quinta-feira, fevereiro 09, 2006

EXPLICAÇÕES


As críticas dão-lhe vontade de "rir". Como se ele não fosse um ocidental de gema e como qualquer ocidental de gema não dispensasse juras diárias à democracia e aos direitos humanos, tudo coisas "tão óbvias" que ele não precisa de andar constantemente a "repeti-las" sempre que "há um acto de violência em qualquer parte do mundo”. Tem havido uns tantos, é verdade. Mas ele preferiu filosofar sobre a civilização muçulmana, a história das religiões, a sacralidade dos símbolos e os limites à liberdade de expressão. Ele preferiu “sublinhar” a necessidade de “compreender a civilização muçulmana”, deixando a solidariedade com a Dinamarca entregue ao silêncio e às obscuras "vias" da diplomacia. Afinal, o que nos faz falta é compreender: tivesse a Dinamarca compreendido que “na civilização islâmica não há distinção entre a Igreja e o Estado, nem entre política e religião” e não se tinha posto a brincar com os seus "símbolos sagrados” (porque "eles" - os muçulmanos, não os símbolos - se "ressentem" de uma maneira “muito mais forte e muito mais grave do que nós”). Infelizmente, os dinamarqueses não compreendem estas subtilezas do islamismo. E depois, lá temos nós (e ele) que pôr "água na fervura" para evitar que isto descambe num "choque de civilizações". Perante estes esclarecimentos, falta agora compreender o que sucedeu a "Cristo e a Sua Mãe, a Virgem Maria". Afinal, já se pode brincar com eles? Por cá, como se sabe, a separação entre a Igreja e o Estado é um facto. E os católicos, ainda por cima, parece que se "ressentem" menos com esta história dos símbolos. Infelizmente, neste ponto (crucial), Freitas do Amaral foi omisso. No resto, foi cristalino. E mostrou que, como já se tinha compreendido, quem não compreendeu nada...foi ele.
ccs

39 comentários:

Unreconstructed disse...

O Prof. Freitas desviou-se para o centro por tacticismo puro, porque achava que, declaradamente à direita, nunca poderia ser PR (ao centro também não, porque fica entalado, mas isso é problema dele). De resto, por dentro, ficou o reaccionário de sempre, sem espinha vertical nem verdadeiras convicções (aquelas pelas quais um gajo se lixa, se for caso disso). Em duas palavras: um representante do abominável "consensualismo" (manifestação corrente do nosso tardo-salazarismo) e do Portugal videirinho, tão untuoso como o seu sorriso. Vai acabar a fazer programas, como o Hermano Saraiva, sobre o Castelo de Guimarães (leiam a biografia que ele escreveu do D.Afonso Henriques para perceber a pobreza mental deste cromo).

cris disse...

Nao sei bem quem é que nao compreende nada.

quaresma disse...

Mais um disparate do asno amaral o homem que não tem coluna vertebral

Rui Castro disse...

ccs,

ao que parece o jornal dinamarquês já pediu desculpas pela publicação dos cartoons. A reacção de alguns governos europeus deve ter dado o seu empurrão para esta tomada de posição do jornal.

http://incontinentesverbais.blogspot.com/2006/02/talvez-seja-melhor-desmarcar-manif.html

Assunção Duque disse...

Eu que me considerava uma cidadã medianamente informada, detentora de uma licenciatura e um bacharelato, 58 anos, com alguma participação política e cidadã descobri que perante as imagens de multidões a manifestarem-se junto a embaixadas, grande controvérsia perante a puiblicação de cartoons num jornal,que o meu grau de «incultura» é enorme .Confesso que nunca li ou sequer vi um jornal dinamarquês...

crítica disse...

O jornal dinamarquês acaba efectivamente de pedir desculpa aos mulçumanos pela publicação dos cartoons, salientando que não se apercebeu da ofensa que tal publicação representava para os mulçumanos do seu país e do mundo inteiro. Outros governos europeus estãoa emitir comunicados na linha do comunicado de Freitas.Parece, cara CCS, que Freitas tem normalmente razão antes do tempo, tal como aconteceu com o referendo europeu.E esta hem?!?

Rui Castro disse...

