer-me mesmo ver cadáver. Sombra? Olhe que eu não sou alentejana. Eu venho lá do Norte e, desde os 3 meses, sou "tripeira". Eu sei que ultimamente no Porto há mais sol, mas ando a recuperar o sol perdido nestes 55 anos.
Depois da Maria do Fonte, agora a sombra. Acho que já não entro em coma, morro directamente.

Sílvia disse...

Cara Maria de Lurdes,
não quero que morra, quero que recupere "o sol perdido". Eu espero por si!
(Ainda a hei-de ver de gadanha na mão... ou de cartilha ao peito.)
Um grande abraço.

Anónimo disse...

Ó Caríssima Maria de Lurdes deixe os 'greens' para eles 'pastarem'. Já pastam pelos parlamentos d'´'Oropa, pastam pelos de 'Pórtugál', já vão ter um 'pastorinho' em Belém p´rós guiar, têm como o outro disse alguém para puxar o carrinho dos tacos, vão ter carapauzinhos alimados feitos pela D.Maria, quer mais alguma coisa? Este país é perfeito. Não entre 'em coma', salvo seja. Divirta-se. Vá para fora como eu, sempre que posso pisgo-me para longe. Olhe agora tudo na neve da estrela? Já viu os garrafõezitos camuflados' não há pachorra para esta choldra, como dizia o D. Carlos. É bem piuor que a Porcalhota.

Mª Lurdes Delgado disse...

Caríssimo{a} Anónimo{a} 9.28 PM,
O meu problema é só me poder pirar da "piolheira", na semana depois do Natal{é o 2 em 1:Aniversario e dobro o ano. Neve, não obrigada.Tenho horror e frio!} e no mês de Agosto. Dantes ainda fazia uma semaninha na Páscoa, mas desde a "tanga" estamos tesos.
Os garrafõezitos camuflados o que são? Mais um pitoresco? Explique-me lá isso, para eu me rir com a prole. É rindo que resistimos heroicamente.

Anónimo disse...

Mª de Lurdes e Sílvia: corri o mundo, mas passei grande parte da minha vida, desde menino, no Algarve Ocidental, para onde voltei, onde a temperatura é mais baixa, mas o sol morde. Já apanhei a minha dose de raios solares e, agora, estou a precisar de vizitar as brumas das terras mais a Norte. Vou aceitar a sugestão da Sílvia. Já me tinham falado de Arouca. Para além dos aspectos destruídos pelos políticos, incluindo a proliferação de mamarrachos, este país ainda guarda imensas coisas boas.

Sílvia disse...

Caro Anónimo,
Arouca já está à sua espera.E eu também!

Montenegro disse...

Para quando formação profissional na área do golfe? :)

Mª Lurdes Delgado disse...

Pois é! Pensando melhor, férias não, mas visitar a Sílvia, com certeza. O nosso caro Anónimo marca o dia e lá vou eu. Esta minha mania do 2 em 1!
Abraços para os dois

H. Ramos disse...

Agora sim, percebo os incêndios que por aí pululam de verão em verão.

maloud disse...

No Verão pisgo-me e vejo a Pátria a arder nas TVs estrangeiras. Claro que eles, os estrangeiros, ficam um pouco abismados com tanta labareda e, muito principalmente, com o balde de água para o seu combate. A mulher do bigode, ex-libris, como o galo de Barcelos, foi substituída pela mulher do balde, aos gritos de Nossa Senhora nos acuda! e de mãos na cabeça, depois de lançada a água do balde.

Anónimo disse...

