segunda-feira, fevereiro 06, 2006

CIVILIZAÇÕES

O Aspirina B conta uma história. Um dia, perguntaram a Gandhi o que achava da civilização ocidental. "Acho que seria uma excelente ideia", teria ele respondido. Não sei se respondeu isso ou não, mas não me espanta a frase, atribuída a quem é. Gandhi foi um produto típico do Império Britânico: um advogado, um pregador e um prematuro spin doctor, que o Império Britânico e o Ocidente resolveram sacralizar por razões de estratégia e oportunismo. O facto é que a "não-violência" exige dois parceiros. Sem a moderação e o legalismo do Raj e, sobretudo, sem o espírito "liberal" da opinião pública inglesa, não haveria Gandhi. Facto que ele próprio não ignorava e com que sempre manifestamente contou - tanto mais que, durante a vida inteira, viveu e agiu à sombra da benignidade do sistema. Não se imagina a "não-violência" do Mahatma face à China ou, por exemplo, à Rússia de Estaline ou dos czares. Quando acabou a tutela do Ocidente, da tal hipotética "civilização" que Gandhi desprezava, ficou a intransigência hindu e muçulmana, o Estado muçulmano de Jinnah e meio milhão, um milhão, dois milhões de mortos…ninguém sabe ao certo.
Como se diz na América, uma certa ignorância da Aspirina "vem com o território". Mas, de qualquer maneira, a Aspirina, no caso Rui Tavares, pergunta se a civilização do Holocausto e do Gulag merece ser considerada "superior". A pergunta é séria e merece uma resposta séria. Começo por confessar que, sem confundir o Holocausto com o Gulag, às vezes, muitas vezes, quase constantemente, duvido. Mas, do meu ponto de vista infinitamente insignificante (que nem a História, nem Deus, nem o seu profeta ou o seu vicário recomendam), não me parece discutível que a civilização ocidental contribuiu mais para a liberdade e felicidade do homem - e da mulher - e para o domínio do homem sobre a natureza do que qualquer outra civilização conhecida. Mais prosaicamente, em 2005, não imagino espécie de futuro para uma civilização fanática, despótica e analfabeta e consigo imaginar algum futuro, e até depor alguma cautelosa esperança, na angústia, na desordem e no perpétuo conflito, que é, como lhe compete, a civilização do Ocidente, Peço desculpa pelo tom altissonante da última frase.
vpv

66 comentários:

Robin dos Vascos disse...

A sensação que eu tenho é que os meios-orientes não querem futuro nenhum. Querem o eterno retorno.

É malta que gosta de repetir os seus actos e tradições eternamente. De certo modo, não está muito distante de uma aldeia Beirã.

Pedro Botelho disse...

Uma vez que todos concordam que o tal "Holocausto" é uma referência civilizacional da Europa contemporânea, talvez fosse boa ideia juntarem as vossas vozes às que clamam pelo fim da censura que a Europa impõe ao seu estudo. Ou as referências civilizacionais serão questões de somenos importância?...

"Circulem, circulem, não há nada para ver", não é verdade?...

Anónimo disse...

Todas as culturas colectivistas são perigosas, porque acabam por sacrificar algo de humano. Seja o comunismo, o nazismo, o fundamentalismo islâmico, o que está em causa é não reconhecer como supremo o valor do indíviduo.

Agregado a isso vem a falta de respeito pela liberdade de expressão e de escolha e o sacrifício fácil da pessoa (da vida da pessoa) a uma ideia, seja religiosa, seja ideológica.

A partir daí toda a barbárie é possível.

Rui Gago

Anónimo disse...

"Os autores do «AspirinaB», no domínio das relações humanas, andam perdidos e desamparados e escrevem num português lambido, tipo medievalismo serôdio e ilegível. O Blog está marcado pela ignorância, pela promiscuidade e pelos saneamentos de conveniência." - Quitéria Barbuda in "A Escumalha", Revista "Espírito", nº 24, 2006.

QUAES CUNQUE FINDIT

www.riapa.pt.to

JV disse...