Critica,

O facto de os outros governos alinharem em carneirada não quer dizer que Freitas tenha razão. O comunicado é, com efeito, infeliz e despropositado, tendo omitido de forma escandalosa a condenção da forma violenta como os fundamentalistas estão a reagir.

Jose Sarney disse...

Parece que o Senhor tem antecedentes familiares de Alzheimer, pelo que com os anos, é natural que os sintomas se acentuem!

Deixem-no lá estar nas Necessidades, já que ficou tão ressabiado com os Americanos (sabe-se lá porquê), desde o seu posto na ONU! Mas, agora presta vassalagem, naturalmente, à Senhora Condy! Pois!

Vera Cymbron disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Vera Cymbron disse...

Faz-me confusão as pessoas que realmente têm tempo de antena andarem a dizer "conversas bonitinhas" baseadas em alíneas "manhosas e ardilosas" para "ficar bem na fotografia"(a qualquer custo, mesmo que isso signifique fazer figura ridicula; há jogos politicos onde vale tudo)...infelizmente, e na minha grande ignorância perante alguns factos (o meu livro não tem prateleira, cada dia que passa agradeço o canto empoeirado onde está; a biblioteca é enorme e nem sempre os livros que se lêem são os melhores), o Sr. Freitas é uma destas pessoas. Gostei.

Unreconstructed disse...

Vera Cymbron votou Alegre: fala em verso e não diz nada.

Anónimo disse...

Dona constança... veja se lê mais. Principalmente as obras de Fareed Zakaria e os seus artigos - gratuitos - na Newsweek. O seu livro último livro é igualmente bom. Percebe alguma coisa de democratização (de transições e consolidações democráticas)? Percebe alguma coisa do Médio Oriente? Percebe alguma coisa do Islão? Percebe alguma coisa da ciência de relações internacionais? Se não percebe nada das três questões em cima então não deveria escrever sobre elas. A senhora vive no mundo dos clichés. Tem que passar ainda por dois: o das revistas da especialidade para consumo de massas e, quem sabe, o das revistas académicas. Não seja burra. Liberte-se ... e pode ser que começe a perceber melhor a acção do nosso amigo Freitas.

Anónimo disse...

Ajudem-me,por favor...
Nesta angustia metafísica em que andamos todos a propósito do carácter absouto (ou não) da liberdade de expressão, uma dúvida me assalta:

Publicar um cartoon com o Luís Nobre Guedes a enrabar o Paulo Portas, também deve, segundo a tese abrangente dos nossos bravos VPV e CCS, ficar coberto pela liberdade de expressão ?

Peço respeitosamente esclarecimento.

Unreconstructed disse...

Resultado: quem não lê a Newsweek não pode defender a liberdade de expressão (a política é uma ciência, e os analfabetos não deviam ter direito a voto). É o que eu digo: o Prof. Freitas e os amigos dele são tardo-salazaristas.

João Nuno disse...

...Este homem não é só uma nódoa negra neste Governo é também um enxovalho para todos os Portugueses livres !
...
...Fiquei fã deste blog ( o contrário seria impossível com tão ilustre autoria ) e li aqui que há uma manif junto da Embaixada Dinamarquesa...daqui de Ponta Delgada, em São Miguel, não é fácil estar presente, mas no dia 9 também eu serei um Dinamarquês !
...
(visitem www.ilhas.blogspot.com onde também a cartoonização do profeta deu brado a acintosa polémica)

Anónimo disse...

Só para dizer que por acaso resido na Dinamarca (não, não sou muçulmano...), e posso garantir que os dinamarqueses não fazem a menor ideia do que é o Islão - se fizessem, não teriam publicado as ditas caricaturas, e o Director do Jornal não teria levado 4 meses a pedir desculpa (aliás, pouco sincera, porque não apresentou a demissão, o que seria natural, dado ter cometido "um erro de sérias proporções").
Acresce que o PM Dinamarquês já deu 4 entrevistas a canais árabes, fartou-se de dizer que "pessoalmente, é contrário a ofensas dirigidas a símbolos religiosos", mas nunca pediu desculpa.
"Muçulmano" é, na Dinamarca, sinónimo de "estrangeiro" (ou vice-versa) - e ambas as palavras são sinónimo de lixo...

