sábado, fevereiro 25, 2006

CARNAVAL


Ao contrário do Natal, que nunca consegui eliminar do meu calendário, só dou pelo Carnaval se ligar a televisão e vir um cortejo pindérico, a tiritar de frio, com biquinis e sambas, como se estivesse no Rio, debaixo de um imenso sol. Como não ligo a televisão, poupo-me a estas tristes exibições. Mas, hoje, com o tempo que está, talvez abra uma pequena excepção. Deve valer a pena ver os efeitos do mau tempo no nosso Carnaval que é, apesar do que se costuma dizer, uma das manifestações mais genuínas de Portugal.
ccs
(actualização)
Ler:
Francisco José Viegas, Há exactamente um ano, no Avis

31 comentários:

maloud disse...

A Drª Constança disse o que eu gostaria de dizer, se soubesse. Só não abro a excepção para a televisão, porque temo que o pindérico seja um vírus, mais mortal que H5N1 e se pegue.

Sílvia disse...

Esta imitação é demasiado kitsh e faz-me arrepiar...

zazie disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
zazie disse...

o carnaval de Torres é muito giro com aquelas marafonas em cima de tractores.
Quem não tem Orense contenta-se com a prata da casa ...

zazie disse...

agora deu-me uma pequena vontade de rir a imaginar vocês mascarados no corso de Torres mas não seriam os primeiros. Já consegui convencer uns amigos muito british a alinharem na história...

e foram de sapatinho e casaco e narigueta de palhaço que que eu lhes enfiei à força ":O)))

ibotter disse...

400ºCarnaval de Canas de Senhorim 100%Tuga!
As marchas do Rossio e do Paço transformam as ruas, dando-lhes um colorido e alegria verdadeiramente singulares. Cada bairro tenta superiorizar-se ao seu rival, em imaginação, alegria, ineditismo, música. As piadas e os carros alegóricos são sempre ricos de originalidade, e após calcorrearem as prin­cipais ruas da vila exibindo o seu Carnaval as duas marchas rivais encontram-se frente a frente no Largo do Rossio. Este momento, que há muito é conhecido nas redondezas pelo "adeus" constitui o prato forte do Carnaval sendo indescritível o que se passa a seguir. Paço e Rossio desdobram-se em entusiasmo e vibração. Uma marcha tenta sobrepôr-se à outra. É o delírio... Velhos, rapazes, mulheres e rapari­gas jogam a sua última cartada. É uma alegria incontida e contangiante. Os forasteiros, mesmo que o não pretendessem sentem-se envolvidos na luta. E partici­pam. E vivem. E chegam a tomar partido.

in Município de Cannas de Senhorym
http://municipiocds.blogspot.com/

zazie disse...

hehehe

que poste mais macaco que a Constança havia de se lembrar

ahahahah


Bom Carnaval!

o paciente inglês disse...

Em Sesimbra morou, durante muitos anos, um Carnaval original, com bailes cheios de fascínio, intriga, sedução, fantasia, ninguém tirava a máscara senão no fim dos bailes, alta madrugada, com o sol a romper.
Hoje, à imagem saloia e pimba deste país, os bailes deram lugar a escolas de samba, imitação lamentável do que se faz(a preceito)no Brasil.
Alguém terá de explicar a esta gente que nós não temos o clima, não temos o ritmo, a música em cada gesto, a graça nem o encanto natural dos brasileiros. Para quê insistir? É patético!

É um triste espectáculo o que vai ocorrer por este país fora, com as pobres sambistas desajeitadas e descascadas a tremer de frio. E, se calhar, de vergonha.
Mas pouco há a fazer quando o programa de candidatura da CDU em Sesimbra já prometia, com todas as letras, "Carnaval todo o ano". Não é brincadeira, é verdade.
Está (quase) tudo dito...

AL Mocreve Satânico disse...

Será que convidaram o Jorge Sampaio para ser o Rei do Carnaval de Canas de Senhorim?

maloud disse...

Acho que convidaram o Xanana. Afinal Canas de Senhorim é pior que Timor.

Estrangeiro disse...

Ai, Dona Constança, este compromisso do blogue anda-lhe a fazer mal. Então agora deu em moralista de costumes? As pessoas (sim, são pessoas!) juntam-se, organizam-se, trabalham para fazer um desfile de Carnaval, sabendo que vai estar frio e pode chover - como acontece com tantas outras actividades ao ar livre - e você acha que tem alguma coisa a dizer sobre esse aspecto? E a que propósito? Obrigam-na a ver? Está a tentar dar conselhos a alguém? Percebe do assunto, ao menos? Que maternalismo...

esgoto disse...

ai, meu pórtugau brázilêru...

JAJ disse...

