sexta-feira, fevereiro 03, 2006

ANTIGAMENTE

Quando os padres saíam da Igreja para se casar, o António Alçada um dia disse: "Isto está tudo perdido. Só os padres é que acreditam no casamento".
vpv

14 comentários:

Mário de Oliveira disse...

Erro de avaliação. Eles tinham mais experiência e também não acreditavam.

Achavam que era ao menos necessário limitar as perdas. Não saíam directos para o extremo contrário.

De estratégia sabiam alguma coisa.

piscoiso disse...

Melhor será quando os padres sairem da Igreja para se casarem com homossexuais.

zazie disse...

e estava enganado. Nessa altura o politicamente correcto ainda não tinha aparecido para inventar atalhos para a mesma perdição

";O)

Anónimo disse...

“Se uma coisa tem força intrínseca, aguenta todas as críticas. Não é o caso dos muçulmanos e do seu bombista Maomé.” – Quitéria Barbuda in “Povos Primitivos”, Revista “Espírito”, nº 25, 2006.

QUAES CUNQUE FINDIT

www.riapa.pt.to

Anónimo disse...

-
-
Mas quem é que vai de vós ainda à Igreja?
-
Andam à procura de um bode expiatório?
-
Qualquer tema ou qualquer pessoa pode
ser alvo de troça, não é assim sr. VPV?
-
Muitos desses que fazem escárnio contra
tudo e contra todos, ficam
perplexos, quando eles próprios são alvo da mesma.
-
Onde estão os defensores da dignidade
humana agora?
-
-
A Galinha
-

Anónimo disse...

O seu artigo "Moral de uma história" tinha mais nível.

Lajla

alice disse...

...estes últimos acontecimentos fazem-me lembrar, não sei bem porquê, uma passagem de ' um deus passeando pela brisa da tarde' de Mário de Carvalho, quando Iunia Cantader ia com um grupo de cristãos maltrapilhos para a porta das termas gritar injúrias para os romanos e romanas que frequentavam os banhos públicos, seus imorais, a mostrarem os corpos!!nus!!

xatoo disse...

os padres e a OPUS DEI!
muito gostaria eu de saber a opinião de VPV sobre o grau académico do general Ramalho Eanes "tirado" na Universidade de Navarra,,,

Anónimo disse...

Mas, parece-me, que eles, os padres, têm que fazer com que acreditem. Já se acreditam ou não...

Coutinho Ribeiro disse...

ANTIGAMENTE seria assim. AGORA quem parece acreditar no casamento são os homossexuais. Que, quanto aos outros, engrossam cada dia a lista dos divórcios. Já não percebonada disto.

EUROLIBERAL disse...

PEQUENA LIÇÃO DE HISTÓRIA PARA SIONISTAS IGNORANTES,
ou de como a maioria dos judeus nem é semita nem nunca teve nada a ver com a Palestina...

Vocês precisam de uma profunda revisão da matéria histórica. O antigo Testamento ou Biblia judaica (especialmente os 5 primeiros livros, o Pentateuco) não é fonte histórica filedigna para ninguém... senão teríamos que aceitar o criacionismo e negar a teoria da evolução das espécies de Darwin... é um texto de fé e não de ciência, e de fé judaica, não cristã. A Biblia cristã é o novo Testamento, base da Nova Aliança. O antigo só por razões de tradição é que é citado pelos cristãos. Estes não podem aceitar que a terra de israel, do Nilo ao Eufrates, tenha sido dada ao "povo eleito" por Deus, porque para o cristianismo não há povos eleitos e Deus é universal (todos os povos são eleitos).
Os nomes não interessam. A realidade sim. O que alguns chamam judeus do tempo de Cristo ou mesmo de David, chamo eu, com mais rigor, palestinianos judeus. Para distinguir a religião praticada da etnicidade. Porque "judeu" não é povo é religião ou comunidade religiosa. Etnicamente, os palestinanos judeus do tempo de Cristo eram semitas tal como todos os povos do Médio Oriente. Falavam aramaico, a lingua franca da época, como todos os outros semitas. E a religião mudou, houve conversões em massa. Aliás Jesus e os apóstolos eram todos judeus (excepto Paulo de Tarso), iam à sinagoga e iniciaram um cisma que deu origem ao cristianismo. Com eles muitos palestinianos judeus fizeram o mesmo. Do séc. I ao séc VII todo o Médio Oriente e Norte de Africa era cristão (e ainda hoje 40% dos libaneses o são e 10% dos egípcios, etc.). E no séc. VII começaram a conversão em massa ao islamismo em todo esse espaço antes cristianizado (o que é um fenómeno habitual, a India outrora toda budista converteu-se ao hinduismo e ao islamismo, a Indonésia toda hindu converteu-se ao islamismo, etc.).
Se não houvesse conversões em massa de onde pensam que viriam tantos milhões de cristãos que encheram o Médio Oriente a partir do séc I ? De Roma ? Do céu ? JÁ LÁ ESTAVAM ! O mesmo se diga do fulgurante avanço do islamismo a partir do séc. VII: de onde viriam tantos milhões de muçulmanos ? De Meca ? Sabem que Meca era então uma aldeola com poucas centenas de nómadas ? Os muçulmanos da Palestina eram os palestinianos que já lá estavam e que se foram convertendo lentamente (durante as cruzadas, séc. XI, ainda a maioria dos habitantes de Jerusalém era de cristãos ortodoxos!). O cristianismo (2 biliões de crentes) e o islamismo (1,5 biliões) superaram históricamente o judaísmo (só 12 milhões), a primeira religião do Livro. Será isso uma razão para negar aos palestinianos cujos antepassados se converteram o direito de viver na sua terra de sempre ? Nonsense ! Deus não É NOTÁRIO E NÃO DISTRIBUI TERRAS, isso são teorias neo-nazis !
Já agora sabem que só 20/30% dos israelitas são semitas como os outros palestinianos e descendem de antepassados que habitaram na região ? São os sefarditas, que descendem de judeus que não se converteram ao cristianismo e que abandonaram a Palestina após violentas repressões romanas dos séc. I e II.
A maioria, os askkenazins, que são hoje os israelitas de primeira (os sefarditas são de 2ª e os falachas e outros de 3ª, a minoria árabe de 4ª...) não são semitas nem descendem de semitas. São oriundos de tribos do Cáucaso que se converteram no séc. VII ao judaísmo (Império Kahzar) e que depois por pressão das invasões mongóis, foram empurrados para a Europa de Leste e central (Rússia, Lituânia, Polónia, Alemanha, etc.). Muitos até são louros, nada têm a ver, mesmo longinquamente, com a Palestina !!! E querem estes tipos desalojar dessa terra que não é sua nem nunca foi, povos que aí habitam desde sempre ? O que é isto senão nazismo ? E os negros judeus falachas vindos da Etiópia e outros estados de Africa ? Também não são semitas. Converteram-se ao judaísmo em tempos imemoriais (Rainha do Sabá ?) e nunca habitaram na Palestina ! E os indianos judeus de pele castanha (ben ami) ? Logo, a propaganda sionista manipula a história e é tão mentirosa como Bush !

