quarta-feira, fevereiro 08, 2006

MANIFESTAÇÃO

COMUNICADO - CONVITE

Na próxima 5ª feira, 9 de Fevereiro, pelas 15 horas, um grupo de cidadãos portugueses irá manifestar a sua solidariedade para com os cidadãos dinamarqueses (cartoonistas e não-cartoonistas), na Embaixada da Dinamarca, na Rua Castilho nº 14, em Lisboa. Convidamos desde já todos os concidadãos a participarem neste acto cívico em nome de uma pedra basilar da nossa existência: a liberdade de expressão. Não nos move ódio ou ressentimento contra nenhuma religião ou causa. Mas não podemos aceitar que o medo domine a agenda do século XXI. Cidadãos livres, de um país livre que integra uma comunidade de Estados livres chamada União Europeia, publicaram num jornal privado desenhos cómicos. Não discutimos o direito de alguém a considerar esses desenhos de mau gosto. Não discutimos o direito de alguém a sentir-se ofendido. Mas consideramos inaceitável que um suposto ofendido se permita ameaçar, agredir e atentar contra a integridade física e o bom nome de quem apenas o ofendeu com palavras e desenhos num meio de comunicação livre. Não esqueçamos que a sátira – os romanos diziam mesmo "Satura quidem tota nostra est" – é um género particularmente querido a mais de dois milénios de cultura europeia, e que todas as ditaduras começam sempre por censurar os livros "de gosto duvidoso", "má moral", "blasfemos", "ofensivos à moral e aos bons costumes". Apelamos ainda ao governo da república portuguesa para que se solidarize com um país europeu que partilha connosco um projecto de união que, a par do progresso económico, pretende assegurar aos seus membros, Estados e Cidadãos, a liberdade de expressão e os valores democráticos a que sentimos ter direito.
Pela liberdade de expressão, nos subscrevemos
Rui Zink (916919331)
Manuel João Ramos (919258585)
Luísa Jacobetty

42 comentários:

Carlos Malmoro disse...

Completamente de acordo.
Só não percebi o que estão aí os vossos números de telefone a fazer...Se ainda fosse o da Luisinha...
Fora de brincadeiras, este post será publicado no meu blog.
A minha forma de colaboração simples.

Anónimo disse...

Enquanto continuarmos a olhar só para o nosso umbigo e para a nossa muito querida liberdade de expressão (note-se que os radicais também estão a utilizar essa mesma liberdade ao se manifestarem das mais variadas formas, violentas algumas, é certo) e não virmos que o cerne da questão está no imparável movimento de revolta dos povos arabes contra o domínio das potências ocidentais na sua própia terra (Palestina, Iraque, Afeganistão,etç.), não vamos conseguir chegar a lado nenhum.
Penso que a nossa resposta deve passar mais por contribuir para a resolução deste grave problema de forma "civilizada" e não responder à violência com mais violência.
Quanto às nossas liberdades de expressão e outras, embora importantes, elas estão suficientemente protegidas pelo sistema político-social europeu e ocidental e não é pelo facto de serem criticadas por um ministro ou qualquer outra personalidade, que elas ficarão em causa. Note-se que o ministro apenas se limitou a usar a sua liberdade de expressão.

Anónimo disse...

ninguém falou aqui em violência. trata-se, somente, de uma manifestação, sem cintos armadilhados, imagino...

douro disse...

Também vou publicar no meu blogue, a chatice é que ainda não tenho blogue, mas pronto fica a intenção. E vou pôr pilhas novas no megafone. Colaboro como posso. Viva a liberdade!

Anónimo disse...

E um ministro não pode usar a sua "liberdade de expressão",como lhe chama, como se estivesse a emitir a sua opinião pessoal. Provavelmente, quem colocou no poder o executivo que o foi desencantar, não se revê nesta opinião.

piscoiso disse...

Se fosse à Embaixada do Sri Lanka ainda ia.
É mais perto daqui.

Sílvia disse...