O que faz falar DO é uma dor profunda num certo osso a meio do braço por ser a Civilização Ocidental sinónimo de nada menos do que Liberdade de Expressão, Igualdade, Justiça, Prosperidade, Futuro, e tudo isto mau grado (melhor digo: tudo isto graças) a queda soviética...
Aconselho Nívea.

HEINZ GUDERIAN disse...

Brilhante posta, é soberbo o que foi espresso. O sr.VPV acha que a civilização europeia sobreviverá á pressão demográfica islãmica das cidades europeias?

A. de Anónimo disse...

E não será a superioridade ocidental responsável por essa tal civilização "fanática, despótica e analfabeta"? Acho que quantificar o contributo que cada civilização deu para a liberdade, felicidade e outras coisas mais não se faz em três ou nove linhas...Lembro-me, de repente, que por exemplo a escrita não apareceu em Oxford ou em Coimbra...

Bem Haja!

josé disse...

Ora já se lê por aqui a retoma do tema do "fardo do homem branco"!
Esse é que é o eterno retorno...ás ideias feitas!

dorean paxorales disse...

Se só em Janeiro os governos sírio e iraniano se deixaram de negociações com a UE/Rússia/EUA/AIEA, já não é estranho reparar que os incêndios e manifestações não se deram há mais de quatro meses atrás, quando os bonecos foram publicados.
Civilizações? Bah.

Anónimo disse...

Eu ofereço as passagens para os anafaburros intelectuais do Aspirina irem para a palestina pregar contra o ocidente. Essa cambada de anormais de berço de ouro, que como dizia Sá Carneiro são Revolucionários de palavra Burgueses de acção´, deveriam cultivar o seu intelecto culturalmente superior, para junto dos fanáticos, também eles anormais, que tanto defendem. Vão para o Gabinete do haaMAS ou para as montanhas do Afeganistão para junto dos Taliban expressar a sua liberdade de pensamento. O Daniel Oliveira, como é possivel um pai daqueles, ter uma espécie de humano destas, começou por dizer como defesa que cá também não se representava deus nem se caricaturava Jesus. Como em vários blogs lhe atiraram à fucinheira "montes" 2Resmas" de exemplos que o conttradiziam o paspalho arranjou outros elementos. Peço desculpa pela linguagem mas depois de um dia a ver noticias blogs etc... e ver essa cambada de anormais a defender " a nossa idade média" a esta hora já só me apetece dizer asneiras.

António Figueira disse...

Sou capaz de subscrever, sem grandes problemas de consciência, a declaração de fé eurocêntrica do autor deste blogue: apesar de Auschwitz, e do massacre dos índios da América ou dos pretos do Congo, a civilização ocidental é responsável pela generalidade do progresso científico e técnico dos últimos séculos e deu-nos ninharias como o Estado de direito, o Estado laico, a igualdade homem-mulher, etc... que a tornam para sempre credora do meu respecto. Isto é um facto, e eu posso subscrevê-lo contra o meu colega de blogue Daniel Oliveira; mas isto é jurisprudência dos conceitos, não dos interesses e, como é sabido, no plano da prática política, que não da sua filosofia, o excesso de virtude está muita vez na origem das piores calamidades. Por isso não me parece descabido que o Ocidente, em nome dos seus superiores interesses, tal como fecha os olhos às violações (bem mais graves) dos direitos do Homem, digamos, na Arábia Saudita, faça agora uma pequena entorse e peça desculpa a quem as quiser. E isto não é relativismo moral: é apenas uma prudente separação entre política e retórica, ou entre política e moral.

douro disse...

Parece que o Vasco se inspirou no Berlusconi, que hà tempos atràs disse simplicidades destas. Excelentes companhias!

tina disse...

Ghandi, é como Mandela, é magia verdadeira. Quando os povos tentam entender-se. É o que conta.

Mário Figueiredo disse...

Não deixa de ser ignorante e totalmente desprovida de conteúdo histórico a sua presunção, sr. VPV, que a superioridade da civilização dita ocidental se deve ao seu contibuto para a felicidade e dominio do homem sobre a natureza.