Caríssima Mª. de Lurdes Delgado: os 'garrafões camuflados'no fundo, no fundo, não passam de uma metáfora, isto é, eles só o são na minha imaginação. Mas eu explico o meu raciocínio: quando eu começo a ouvir aqueles tuguinhas a serem entrevistados na S.da Estrela, fico com brotoeja, porque eles lembram-me exactamente aqueles turistas de garrafão que há uns anos lá acampavam ou nos pinhais da Caparica com garrafão, sardinha assada e franguinho de churrasco. Hoje têm mais dinheiro (talvez!), mas a educação, civismo e cuspidela para o chão é a mesma, daí que eu diga que o garrafão está camuflado.Os outros só tinham o fim de semana para o piquenique, estes têm dias para as escapadinhas, rapidinhas e muitas outras coisas terminadas em inhas - como dividazinhas, fugazinhas ao fisquinho, pelo que se lê nos jornais, e etc.mas o primitivismo educacional é o mesmo ou pior, porque o mundo evoluiu e avançou e esta espécie rara retrocedeu ou parou no tempo, embora a camada de verniz pareça ser mais grossa - só que é isso mesmo -mais grossa, mas também mais estaladiça. São os mesmos que me lembram aquelas 'suas tias' lá das Antas - aqui tb as há nos Alvaláxias e não só - para utilizar linguagem futebolística -que tratam os maridos e os filhos por 'você' e depois lá em casa são os palavrões do costume.
Provavelmente não respondi à sua curiosidade, o que lamento, mas continuo a gostar de a ler, porque pelo humor que demonstra só pode ser uma pessoa inteligente. Contudo, quando os 'nossos jornalistas' entrevistarem os 'nossos turistas' na Serra da Estrela, repare se a maioria não tem ar de trazer o garrafão camuflado à cintura. Só se espera que não seja explosivo.

maloud disse...

Caro Anonymous 6.49 PM,
Eu conheço esses campings da Caparica. Os estudozinhos em Lx, há mais de 30 anos, deram-me tempo para conhecer tudo. Francamente a Fac. Letras só superficialmente, mas lá deu para despachar aquilo nos 5 anos regulamentares. Aqui também é tudo "chique a valer" como diria o Dâmaso. Os filhotes tb são tratados por você {os meus linchavam-me se me atrevesse} e, quando chegam as pontes da Primavera e eu começo a esplanada do Velasquez {tem de vir cá}, a gritaria preferida é, entre mesas, de preferência com várias de intervalo, para que todos possamos participar, dizer o hotel em que se esteve no Algarve e qual o preço. Parece um leilão. Já tive vontade de levar o martelo. Aliás eu ainda não percebi, porque é que não deixam a etiqueta com o preço agarrada a tudo. Cansavam-se menos.
Quanto às pousadas que ontem citei, a sua metáfora ocupou desde há meia dúzia de anos para cá. Aquilo que era simpático e calmo, hoje, só é frequentável à semana e de preferência no Inverno.
Arrisco-me, mesmo tendo mudado para azul, a que me chamem "elitista e mesmo um pouco snob", mas je m'en fiche.

Anónimo disse...

Bom, Malouf, aqui, nos 'sulistas', também as marcas 'marcam' alto e bom som, mas a maioria (segundo rezam as más línguas e me vão dizendo alguns jovens conhecedores do mercado), é comprada na feira do Relógio ou na FIC(feira Internacional de Carcavelos, porque quem não tem marca não marca. O 'Bowling for Columbine' ainda estará presente nas cabeças de muitos de nós, e uma das razões, julgo, apresentadas por psicólogos, é que aqueles dois alunos que mataram e se mataram eram muito marginalizados pelas roupas que usavam, entre outros problemas, como é evidente. Mas
nós continuamos a ser os campeões da roupa de marca, mesmo que seja falsa.É a eterna diferença entre o Ser e o Parecer que os portugueses tanto gostam.
Olhe: é a vida, como diria o outro et je suis d'accord avec vous - je m'en fiche.

Anónimo disse...