Estou demasiado longe para participar, mas vou divulgar a iniciativa.

Anónimo disse...

às 15 horas?!?!???? Vê-se logo que este pessoal é das universidades. Muito tempinho livre é o que dá. E eu que trabalho no privado que me lixe...

paper life disse...

Pois.
Prometo não telefonar ao Rui.

sniper disse...

Tem a minha solidariedade e apoio. Finalmente alguma acção. Começar ás 15 horas é muito complicado para grande parte das pessoas. Atenção que o Manuel Alegre ainda pode "comprar" os direitos, e pô-la no pacote de acções/divulgações da sua Cidadania,SA. Ou me engano muito, mas ele e a sua entourage ainda vão acabar por aparecer.

JV disse...

Sinto não poder estar presente, mas contam com o meu incondicional apoio.

Mª Lurdes Delgado disse...

Cá no Porto, o consulado da Dinamarca é no Foco {quem é do Porto percebe}.
Como julgo que isto nâo é convocado nem pelo PCP, nem pela CGTP, não deve haver os habituais autocarros, postos à disposição dos portuenses.
Que cabeça a minha! Esses só fazem a A1, quando se trata de ir insultar algum ministro.

Anónimo disse...

Vejo que afinal sabemos falar a linguagem dos outros. Não se esqueçam de levar os cocktails molotoff e as criancinhas previamente enfurecidas (passem com eles no toysrus e não lhe comprem nada, deve ser suficiente).
Eis o diálogo das civilizações a fazer o seu caminho!
Graça Lopes

daniel tecelão disse...

Tambem não vejo necessidade!!!

Carlos Indico disse...

É preciso tanta paciência para aturar estes intelectuais que mal se lhes tira o cobertor encolhem-se de frio.
Uma manif na Embaixadada Dinamarca? Porquê? Foi o Estado que publicou os bonecos, ou foi um xicoesperto racista que tem direito a isso? A liberdade de pensamento está em risco? Vamos ser decapitados pelo Nosso Estado? Estou em perigo de vida por estar aqui a exprimir isto?
Puta que vos pariu, mais os idiotas fundamentalistas - sim, cá também há - que forem. Se fossem para o caralho seriam mais úteis.
É a cabronada do costume, só querem sair na TV para ganharem uns extras á custa dos cabrões iguais a eles.

O Insignificante disse...

Vamos mas é fazer ua manifestação pela liberdade de circulação na Palestina.
ABAIXO O MURO DA VERGONHA!!!

luisinha disse...

eu vou estar lá porque a isso me vi obrigada pelo Rui (que sabe karaté) e pelo Manel (que é louco, nunca sabe o que me fará). quero que aqui fique registado.

unreconstructed disse...

Julgo que a presença de Rui Zink e Manuel João Ramos - dois dos palhaços mais em vista na cena pública portuguesa, embora o segundo conduza menos mal e o primeiro escreva pessimamente - dispensem a minha própria presença em tão elevado acto... (Ó gente do blogue, a OPA do Belmiro não vos parece mais importante do que esta merda? E vocês dizem o quê? Nada, carago! Num deserto destes, não admira que apareçam imbecis como o Alegre: a natureza tem horror ao vazio!)

alice disse...

Não posso ir, mas já divulguei no meu blog.

Anónimo disse...

Manifestações só em frente das embaixadas dos terroristas (EUA e Israel)...

Saloio disse...

Lá estarei...a última vez que fui a uma manif, foi no Terreiro do Paço, a apoiar o almirante Pinheiro de Azevedo, que gritava de uma janela "é só fumaça...", tendo atrás de mim o Eduíno e o José Pacheco Pereira a agitarem bandeiras vermelhas do PCP-ML. Lembram-se???

António Ferreira disse...