Nem saberia por onde começar, Sr. VPV. O sentido que dá ao seu post é de total intransigência e de uma arrogância sem limites.

Por acaso conseguirá alguma vez compreender que as nossas (ocidentais) conquistas poderão pura e simplesmente ser irrelevantes para um muçulmano? Que para o Islão, a doutrina religiosa é também lei? Que nem por isso o muçulmano se sente menos feliz?

Acaso o Sr. VPV alguma vez viu um sorriso no rosto de um muçulmano?

E a tristeza e a dor agarrada à face de um ocidental para quem de repente a palavra liberdade deixou de fazer sentido quando o emprego se foi?

Um sentido de superioridade, seja ela racial, cultural ou sociológica, Sr. VPV, é o conceito mais racista e déspota que nos pode presentear. É um claro indício da sua personalidade e da pessoa que pretende ser. Num pais de liberdades como o nosso, fica pois então a minha acusação: O Sr. é um racista.

PS: Não confunda os fanáticos e os déspotas com toda a civilização islâmica. Também lhe fica-lhe mal.

Sílvia disse...

A influência da civilização oriental no Ocidente foi tão grande e tão intensa ao longo dos milénios que, às vezes, mais parece que este não passa de um subproduto do Oriente, armado em novo-rico.

Anónimo disse...

O que é que o dr. VPV faria se a dra. CCS fosse convidada para porta-voz de Cavaco Silva em Belém?Niet

MP-S disse...

A questao nao e' a de saber se o ocidente e' ou nao e' superior ao resto...

(eu gosto muito da nossa civilizacao ocidental, e nao tenho vontade nenhuma de a trocar por outra).

A questao sera' a de saber como poderemos cultivar as nossas virtudes e tornar as nossas sociedades mais justas. E como conseguir tornar a nossa postura perante o exterior consistente com os nossos valores mais nobres.

As nossas aliancas com as tiranias do Medio Oriente e da Asia Central descrebilizam a nossa mensagem civilizacional.

MP-S disse...

A questao nao e' a de saber se o ocidente e' ou nao e' superior ao resto...

(eu gosto muito da nossa civilizacao ocidental, e nao tenho vontade nenhuma de a trocar por outra).

A questao sera' a de saber como poderemos cultivar as nossas virtudes e tornar as nossas sociedades mais justas. E como conseguir tornar a nossa postura perante o exterior consistente com os nossos valores mais nobres.

As nossas aliancas com as tiranias do Medio Oriente e da Asia Central descrebilizam a nossa mensagem civilizacional.

tina disse...

"Por acaso conseguirá alguma vez compreender que as nossas (ocidentais) conquistas poderão pura e simplesmente ser irrelevantes para um muçulmano? Que para o Islão, a doutrina religiosa é também lei? Que nem por isso o muçulmano se sente menos feliz?" disse Mário figueredo.

Que mais ridículo se pode ser, por acaso faz alguma ideia de como se devem sentir as mulheres muçulmanas? Lembre-se então das conquistas de uma mulher ocidental. Ou isso nem sequer lhe passou pela cabeça?

Mª Lurdes Delgado disse...

Eu já ontem perguntava se isto era escrita automátca, como ninguém me ligou, hoje volto à carga?
Também repito apergunta desta tarde o Aspirina b é o orfão do Barnabé?
Quanto ao assunto dividi-lo-ia.
1º Quem assassinou Ghandi? Foram os facínoras ocidentais?
2ª Não falem de superioridade porque esta palavra ofende o politicamente correcto. Falem de progresso, de evolução, de um atraso civilizacional de cerca de duzentos anos, de que os desgraçados não têm culpa {aliás, convém logo acrescentar, que nós provocámos esse atraso} e verão como os rostos se distendem, as vozes amaciam...
Como dizia um caseiro que nós tínhamos: Menina, todo o burro come palha, a questão está em saber dá-la. Frase sábia nos tempos que correm

lavador disse...

ref anonimo 8.13 pm

É ISSO.

Estive agora aouvir a cachopa draga ou lá o que é...

Que chatice... a rapariga não sabe o que diz.