Anónimo disse...

"Defender a liberdade de expressão". A questão não é essa. A questão é de uma situação em que estamos a dar excessiva importância aquilo que não deve ter. Estamos obstruídos mentalmente por dois mundos: o da liberdade e o da não-liberdade. Eu prefiro guiar-me mais por outra "ontologia": a dos mercados livres, da defesa dos direitos humanos, do multilaralismo, do diálogo multicultural e ... da democracia. O mundo não é só feito de democracias e não democracias. De Islão e Ocidente. Há "outras coisas". Democracia é importante mas enquadrada noutras realidades. Corremos um grave problema se nao o fizermos. E deveria ser responsabilidade de uma jornalista "reconhecida" e de um académico "reconhecido" dos nosso país perceber isto. Se não para quê escrever sobre relações internacionais? Será que eles alguma vez leram um livro sobre Médio Oriente e entraram, minimamente, no debate sobre aquela região? Será que alguma vez leram um livro sobre relações internacionais e entraram no debate sobre esta "ciencia"? Penso que não. Mas é grave. Não só porque são "reconhecidos" neste nosso país mas principalmente porque este tipo de opiniões condiciona a opinião pública. (Vou percebendo porque é que o mundo caí em desgraça ... pela burrice de alguns e por maus programas das elites)

Volta Clinton, estás perdoado...

O próprio disse...

Para o nosso MNE:

CRISTÃO: Aquele que acredita que o Novo Testamento é um livro de inspiração divina, admiravelmente adequado às necessidades espirituais do seu vizinho. Aquele que segue os ensinamentos de Cristo, na exacta medida em que não sejam incompatíveis com uma vida de pecado. (in "Dicionário do Diabo" edições Tinta-da-China, 2006)

JAC disse...

Portugal, que mal fizemos para merecer esta humilhação?



«Somos uma nação pobre (estéril) e castrada (infecunda) … somos um povo descaracterizado, humilhado e cobarde cujos ídolos são uns, alguns de nós, a correr atrás de uma bola num campo relvado. - JAC»

http://sal-portugal.blogspot.com/
JAC – Sal de Portugal

Unreconstructed disse...

"A questão não é essa" - para si. A beleza da política está no facto de dar origem a perspectivas diferentes, e não existe meio de provar que uma está "certa" e a outra não. Terá de fazer um exercício de modéstia e perceber que, apesar do lastro intelectual e académico que eventualmente possua, outros há que pensam de maneira diferente da sua e talvez ganhem o debate político. Não se ganham as batalhas dos hearts and minds com argumentos de autoridade científica. Eu acho que a "ciência" das R.I é um embuste intelectual, estou-me nas tintas para ela e - veja lá o despautério - o meu voto conta tanto como o seu.

piscoiso disse...

Há para aí resmas de ministros dos negócios estrangeiros que fizeram copypast das palavras do freitas, com más traduções e algumas omissões.

Roteia disse...

Tanto alarido! E o sólido e inabalavel ocidente, a escorregar que nem um patinho nessa coisa dos grandes princípios, das grandes convicções, da grande liberdade de expressão.
Já agora qual liberdade de expressão? E a manipulação que se esconde debaixo dela? E a guerra das audiências, distribuindo brindes atrás de brindes? E os interesses do mercado?
São cascas de banana, senhora, são cascas de banana atiradas à rua.
Nós por cá, somos exemplarmente livres.
Saudações ultraperiféricas!

mariazinha disse...

Cheira-me por alguns comentários (um na Dinamarca, outro a defender a sua dama, perdão, o seu Ministro, com argumentos de "científicos") que anda aqui meio MNE...

Comum dos Mortais disse...

Esta coisa dos muçumanos sentirem de outra maneira, causa-me alguma estranhesa. Quantos exemplos existem de "ataques" (leia-se criticas, sátiras) constantes à igreja católica que os católicos não sentem? Sentem com certeza, mas reagem de forma diferente. Será por causa dos mandamentos? Será que são mais racionais? Ou será que sabem que tudo, mas mesmo tudo tem direito à critica, deixando espaço para o direito de se indignarem. Será que o Papa, representante de Deus na terra, envolvido no preservativo é menos ofensivo que estes cartoons? Será que os católicos não sentiram? O problema não está no que se sente, ou em quem mais sente, mas na forma como se revela. E há formas aceitáveis e outras inaceitáveis. Venham de católicos, muçulmanos, budistas ou protestantes. É indiferenteà côr, raça ou simpatia religiosa. E é isso que o nosso Prof não consegue perceber.