Parece que as caricaturas mais ofensivas para o Islão são as da bomba no turbante de Maomé e o próprio a pedir aos suicidas que párem, que já não há mais virgens.
Desculpem a estupidez da pergunta, mas de onde é suposto virem as virgens? Há uma fábrica delas no céu? São uma espécie de andróides criados por Alá para a satisfação dos mártires?
Já agora, elas têm opção de escolha? Do género: eu não quero foder (desculpem o meu francês) com este cretino?
Já agora ainda: depois de o mártir ter, salvo seja, passado setenta virgens pelo fio da espada, o que acontece? Vêm mais? Esgota a sua reserva de virgens e passa a ter direito apenas a, peço perdão pela ofensa, mulheres já usadas? Por toda a eternidade?
Outra questão: e quando os mártires são mulheres, também têm direito ao seu lote de virgens, agora machos? Também há uma fábrica de virgens machos?
Finalmente: não justifica esta grotesca crença o direito ao sarcasmo dos não crentes?

zazie disse...

eu devo ser do contra mas não publiquei o anúncio nem me agrada essa manif.

Uma boa cretinice para meter tudo ao molho.

luisa disse...

Citando alguém que não é bom da cabeça: "Desde há pelo menos 18 séculos que os rabinos judeus escrevem que Jesus é filho de uma prostituta e de um feiticeiro. Há pelo menos 14 séculos que os memers muçulmanos escrevem sobre a não virgindade de Maria.
Cada um tem o direito a exprimir a sua opinião, sem ver ameaçada a sua existência."

zazie disse...

é estrano como achamos que os patetas dos fundamentalistas alinham à primeira numa galvanização religiosa e depois aderimos nós (salvo-seja) com a mesma fezada a uma idioteira que todos sabemos ser mentira- a imprensa os jornalistas e o que dizem

zazie disse...

agora arranjou-se realmente o pretexto mais à conta para unir os espíritos desempoeirados...

realmente.Até parece que ja´esqueceram que vieram para a blogosfera precisamente para dizer aquilo que os media não dizem ehehehe

e fundamentalistas e tontos são os outros que vão atrás de cartoons

ahahaha

zazie disse...

coitado do Scooby-Doo

":O.

euroliberal disse...

A manifestação é para afundar mais a Dinamarca, agora que ela precisa de limpar a imagem... acho que vão ser corridos pelos próprios dinamarqueses...

Pedro Botelho disse...

Não se esqueçam de protestar também contra as leis que proíbem duvidar do "Holocausto" na Europa.

Introdução ao assunto aqui.

zazie disse...

com tanta preocupação este ainda se queima na cozinha

vasco (não o daqui) disse...

Anda toda a gente por cá a levar esta história dos bonecos muito a sério, em vez de lhe dar o lugar que verdadeiramente merece: o esquecimento.

O livre-arbítrio só existe sem ideologias. É isso que temos que conquistar. Repito em alemão para dar um tom mais analítico: ohne ideologie.

Anónimo disse...

Hoje sou dinamarquês.Neste assunto não não se pode ficar em cima do muro, nem fazer concessões.Não pode haver posições ambíguas nem "real politik ". Eu estou com a liberdade contra os fundamentalismos.Quaisquer que eles sejam.
O jornal dinamarquês pode ser de racista e xenófobo, as caricaturas insultosas e de mau gosto, mas essa é a superioridade moral dos que defendem os valores da liberdade, democracia e justiça.
Muita mais gente gostaria de estar presente.E se fosse sábado às 15 ?

zazie disse...

e se fosse por sms?

":O.

Luis Teixeira disse...

Apoiado. Não gosto muito de abaixos-assinados e manifestações, mas neste assunto é o vai bem. Lá estarei, e vou divulgar.

nado-vivo disse...

Mas afinal é a liberdade de expressão que está em causa? A mim parece-me que se despoletou (propositadamente) uma "guerrinha" entre culturas e que não nos levará a nenhum lado.
E se eu publicasse uma foto-montagem do proprietário do jornal dinamarquês, em pleno acto "sexual" com um muçulmano?
Ficaria o mundo mais seguro?

ab disse...