Esquece-se do Mandela e
compara Hamas com Anc.

Por essas e outras, é que o também "professor",
se esfumeceu.
Felizmente...,
deve continuar ainda "de baixa"

EUROLIBERAL disse...

A civilização ocidental é em larga medida (também)islâmica. Então no sul de Portugal...
De facto, a matriz greco-latina é nuclear na nossa civilização e essa foi-nos transmitida pela brilhante civilização árabe (e através de traduções árabes), a qual preencheu o vácuo civilizacional entre o crepúsculo romano e a alvorada do renascimento quinhentista... Ignorar isso, não é lá muito brilhante. E ingrato para os nossos passados do Al Andaluz, a única época da história em que a Ibéria foi o farol cultural do mundo... Vasco, você continua a desiludir-me. É muito feio cuspir no prato... isn't it ?

sniper disse...

VPV, bravo. Gostei.

tina disse...

O euroliberal está sempre a ir buscar história de hà mil e quinhentos anos atrás. Isso é então irrelevante com alguém ter comido costeletas ontem e iscas hoje. E nós estamos a falar de HOOOOOOOOOOOOOOOOOOOje!...

Anónimo disse...

"Dice Nietzsche que todo estaría permitido si Dios no existiese, y yo respondo que precisamente por causa y en nombre de Dios es por lo que se ha permitido y justificado todo, principalmente lo peor, principalmente lo más horrendo y cruel. Durante siglos, la Inquisición fue, también, como hoy los talibán, una organización terrorista dedicada a interpretar perversamente textos sagrados que deberían merecer el respeto de quien en ellos decía creer, un monstruoso connubio pactado entre la Religión y el Estado contra la libertad de conciencia y contra el más humano de los derechos: el derecho a decir no, el derecho a la herejía, el derecho a escoger otra cosa, que sólo eso es lo que la palabra herejía significa.", J. Saramago

Rui Gago

tina disse...

Agora vem este com Saramago. Ainda por cima em espanhol!... Como se não fosse bastante o sofrimento em português! Não aguento, vou ali e já venho.

Ahab disse...

Mais uma vez na mouche!

Mário Figueiredo disse...

Tina,

Não, não me esqueci. Tal como não me esqueci dos direitos das mulheres na civilização ocidental e o "bem" que isso lhes tem feito. Bem como dos direitos das mulheres judias e o "bem" que isso lhes tem feito.

A verdade é que nós Ocidentais não somos perfeitos. Sabemos isso. E certamente que o Islão está muitos passos atrás em questões como Direitos do Homem, o que o torna ainda menos perfeito aos nossos olhos. No entanto, questiono o nosso ataque constante à sua civilização, quando tudo, mas mesmo tudo, se resume a um punhado de criminosos.

Ou interessa esquecer as reacções dos lideres muçulmanos moderados? Os pedidos de desculpa quando a embaixada foi queimada? As detenções feitas pela policia na Arabia Saudita?

Ambos os lados falharam. Cheirou mal a ofensa gratuita e sem significado da publicação original dos cartoons. Cheirou mal a continuação da publicação dos mesmos por outros jornais. Tornou-se inaceitável (e aqui tenho de concordar) a reacção dos fundamentalistas islâmicos. Um bando de criminosos. Deviam ser todos presos, julgados, deportados alguns, condenados outros.

Mas também, cara Tina, começa a ser indisculpável a nossa posição a roçar já o racismo cultural. O Islão é muito mais que um punhado de fundamentalistas criminosos.

sniper disse...