Bom, Malouf, aqui, nos 'sulistas', também as marcas 'marcam' alto e bom som, mas a maioria (segundo rezam as más línguas e me vão dizendo alguns jovens conhecedores do mercado), é comprada na feira do Relógio ou na FIC(feira Internacional de Carcavelos, porque quem não tem marca não marca. O 'Bowling for Columbine' ainda estará presente nas cabeças de muitos de nós, e uma das razões, julgo, apresentadas por psicólogos, é que aqueles dois alunos que mataram e se mataram eram muito marginalizados pelas roupas que usavam, entre outros problemas, como é evidente. Mas
nós continuamos a ser os campeões da roupa de marca, mesmo que seja falsa.É a eterna diferença entre o Ser e o Parecer que os portugueses tanto gostam.
Olhe: é a vida, como diria o outro et je suis d'accord avec vous - je m'en fiche.

maloud disse...

Caro Anonymous das 11.35PM,
No Porto o que dá, há montes de anos, é a feira de Espinho. As "tias" das Antas frequentam e depois mostram-me a T-shirt, D&G,"não acha giríssima? Não percebo, porque não aproveita? Já reparou, que pelo preço de uma, tenho meia dúzia? A menina é uma querida, mas é mesmo snob!". E a mesmo snob não vestia aquilo nem que lhe pagassem. A decorar a T-shirt põe no pulso o Gucci, que para quem conheça, mesmo que seja míope, a 100 M vê que é falso. Nos casamentos andam a pedir joias umas às outras, para condizer com a toilette. Até as pochettes se trocam. Você devia vir a este mundo das Antas, onde por vezes se tenta imitar a pronúncia das "tias" da Caras, para no meio da frase aparecerem requintes linguísticos como "há-des ir" e "tu fostes". E eu coro de vergonha alheia.
E, deste mundo, com o PSD no governo, às vezes saem uns secretários de Estado ou uns directores de Institutos, que imediatamente são disputadíssimos para os café-dessert. Quando o PS lá esteve, eu que há muitos anos me visto na boutique de uma senhora que é irmã de uma que foi ministra, esta gente correu em tropel para a boutique. Então, quando a srª ministra lá estava, ela normalmente também se veste lá, acotovelavam-se. Claro que quando saíam, começavam a desancar o PS, "embora a...seja super simpática", porque esta gente é toda, mas toda laranja. Acham uma exotice eu ser rosa. "Como é possível, se a menina viveu sempre tão bem? À mãe deve-lhe fazer imensa confusão! Uma senhora tão bem, requintadíssima!" As parvas ainda não perceberam que a minha mãe laranja, se está nas tintas para que eu seja rosa, vermelha ou azul às riscas.
Depois deste desabafo, não sei se o trauma eram as roupas de marca, mas uns adolescentes, desancaram até à morte um sem-abrigo e travesti, 500M abaixo das Antas. Sim porque as Antas {não o defunto estádio} têm uma fronteira socialmente muito defenida. Mas nós não temos o Michael Moore para fazer um documentário sobre este crime sórdido.
Para terminar não é Malouf {não iria usurpar o nome}.
Boa-noite

Anónimo disse...

Maloud: peço-lhe imensa desculpa pelo lapso cometido, mas não sou lá muito boa a teclar e não corrigi - imperdoável. Às vezes vou a Serralves, e na volta passo pela Miguel Bombarda, para ver umas exposições. Pode ser que um dia nos possamos encontrar. Terei muito gosto em conhecê-la. Aproveito também para agradecer aos autores do blog estas hipóteses que dão às pessoas desconhecidas para 'conversarem'. Ah! aqui também há pérolas gramaticais, que para lá das que cita (muito usuais até na Assembleia da República) temos o 'hadem' do Jorge Coelho ou o 'teriam-se' ou 'terá-se' dum outro qualquer - não é necessário fazer muito esforço - eles são às 'pálétes', como alguém diria.

maloud disse...

Mas ao menos o Jorge Coelho mantém aquele ar de rapaz que veio dos lados de Viseu. Já o vi fazer muitos "números" {aquele do crescendo até à apoteose final nos comícios é imperdível}, mas de "tio" nunca.

Anónimo disse...

Lá isso é verdade. Concordo consigo.
Até sempre

Mykah disse...

O Marques Mendes e os já famosos "lugares-comuns"...