Os únicos direitos históricos à Palestina são dos palestinianos (muçulmanos, cristãos e judeus) que aí sempre habitaram em paz e concórdia. Nunca houve na Palestina e em todo o mundo muçulmano pogroms anti-judaicos. ISSO ERA NA CRISTANDADE ! E era para lá (Império Otomano) que fugiam 80% dos judeus perseguidos pela inquisição. O que os muçulmanos não poderão nunca tolerar é que uma minoria de terroristas com uma religão messiânica ultra-minoritária sequestrem os lugares santos e reservem para eles uma terra que não lhes pertence. O sangue vai correr e os novos cruzados sionistas serão aniquilados. E a Palestina voltará a ter paz e a pertencer a todas as religiões num quadro legal democrático, laico e multicultural !

EUROLIBERAL disse...

COMENTARIO CENSURADO PELO DEFENSOR DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO VPV...

O que contribuiu para a hostilidade ao ocidente foi a Nakba (catástrofe), o sequestro da Palestina por terroristas sionistas em 1948 para aí implantarem um regime fundamentalista (só para judeus), racista e apartheidesco, contrário à natureza da convivência inter-religiosa milenar da região. Não está em causa o facto de judeus terem emigrado para a Palestina, onde sempre existiu uma comunidade judaica minoritária, mas importante. Está em causa a imitação do modelo nazi (ou dos reis católicos) pelos sionistas, a criação de um fundamentalismo messiânico num espaço vital (Eretz Israel) através de massacres e limpezas étnicas dos Untermenschen ou marranos que aí viviam, os palestinianos muçulmanos e cristãos. O sionismo é um exclusivismo fundamentalista que rejeita o Outro, não um inclusivismo multi-cultural, marca da região e dos tempos modernos. É por isso ipso facto um crime contra a humanidade. E uma vez que o Ocidente (autor do Holocausto e com um tremendo complexo de culpa por via disso mesmo ) apoiou e a continua a apoiar esse crime, tanto mais que são TERCEIROS a pagar a factura do holocausto e não os autores deste, a oposição torna-se inevitável. A Palestina e Jerusalém serão libertadas, nem que isso custe milhões de vidas. Nenhum muçulmano duvida disso. Hoje a tensão é aumentada pelo terrorismo cruzado no Iraque, Afeganistão, Chechénia, etc. São os muçulmanos que são invadidos, ocupados, massacrados e roubados e não o contrário. É AÍ QUE ESTÁ A RAIZ DAS TENSÕES ACTUAIS, NÃO EM QUALQUER CHOQUE OU INCOMPATIBILIDADE DE CIVILIZAÇÕES...
Se os cruzados abandonarem as terras que ocupam o problema termina imediatamente. Senão, novos Alcáceres-Quibir virão...

maria disse...

Sem facciosismos ou racismos de qualquer espécie, que os não tenho e por mais respeito que tenha (e tenho) pelo que escreve e sabendo de antemão que o VPV não concordará com eles "lo más mínimo", considero os textos - que o são, mais do que posts ou postais, como costumam chamar-lhes - do "Euroliberal", esclarecedores, fascinantes e impecàvelmente descritos, porque bem documentados e consequentemente correctos. Se quisermos ser verdadeiramente honestos connosco e com os demais, teremos que os aceitar sem "parti-pris", embora cada um possa (e deva, sem contudo os negar) ter opinião diversa relativamente a estas "guerras religiosas" que se estão a travar neste momento, "aparentemente" originadas pelos celebérrimos "cartoons". Porém, este é um tema delicado e muito complicado que ficará, talvez, para outra altura que não esta.
Por agora só lhe quero dar os parabéns pela sua não exclusão do Blog, uma vez que eles só o vêm enriquecer e também dar-lhe os parabéns pelos seus próprios textos.

Maria.

Jojo disse...

Que pena o Alçada Baptista não escrever num blog!