Amok

Compreendo a tua raiva diante tanta ma fé.
Há que guardar um mínimo de sangue frio.
O essencial não é por esse terreno que passará...
Mas eles sabem disso, "la fin de règne approche".

Sei que por aí há gente para quem esta questão
dita da "liberdade de expressão" é
sobretudo ocasião para brandirem uma virgindade que há muito lhes faz defeito. Esses mesmos, que dia para dia ocupam as colunas da imprensa e da televisão sem a mínima vergonha nem complexo,
já no tempo da velha senhora era assim; "arautos papagaios" de uma liberdade que tem como padroeiro (em emboscada) um George Bush, que se permite mesmo o luxo de lançar um apelo a moderação.
Nunca o engenho dos bombeiros pirómanos foi tão grande.
Entretanto por aqui a coisa não é diferente e se isso te pode consolar,posso dizer-te que os papeis que esses senhores por aí vão escrevendo não fazem prova de grande originalidade. Na maior parte dos casos são "remakes" que não fazem mais do que repercutir
"la voix de son maître", que, esse (sendo Portugal um país da periferia a quem ninguém passa agora cartão), se encontra alem
fronteiras. E triste mas é assim.
Os "virtuosos berros" desses senhores são para consumo interno, e externo na medida em que isso lhes garante a mesada que via Bruxelas lhes chega a continha no banco a tempo e horas.
É que o tachinho voltou a Portugal via UE....!!
Que queres é assim, a história repete-se fazendo caretas.





"Faut-il craindre une escalade vers le « choc des civilisations » ?

Ghaleb Bencheikh. On peut bien sûr le craindre, mais il n’y a de choc que des incultures et des ignorants. Les civilisations entre elles ne s’entrechoquent pas. J’ai la faiblesse de croire que la civilisation dite « occidentale » doit, et beaucoup, à Avicennes, Avéroès, Al Kendi ou à Al Farabi. Tant que l’on occulte cette réalité, au niveau de la tradition islamique et de sa civilisation, on permet à l’affrontement de progresser. Il faut que nous sortions de ces chocs et que nous apprenions, nous aussi, Arabes et musulmans, à composer avec la critique, encore faut-il que celle-ci soit saine, constructive.


La Laïcité au regard de l’islam, Ghaleb Bencheikh, Presses de la Renaissance, 2005."

L'humanité mardi 7 février 2005

Sílvia disse...

Mas por que carga d'água havemos de reivindicar a defesa do princípio da liberdade junto aos portões da embaixada da Dinamarca? Existe, por acaso alguma crise política naquele país que justifique tal alvoroço? Existe por acaso alguma ameaça contra a liberdade dos cidadãos naquele país? Que eu saiba, apenas a sensibilidade religiosa dos cidadãos mulçumanos foi afectada...
Cá entre nós, não acham que estamos a exagerar?
Não será a direita imberbe, dita liberal, a querer afirmar-se no seu restrito umbigo? Mas afinal, a quem estes pretendem dar lições de liberdade?
Tenham calma, não sejam fanáticos!
Isto passa...

Tiago Franco disse...

"Não nos move ódio ou ressentimento contra nenhuma religião ou causa. Mas não podemos aceitar que o medo domine a agenda do século XXI". O tanas é que não. Isto já parece a história das manifestações do PNR.

ab disse...

"As armas e os Barões assinalados
Que da Ocidental praia Lusitana
Por mares dantes nunca navegados" etc etc

Portugal chegou a hora do teu destino !!!


Partem do Tejo logo a tarde três caravelas.
com destino a terra santa.
Objectivo: Combater os infiéis.
A primeira caravela comandada pelo capitão Rui Zink
a segunda comandada pelo capitão Manuel João Ramos,
quanto à terceira é possível que se seja comandada pela capitã Luísa Jacobetty, os marinheiros gente do pior, machista por cima não aceita
comandos de mulher.