A pergunta do Sr. Rui Tavares, é incompleta, tendenciosa e redutora. VPV, foi bondade sua em a considerar séria. Só lendo o texto do Sr. Rui Tavares através do link disponibilizado, é que se pode perceber na pleinitude. Quanto aos Gulags, ele teria que precisar quais, principalmente quando esses mesmos Gulags se confundem com Holocaustos, como foi o caso do Pol Pot no Cambodja, entre outros, menos conhecidos, mas não menos devastadores. O termo "superior" é desajustado e perigoso, mas para "grandes" perguntas, respostas simples. Não há civilizações superiores, há civilizações onde o grau de probabilidade de voltar a acontecer o mesmo, é muito mais remoto, por motivos que são óbvios. As sociedades que emergiram depois, perceberam as bestialidades cometidas, e blindaram as leis, e aperfeiçoaram a democracia para que tal não volte acontecer. Esta civilização é a ocidental, a outra, ou as outras, o grau de probabilidade de voltarem a acontecerem calamidades humanas e sociais é real, claro, e com todas as probabilidades de acontecer a todo o momento. 100% eminente. O que foi feito pelas "outras" civilizações, não é preciso ter um doutoramento no MIT, basta ligar a televisão.

tina disse...

Mário Figueiredo, nos incidentes dos cartoons tenho uma posição semelhante à sua.

josé disse...

Vasco Pulido Valente está a dar a atenção aos barnabés reciclados, numa discussão que já se efectuou por várias vezes, de há dois ou três anos para cá.

Primeiro no BLog de Esquerda. Depois no Barnabé.Agora no Aspirina.
Sempre a mesma retórica. Sempre os mesmos argumentos. Sempre a mesma tendência.

Discutir com quem nada aprende e nada esquece, desde há dezenas de anos( mesmo que alguns só sejam herdeiros do discurso), é pura perda de tempo.

Mas vale a pena tentar, para que não se diga que podemos ser também sectários e da discussão pode nascer alguma luz: a que incide sobre a inutilidade da discussão, por exemplo!

amok_she disse...

Para Mário Figueiredo:

...um obrigada pela sua pachorra em colocar aqui uma resposta à altura para um VPV q já não engana ninguém...talvez nem a ele mesmo...

...e mais outro obrigada por ainda se dar ao trabalho de tentar explicar alguma coisa a algumas mentes(zinhas)...eu já ñ tenho (mais) pachorra...

tina disse...

E Mário Figueiredo, escusa de pôr "bem" entre aspas. Vou-lhe explicar uma das primeiras vantagens das mulheres ocidentais em relação a muitas muçulmanas: não temos que levantar o véu a cada garfada que damos. Que alívio que deve ser, não acha?

tina disse...

Se eu fosse uma mulher muçulmana, já tinha estrangulado o meu marido com o véu. Tenho a certeza disso.

sniper disse...

Caro José,

Estou certo que não vai interpretar erradamente o que lhe vou perguntar, mas acha que hoje é saudável e seguro esquecer? Eu não esqueço. E o que aprendemos hoje, não é mais também para nos proteger? No meu caso é. O que aprendo hoje, é pouco visível no meu quotidiano.Não o pode ser. Em Portugal, torna-se angustiante saber alguma coisa. Basta olhar à volta. Estou certo que me compreendeu.

Ricardo Pinto disse...

Esta patética discussão sobre civilizaçóes parece o Opinião Pública da Sic Notícias em versão tabuleiro para jogar em casa!

Jose Sarney disse...

Imagine-se o VPV a dar "guarida" a uns prosaicos OPORTUNISTAS, que querem vir a ser os Pacheco's e os Durões, daqui por uns 10 anos, ou eventualmente, um qualquer Vital!

Fiquem com esta, a civilização OCIDENTAL que está felizmente centrada na parte Norte do continente Americano, não é tão frouxa, quanto os Chamberlain's europeus, ou os pseudo-intelectuais verdes, tipo Cohn Bendit!

O GOP e todo o sistema tecnológico - militar americano assegura a nossa Civilização. Aliás, como fizeram a partir de 1942 (ainda com um Dem, Franklin Roosevelt).

A força do Corão assenta no petróleo...nada mais. Mas, as nanotechs estão a aparecer e depois......puffff!

Mª Lurdes Delgado disse...

José,
Afinal sempre conhecia o pedigree. Já acabou o jogo do Porto e eu já tenho o Público. Amanhã papo dois no Velasquez.
Mudando de assunto, ao ler um comment anterior, de um interveniente {será este o termo?} só pensei na sorte que tinha em ter nascido lá bem no Norte, em Chaves, e, rumo ao sul, os meus pais terem parado no Porto, pois pelo andar da carruagem, no Algarve punham-me o voile, para respeitar os antepassados.