Vera Cymbron disse...

Sr. Unreconstructed nem todas pessoas conseguem ler "poesia"... espero ter-lhe dito algo desta vez!
E podia até ter sido por acaso, mas não foi Sr. Unreconstructed, não votei Alegre, apesar de ter o poeta em grande consideração, votei Cavaco...posso até contradizer o que disse mais acima com a minha escolha, mas na realidade sei dos meus dois palmos de testa, que me fizeram ter em conta a situação critica do país e ter que optar pela "solução" mais adequada.

Unreconstructed disse...

No hard feelings, apesar de eu ter votado Jerónimo - e não precisa de me tratar por Sr. (Unreconstructed chega).

Anónimo disse...

Unreconstructed... será que Freitas do Amaral errou ao não condenar, igualmente, os actos bárbaros por parte de uma minoria de fanáticos ignorantes e "impulsionados" pelas elites de alguns países árabes? Penso que sim. O comunicado está incompleto por esse aspecto. Mas está igualmente incompleto por não falar, por exemplo, de um acontecimento que é tanto ou mais importante: sabia que os Estados Unidos e a Coreia do Sul assinaram um documento histórico de livre circulação de bens entre si a semana passada? Ou sabia que a situação em Darfur continua uma de grande precaridade onde, todos os dias, morrem pessoas (e a questão não é que se vá lá salvá-las. A questão é só discutir o que se passa ou, por outras palavras, voltarmos a discutir intervenções humanitárias)? O mundo é mais do que Islão e Ocidente. É mais do que democracia e planos de democratização. É mais do que unipolaridade militar. É mais... Quem não percebe isto deveria perceber porque o que está em causa é grave. E repito. O que está em causa é grave.

Paulo Pisco disse...

Esse homem ri de quê?

abel disse...

a quem é que interessa toda esta confusão? porque é que os europeus haveriam de escapar ao ónus da culpa. Porque é que os EUA haveriam de sózinhos pagar a conta de hostilizarem o mundo muçulmano ? Porque é que é utilizado um jornal ligado à extrema direita.Porque é que é tão simples manipular os europeus?

Danske-Portugisiske Vennskapp Forening disse...

Vi er röde
Vi er hvite
Vi er danske
Dinamite

Og takk for det!

Til helvete med kretinen Freitas do Amaral og hans sensur (helvetes Torquemada). Kartoonene var ganske morsomme! Og hva med Pateta Alegre? Har han blitt senill? Jeg far lov a si hva jeg vil! Freitas do Amaral er ett hemmelig travestitt!

Conclusão: em nome da liberdade de expressão sinceramente desejo que os Sr.s Amaral e Alegre vão CAGAR e lamber o CAGALHÂO.

HEIA DANMARK!!!!!

Den Danske-Portugisiske venskaps forening

Anónimo disse...

O Jyllansposten não é um jornal de extrema-direita; é o equivalente dinamarquês do Correio da Manhã. E porque é que os europeus teriam de assumir o ónus da culpa? Já agora, de que culpa? Teremos culpa de termos sociedades democráticas onde as religiões podem -e devem- ser escrutinadas, julgadas, gozadas até se se quiser???
É preciso por um lado ter muita lata, e por outro não ter um resquício de coluna vertebral para dizer tamanhas baboseiras!!!

PS- Quando alguém satirizar a Igreja Católica, quero ver uma reacção igual da parte dos dirigentes esquerdalhos. Outrossim, garanto que me planto á porta da sede do BE, e só d lá saio quando tiver escarrado nas ventas do Louçã!

Meg disse...

Algumas perguntas sobre verticalidade e coluna vertebral:

Qual foi o único país, com excepção da URSS, que quando o Brejnev morreu declarou 3 dias de luto nacional?
A) Portugal
B) Burkina Faso
C) Alto Volta

Rui disse...