Lisboa rocha conde de Óbidos
Quinta feira 9 de Fevereiro 2005

Enfim vale mais rir :))

Rui disse...

Não me será estar fisicamente possivel estar presente. No entanto não podia estar mais de acordo. Estou farto que não se chame ao inominável pelo nome e de que as liberdades de uns se sobreponham às de outros.

Rui

Meg disse...

Muro da vergonha, cornudos e exaltados.

Tive a sorte (há muitos anos) de estudar no norte da europa. Na universidade os estudantes estrangeiros costumavam fazer umas patuscadas (europeus, americanos, chilenos, chineses, indianos, etc.). Os únicos que ficavam sempre de fora eram os palestinianos (consideravam-se refugiados políticos e portanto o estado norueguês tinha como obrigação sustentá-los). Nas aulas ou na biblioteca nem vê-los. Passavam o tempo na cantina da universidade a beber imperiais (como bons muçulmanos) e começavam logo ali a revolução. Primeiro contra Israel, depois contra os Estados Unidos e a Europa em geral, e quando já estavam bem entornados, desatavam aos berros contra os racistas dos noruegueses.

Havia nesse ambiente revolucionário uma excepção. Um palestiniano que se dava com o resto da comunidade estudantil, só bebia aos fins de semana, ia às aulas e à biblioteca, era bom aluno e gostava da música dos DeutcheAmerikanskeFreundchaft. Um tipo porreiro, baixinho, moreno e de óculos. Começou a andar com uma miúda holandesa, do nosso grupo: alegra, simpática, loira, forte e com mais 30 cm que ele. Faziam um casal adorável. O problema foi quando ele começou a querer mandar na holandesa. Depois de advertência e cartão amarelo, seguiu-se o cartão vermelho na forma de um par de cornos com um colega americano (do tamanho dela e possivelmente mais avantajado que o nosso palestiniano de um metro e sessenta).

O nosso amigo palestiniano modificou-se. Deixou de andar connosco, começou a ir todos os dias à casa de banho para rezar em direcção às sanitas (estavam na direcção de Meca). Trocou as roupas ocidentais por trajes de camuflado, botas da tropa, boina à Che, lenço palestiniano e faca de mato ao cinto. Trocou as aulas pela cantina e tornou-se ferozmente anti-imperialista. Não nos devemos esquecer que foi um agente imperialista que lhe pôs o par de chavelhos (que ele sentia muito pesados - principalmente quando em brincadeira em grupo, e sendo eu um pouco desbocado, lhe disse que se calhar ele não tinha pixa para a holandesa, que eu sabia, por experiência, gostar de pixa grossa).

Conclusão:
O estudo psicológico acima descrito é prova cabal e suficiente que na base da "exaltação" anti-ocidental de características primárias se encontra uma combinação de complexos de cornos e falta de pixa. E isto foi muitos anos antes do Sharon mandar levantar o denominado "Muro da Vergonha".

antónio disse...

A liberdade de expressão não pode ser exercida sem um mínimo de bom senso e de responsabilidade.
Ora, estando o mundo como está, quando há gente capaz de se suicidar como quem toma uma bica, o que procura ou espera alguém que desafia aquela turba fundamentalista, acéfala e manipulada?
É o mesmo que um adepto do Benfica se meter no meio da claque do Porto a dar vivas ao glorioso. Está à espera de quê? Que lhe estendam a passadeira vermelha e lhe gabem a coragem?
A liberdade de expressão é o que permite aos jornalistas divulgar notícias que estão (e eles sabem-no) em segredo de Justiça. Afinal qual é o crime maior, mandar a notícia para alguns jornais ou a sua divulgação a milhões de leitores? Serão os jornalistas anjos impolutos? Não sabem que estão a ser o motor da ilegalidade?
O jornalista que divulga notícia em segredo de justiça é como o receptador de rádios roubados por drogados. Não sabia que tinham sido roubados, não é?
Por favor, não brinquem connosco e saibam merecer o privilégio de haver liberdade de expressão...