" que é, apesar do que se costuma dizer, uma das manifestações mais genuínas de Portugal".


Ligar a Tv ou o carnaval?

pipilota disse...

Não é em canas de Senhorim que há a célebre 'dança do cu', por esta altura?

Velho disse...

Ah, ah, ah! Muito bem visto! :-)

Anónimo disse...

Então e o Carnaval da Madeira? O que será este ano sem a atracção do Sr.Presidente?
Ó meus senhores: então nós não temos aquelas miudas lindas, morenaças e as mães de Bragança? Nós somos os maiores - temos o de Mangualde, de Nelas, de C.de Senhorim, de Loures, de Cascais, de Torres e sei lá quantos haverá mais a norte... Haverá algum em Belém? e em S. Bento?
Ah! disseram-me agora que foi tudo para a NEVE. Vêm regeladinhos, coitaditos. A cada um o seu Carnaval de acordo com as necessidades.

sniper disse...

A CCS foi conservadora até na fotografia do post. De certeza que havia bem melhor nos arquivos. Só falta no enquadramento um GNR fardado a rigor a assistir.

Sílvia disse...

Mesmo com este sol de Fevereiro espreitando entre as núvens, continuo arrepiada com a feiura do espectáculo carnavalesco português. Será que não conseguimos fazer melhor?

maloud disse...

Claro que não, Sílvia. A civilização sempre nos chegou em caixotes e nós sempre tivemos dificuldades com a tradução. Aqui não é preciso traduzir, mas para quem faz muita questão, adaptar. Também somos incompetentes a adaptar.

Sílvia disse...

Haja esperança, Mª de Lurdes. O paquete a que Eça se referia não nos traz o conhecimento próprio de que tanto necessitamos.Mas, depois de uma auto-avaliação, quem sabe?
Pode ser que a escola pública, com uma nova sensibilidade, possa dizer a esta geração afinal quem somos na realidade, donde vimos e para onde vamos...

maloud disse...

A partir do 7ºano, a prole andou sempre na escola pública. Mesmo com o mais novo, cheio de turbulências, resisti sempre a metê-lo em colégio, onde compraria a tolerância à turbulência e, por arrasto, as notas. Quem fez a Fac fez a pública. O turbulento, agora muito mais calmo, estuda turismo {lembra-se do post do golf?}na pública. Penso que foi uma escolha acertada, mas porque cá em casa se sabe conjugar o presente do conjuntivo mesmo dos verbos irregulares. A escola para meninos a quem os pais pouco podem dar, porque ninguém pode dar o que não possui, tem que fazer um esforço brutal. Eu, há 3 anos, passei 4 semanas com um desses meninos e fiquei abismada.

Sílvia disse...

Sim, a escola tem que se actualizar constantemente e ser capaz de semear, mesmo em solos estéreis. Os cuidados do agricultor farão com que os frutos cresçam saudáveis e sejam, depois de maduros, úteis à sociedade.Com amor, tudo é possível...

maloud disse...

Eu admiro o seu esforço e a sua convicção. Mas a maioria dos professores não é assim, pois não?

Sílvia disse...

Eu acredito que a grande maioria dos profs. faz um esforço nesse sentido.

Sílvia disse...

Olhe,Mª de Lurdes, estou a tentar colocar uma foto minha no meu blogue..., mas está a ser difícil. Sou muito incompetente a lidar com esta máquina.

maloud disse...

Ó Sílvia tomara eu poder ajudá-la, mas já deve saber da minha incompetência . Para passar a azul pedi socorro no Espectro e houve montes de almas caridosas que me deram instrucções. Cá em casa não vale a pena, porque só me acham graça e ficam por aí.

Sílvia disse...

Então, já somos duas, Maloud (gosto deste nome!). Mas, eu vou azelhando por aqui até conseguir, ou eu não me chame Sílvia do Carmo. Obrigada.

maloud disse...

Grata pela actualização. Isto é mau demais, mas é verdade

Anónimo disse...

Não ligo a televisão.
Ganda mentireira.
Essa é velha.

Anónimo disse...

Mas será que alguém que tenha deixado aqui um comentário já desfilou num carnaval, ou pelo menos participou em alguma actividade relacionada com este ?

Obviamente quando era mais novo não desfilava no Carnaval, era apenas mais um espectador. Mas o Carnaval é bastante mais que o desfile em sí. Existe um convivio genuíno e saudável que infelizmente para muitas pessoas da metrópole é totalmente desconhecido.

Cumprimentos de um folião estarrejense

lavador disse...

oh folião estarrejense,

você teve azar.
eu gozei em novo e verifiquei que depois de novo, somos palhaços..., sempre.

Temos de aguentar as nossas carnavaladas e ...não é fácil.

mas... viva-as.
muitos anos.