Burkina Faso e Alto Volta é a mesma coisa.

Meg disse...

Sorry rui:
You're so right! Queria dizer Burundi. My fault.
Vou dar mais uma pista. A razão dos três dias de luto nacional é que os asnos que o decretaram supondo que:
A) levava os russos a comprarem mais sapatos
B) porque lhes apeteceu
C) porque eram asnos

Adriano Volframista disse...

Não será o momento de perguntar a Diogo Pinto Freitas do Amaral, Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, porque motivo, quando era presidente da Assembleia Geral da ONU não solicitou que, a sexta feira fosse, junto com o sábado e o domingo, dia de descanso?
Onde andava o respeito?
Cumprimentos
Adriano Volframista

antónio disse...

Agora o nosso Freitas lançou-se noutra cruzada, a eleição de Ramos Horta para o topo da ONU. Do alto da sua magistratura de influência, já deu instruções ao nosso embaixador para apoiarmos Ramos Horta, desde que este entre na "short list"(palavras de Freitas), ou seja, quando ele já tiver alguma hipótese de ganhar. Por enquanto, isto é, quando a cunha é mais precisa, o nosso Freitas fica quietinho a ver em que param as modas. Se o timorato timorense puser o pé no estribo, então o nosso Freitas avança como um só homem, com os seus galões e o seu faro incomparável. Mais palavras para quê?

o mestre disse...

Coitadas das raparigas, queriam casar, chegaram-se à boca de cena, à boca pequena delas se falou, a coisa estava a dar, tinham todos os canais de televisão à volta delas, foram rainhas por uns dias. Azar! A febre dos "cartunes" (é assim?) voltou a subir, o itinerante Sampaio foi comer a última ceia ao Portugal pró fundo e receber as últimas ajudas de custo, enquanto Freitas entra em cena com faiscantes elocubrações e eis que surge Don Valentim que se antecipou a São Valentim a atacar tudo e todos, a começar pelo dito Sampaio que, para quem estiver esquecido, ainda mora em Belém.
Sem esquecer a luminosa e angélica ideia do senhor Sá Fernandes, defesa Direito de Carlos Cruz, que gostaria de meter na gaveta as testemunhas ainda por ouvir. Francamente, que maçada ter de ouvir testemunhas, essa gentalha que teima em não fugir de Cruz como o diabo faz. Ele lá saberá porquê...
Com tudo isto, as pequenas casadoiras saíram de cena, e o país está como gosta, com a bola a saltitar e com a pito dourado. Mas,assalta-me a dúvida, embora bem feminino, pito não é masculino?
Que os fundamentalistas (do que quer que seja) me perdoem a brejeirice, mas não abdico da minha liberdade de expressão.Mais, quando eu falo (não confundir com "eu, falo", só se ouve a minha voz, mais ninguém nesta casa pia...

Rui Castro disse...

É por causa deste tipo de reacções que este tipo de notícias começam a surgir:

http://incontinentesverbais.blogspot.com/2006/02/estranha-morte-do-ocidente-ttulo.html

Anónimo disse...

1º) É muito curioso ver agora tanto fascista e lacaio do poder imperial vigente a defender a liberdade de expressão! Registe-se esta evolução (transitória?...), mas não se esqueçam de que nós todos sabemos que não lutaram nunca por ela em Portugal;

2º) Freitas do Amaral só é feroz e injustamente atacado por estes e outros fascistas e imperialistas, que aliás votaram entusiasticamente nele duas vezes em 86 (já se esqueceram?), porque teve a "ousadia" de evoluir... um pouco mais do que eles;

3º) Será que também não tinha razão antes de tempo - como agora - quando criticava a desumanidade de Guantanamo?

4º) Dói-vos sempre mais quando é "um dos vossos" que abre os olhos para a verdade, não é assim?...

5º) Eu orgulho-me de Freitas e da nova política externa portuguesa, ao contrário do que aconteceu com a VERGONHA da Cimeira das Lages, com o durão e actual presidente da Comissão europeia (esse sim, parece ter sempre razão tarde demais...). Quem não goste, não coma. Mas, até ver, quem ganhou as Legislativas foi a Esquerda. Habituem-se, porra!