Mário Figueiredo disse...

Não posso deixar de concordar Tina. Algumas mulheres muçulmanas começam já a combater uma prática social que, inclusive, choca directamente com o Alcorão.

(No entanto as aspas ficam. E como mulher que é nesta nossa sociedade ocidental, tenho a certeza que não preciso de lhe explicar porquê).

Conseguirão um dia, estas mulheres, o que pretendem?

Claro que sim. Todas as sociedades evoluem. O Islão não é diferente das outras nesse aspecto. Por mim, cá estou para dar o meu magro apoio.

maria das dores disse...

Não deixa de ser curioso, a esquerda está mais próxima do discurso tolerante apaziguador da Igreja., sobre este assunto,ambos têm uma visão transversal sobre os acontecimentos.Uma visão histórica e sensata.

Anónimo disse...

Não, não temos que levantar o véu para comer.
Só temos que levantar a saia para a promoçãozita no emprego, não é Tina?
Entre dezenas de outras coisas imensamente civilizadas, não é Tina?
E sofre o Saramago em português por que diabo, Tina?
Alguem a obriga, criatura?
Quanto ao VPV, acho que pior do que ser arrogante, racista, presumido e por aí fora... é ser tudo isso bêbedo!
Saudações.

tina disse...

Anonymous acima, não vou discutir consigo que estou em casa respeitável. Mas veja lá se se compõe. Boa noite.

josé disse...

sniper:

Esquecer, nunca! Quem esquece, desaparece.
Talvez por isso, ainda valha a pena.
Mas estas discussões recorrentes, ainda não foram ao fundo da questão e não é neste espaço que tal poderá suceder facilmente.

Mas talvez me engane. Há anos que ando á espera de uma boa discussão que confronte os barnabés com as realidades escritas nos seus programas políticos e a realidade que se pode ver, sentir, ouvir e ler nos países concretos.
Confrontá-los com o regime político que defendem exactamente e com o sistema económico que defendem exactamente.
Essa discussão está por fazer, porque toda a gente acha que é supérflua.

Quanto a mim, é a única que se pode ter com essas pessoas.

josé disse...

Sempre gostaria de saber se 5% por cento das pessoas que votam, sabem porque o fizeram exactamente numa força política que defende ainda um comunismo romântico e indefinido.

Uma entrevista dada por Francisco Louçã, a Miguel Esteves Cardoso à Sábado por ocasião das últimas autárquicas é extremamente reveladora. E desde então, nicles! Nunca mais ninguém perguntou nada, a não ser o que pensa do regime da Segurança Social ou da privatização da Galp...

Mº Lurdes Delgado disse...

Ricardo Pinto,
Magnífica caracterização da maioria dos comments {os meus à cabeça}.Brilhante!

rb disse...

Quem diria, o VPP a estimular o debate com o DO. Vejam só que ele até já toma aspirinas. Para mim o post resvala para uma análise redutora e simplista inversa. É dificil julgar com isenção civilizações quando vemos os outros pelo nosso prisma. Só conhecendo a fundo como é viver como eles, os podemos verdadeiramente entender. E uma coisa é comparar o Ocidente com o Medio-Oriente do Islão, outra é compará-lo com o Oriente da China, da India e até do Japão. Para estes, concerteza, que o futuro lhes reserva algo a dizer.

danieloliveira disse...

Não me lembro de muitos assuntos mais discutidos nas últimas décadas como o papel da civilização ocidental para a liberdade e felicidade do homem. Mas se o nosso caro Vasco diz que não é discutível, cala-se já toda a gente.

Quanto ao papel do Ocidente no domínio do homem sobre a natureza, nem me aventuro muito. Poderia levar-nos ao debate sobre a sustentabilidade ambiental do planeta, assunto que Vasco Pulido Valente domina como ninguém, tal como todos os restantes.

Ainda assim, registo que VPV aguentou um parágrafo inteiro (o primeiro) sem chamar ignorante a ninguém. Faz mal em conter-se. Sabe que se perde este seu estilo, perde um das suas principais funções sociais: permitir aos imbecis um momento de arrogância por interposta pessoa. Veja lá se os deixa assim à solta, a ter que pensar pelas suas leves cabeças.

josé disse...

Já o tinha escrito: nada aprendem e nada esquecem. Nem sequer o tipo de retórica...caceteira e trauliteira qb.
Discussão inútil, portanto.

zazie disse...

Bom, "superioridades" à parte que na prática se afiguram óbvias o que se calhar também convinha saber é se este excessivo contacto traz nos nossos dias alguma mais valia a qualquer delas.
Tenho ideia que não. E creio que todo o intervencionismo prova-o.

zazie disse...

josé não é inútil porque funciona em várias direcções. E até é particularmente louvável este diálogo que nunca tinha havido na blogosfera. Desde o Pastilhas, pelo menos.

Pelo menos aqui não existe aquele mote tão engraçado: "O Espectro feito pelos seus leitores"

zazie disse...

Com o Daniel é inútil e o tom é esse porque a função propandística dele também é essa. Nesse ponto está bem no seu papel. Mas seria mais interessante que o Rui Tavares descesse ao povoado. Afinal o texto é dele e as responsabilidades teóricas também são outras.

josé disse...

Espero bem estar enganado, então...

Mas a discussão é antiga, recorrente, vai sempre parar aos mesmos sítios e estanca sempre nas mesmas paredes.

Pode ser que seja desta... quem sabe?!

Para não canibalizar espaço para tal, afasto-me por uns tempos...e fico a observar.

zazie disse...

eu não disse que não ia dar ao mesmo. Disse que se o for vai com maior responsabilidade. O Rui Tavares é historiador.

robin dos vascos disse...

O tempo manda sobre tudo: i.e., tudo o que estão para dizer é perfeitamente irrelevante.

Eu sei que o que estou a dizer é lixado e pouco cavalheiresco, e subestima a participação, mas é apenas uma interpolação de Wittgenstein.

Andamos todos a falar sobre ideias diferentes, e portanto, no fundo, não andamos a falar de facto.

Valeria a pena conversar num plano ideal, sem ideologias, num plano em que os factos tivessem o seu valor circunstancial, e as opiniões tendessem a aproximar-se do mesmo objectivo. Não parece que assim seja, porque muita gente opina com a pele e não com o osso.

(o osso dura mais que a pele)

(creio eu)

piscoiso disse...

A minha tia Efigénia anda a evitar vir comentar, com medo de ferir alguém.
Costuma opinar com um parafuso metálico que tem numa anca.

sniper disse...

José,

Conte comigo. Também eu ando à procura de uma boa discussão, sem clichés e complexos. Penso que o tema "médio oriente" nos anda a afastar de outros temas mais importantes, como os último(s) discurso(s) do Bush, a Venezuela...Faz-me lembrar a revolução de Cuba, dos barbudos, enquanto a europa estava muito entretida com os acontecimentos na ilha, a verdadeira revolução estava a dar-se na Califórnia; a revolução tecnológica que ainda hoje marca o nosso dia a dia. O Bush fez desafios decisivos aos americanos e ao mundo, quer se goste ao não dele. Atenção.

rb disse...

O DO disse que uma das principais funções sociais do VPV é " ...permitir aos imbecis um momento de arrogância por interposta pessoa. Veja lá se os deixa assim à solta, a ter que pensar pelas suas leves cabeças." Pelos vistos, também permite a ele (ao Daniel) o seu momento de arrogância imbecil através deste lamentável comentário. Pois é. O VPV dá-lhes trela e depois ouve destas ...

EUROLIBERAL disse...

O Espectro deixou de ser pró-americano para passar a ser pró-dinamarquês e pró-extrema-direita ?

As reacções ocidentais oficiais dos EUA, RU E FR:

"Sean McCormack, State Department spokesman in Washington: "Anti-Muslim images are as unacceptable as anti-Semitic images, as anti-Christian images or any other religious belief. But it is important that we also support the rights of individuals to express their freely held views."

"British Foreign Secretary Jack Straw: "The right of freedom of speech in all societies and all cultures has to be exercised responsibly and does not extend to an obligation to insult."

The French Foreign Minister Philippe Douste-Blazy: "Freedom of expression confers rights, it is true - it also imposes the duty of responsibility on those who are speaking out."

The nuanced approach to the competing rights of free speech and responsibility has led to criticism from right-wing and libertarian quarters in the West."

Teófilo M. disse...

Caro vpv,

mais uma vez enleio-me na sua prosa e desconfio que há alguma coisa que me está a escapar!

Diz v. que ...no caso Rui Tavares, pergunta se a civilização do Holocausto e do Gulag merece ser considerada "superior". A pergunta é séria e merece uma resposta séria..

Continuei a ler até ao fim o interessante e baralhado post e não consegui deparar com a resposta!!

Ter-se-á esquecido de a dar?

Cumprimentos

Teofilo M.

João Villalobos disse...

Não li o texto do Aspirina B nem isso é relevante. Mas o início e o fim deste poste têm entre si um salto quântico sem nexo.
Gandhi disse mesmo o que disse e, quanto a mim, continua a não passar de "uma ideia". VPV, no entanto, ainda identifica civilização com refeições de 3 pratos no Gambrinus.
Gandhi era um spin doctor avant la lettre? E o Dalai Lama é o quê? Assessor de Imprensa? Valha-me Deus...!

RS disse...

E em 2006, já imaginará?

:)

Anónimo disse...

Para uma perpectiva racional e bem informada sobre esta questão civilizacional, recomendo o incontornável "Spengler" do Asia Times:
http://www.atimes.com/atimes/Middle_East/HB07Ak02.html

E, já agora, algumas verdades dolorosas para a nossa querida Europa:
http://www.atimes.com/atimes/Middle_East/HB07Ak03.html

MD

Alexandra disse...

Mário Figueiredo said...
[...]
Por acaso conseguirá alguma vez compreender que as nossas (ocidentais) conquistas poderão pura e simplesmente ser irrelevantes para um muçulmano? Que para o Islão, a doutrina religiosa é também lei? Que nem por isso o muçulmano se sente menos feliz?

Bem, pressuponho que o facto de a emigração se dar num sentido e não no outro denote uma certa falsidade no que disse! Que eu saiba ninguém muda para onde é mais infeliz, mas isso sou eu!
E também a minha condição de mulher que gosta de ser dona da sua sexualidade e está mt feliz por ainda ter o seu clitoris agarrado ao resto do corpo me leva a achar que, superiores ou não, eu não trocava o meu querido ocidente por um país muçulmano que não soubesse separar o estado da religião!

Quanto à pessoa que diss que "Não, não temos que levantar o véu para comer. Só temos que levantar a saia para a promoçãozita no emprego, não é Tina?" Não sei em que tipo de profissão está mas o que eu faria era mudar de emprego! Mas isso sou eu!

Anónimo disse...

"não me parece discutível que a civilização ocidental contribuiu mais para a liberdade e felicidade do homem - e da mulher - e para o domínio do homem sobre a natureza do que qualquer outra civilização".

Certo! Mas também foi esta mesma "civilização" que mais roubou e aniquilou mesmo outras civilizações (Maias e Astecas,por exemplo).Foi esta civilização responsável por barbaridades como a escravatura. Caro VPV, esse teu discurso da superioridade da raça faz-me lembrar outras personagens mil vezes mais sanguinárias que os radicais islâmicos. Ou já esqueceste esse exemplar de "civilizado ocidental" que foi Hitler.

Nancy Brown disse...

é certo! porém esse ocidente de que fala também já viveu a sua "era" de "queima às bruxas". é tudo uma questão de evolução. os árabes também lá chegarão. provavelmente daqui a uns séculos.

Saloio disse...

Caro VPV: o senhor está-se a esqueçer que o RT pertence à equipa do outro "democrata", o Daniel Oliveira.

Por isso a conversa deles vai dar ao mesmo, não está a ver? E o senhor aí, a gastar o seu latim...