quarta-feira, fevereiro 15, 2006

ANTES DA SAÚDE


O governo de Blair continua a suprimir a liberdade inglesa com um zelo beato. Anteontem, lá conseguiu o bilhete de identidade e a proibição total de fumar. O bilhete de identidade, em princípio, só se aplica a quem pedir o passaporte. Mas quem não pede o passaporte? A proibição de fumar, essa, é total, mesmo nos pubs que não servem comida e nos clubes privados, em que até hoje o Estado nunca se tinha atrevido a tocar. A Inglaterra excêntrica, singular e anárquica de antigamente, que foi uma alegria e um refúgio, está condenada.
O Ocidente que deixou de acreditar fosse no que fosse, acredita fervorosamente na saúde. Não se percebe este amor ao corpo. Um indivíduo que não fume, que não beba, que se obrigue disciplinadamente a uma dieta punitiva e faça exercício sem parar ganha o extraordinário privilégio de trabalhar muito mais, durante muito mais tempo. Ou, pior ainda, acaba por cair numa velhice patética e por morrer entubado e espicaçado e com médicos que o tratam como quem trata o problema de uma rã.
Não espanta que a esquerda goste deste exercício de melhoramento do homem. É repressivo e abre um belo e vasto campo à intolerância dos não-fumadores. Quando qualquer mentecapto pode perseguir um tabagista como um ente sub-humano, a populaça aprecia. Até Hitler era dado a esse desporto. Como dizia o outro, não tarda muito que ninguém se lembre como a vida era doce, antes da saúde se tornar a religião oficial.
vpv

63 comentários:

Rui Borges disse...

'Não se percebe este amor ao corpo.'
Que não tenha amor pelo seu está no seu pleno direito.
Mas permita-me que me preocupe com o meu.
Ah!...Como era doce a vida para os 10 milhões de mortos anuais causado pelo tabagismo...Ah!...
Declaro o meu total apoio a uma guerra preventiva contra os terroristas-tabagistas.
E eu sou um deles.

Manuel Campos disse...

'Não espanta que a esquerda goste deste exercício de melhoramento do homem'.
A esquerda? Um abuso, esse de denominar de esquerda o governo do Sr. Blair. Como fumador e diariamente perseguido ao ponto de, compulsivamente, fumar fora do meu espaço de trabalho, reconheço que os puristas da saúde pública são tão furiosamente antitabágicos, como omissos à condenação fervorosa da emissão de poluentes para a atmosfera. Este sentimento de intolerância para com o fumo do cigarro (e sublinho isto) há-de acabar um dia por converter em intratáveis quaisquer comportamentos desviantes do 'politicamente correcto'. Até lá, que se lixe: continuo a fumar deslmadamente e a não me privar do prazer de fumar um cigarro. Aliás, depois deste comentário, é o que vou fazer!!!

AAR disse...

Já há algum tempo que somos perseguidos.
Uma noite destas, depois do jantar e porque há muito que não se pode fumar no bar do college, vim para o pátio enregelar e dar satisfação ao vício. Eis quando passa um fellow na companhia dos seus dois infantes. Berrando para um deles, pobre inconsciente do perigo que corria ao aproximar-se de mim, diz: ''Jack!: don't SMELL the burning!!''.
Confesso que tive vontade enorme de lhe aplicar um correctivo mas, porque não tenho esse hábito e porque acredito que não se deve espancar os outros em frente dos seus filhos, contive o impulso.

piscoiso disse...

Ouvi a Ministra da Saúde Britânica dizer que era como a obrigatoriedade do cinto de segurança.
Mas ninguém é obrigado a usar o cinto de segurança fora do carro.

Rui Borges disse...

Retratos de quando a vida era doce...

http://www.ash.org.uk/html/factsheets/html/fact04.html

http://images.google.pt/images?svnum=10&hl=pt-PT&lr=&q=smoking%20cancer&sa=N&tab=wi

Unreconstructed disse...

Não chateie a esquerda - ou V. acha que nos E.U.A. é o comunismo internacional que anda à cata dos fumadores? Eu sei que V. é de uma história que pertence às "letras" e não às "ciências sociais", mas talvez não seja pedir muito que veja o mundo com um bocadinho mais de racionalidade.

Mário Figueiredo disse...

O alcool ceifa mais vidas directa e indirectamente que a guerra e o tabaco juntos. (Curiosamente não conheço nenhum caso devidamente documentado em que alguém tenha morrido ou sido seriamente lesado na sua saúde por ser fumador passivo). Entretanto permite-se até beber dentro de aviões.

O anti-tabagismo é relativamente recente. 15 anos, talves? Provém de uma campanha que se permitiu profundamente ofensiva, por vezes mesmo a roçar o insuportável. Por cá, quem não se lembra da máxima "Beijar uma pessoa que fuma é como lamber um cinzeiro"?

Felizmente que ainda não chegámos a algumas das práticas mais dúbias que outros países oferecem. Compre-se cigarros no Canadá e arrisca-se a ver, entre outros mimos, uma fotografia TrueColor a ocupar 75% da face do maço com uns dentes de tal forma detiorados, que se o tabaco realmente provocasse aquilo, 50% da população mundial comia por uma palinha.

Mas é assim. O tabaco é a maior praga após os terroristas islâmicos. O alcool não. Esse até é giro e faz bem à saúde de quem bebe e de quem morr...

Pedro resende disse...

Dr. Pulido Valente

Os fumadores têm tanto direito de fumar, como qualquer cidadão tem o direito de ouvir música alto, de cheirar mal, de soltar palavrões de urinar ou de se embebedar.

Desde que o façam sem incomodar, ou prejudicar os demais.

A diferença é que, de todos os exemplos enumerados, apenas no fumar, o incomodar ou prejudicar os outros é tido um direito adquirido. Quem fuma e incomoda, indigna-se por lhe subtraírem um direito. Porque acha que o tem. Quem se senta no restaurante, ao lado da mesa em que o senhor fuma, e abre as goelas ao rádio impedindo-o de falar em paz, fá-lo sabendo de antemão que não tem o direito de o fazer.

O fumador não: enche a sala de fumo, incomoda e acha que tem todo o direito de o fazer.

O seu comentário é muito estúpido. Nem parece seu.

Pedro Resende

ps: sou fumador.

Unreconstructed disse...

Mário Figueiredo: É que não há alcoolismo passivo...

piscoiso disse...

Se cheirasse o hálito da minha tia Pulquéria, mudava de opinião.

primo Sousa disse...

Médico:
- Ora diga-me lá o que aqui o trouxe!?
Paciente:
- Sabe, sr. douto, quero viver até aos 100...
Médico:
- Muito bem... e tem feito por isso? O sr. fuma?
Paciente:
- Não!!!!
Médico:
Bebe?!!!
Paciente:
- Não, só um portinho no Natal...
Médico:
- E comer, gosta de uma boas fainadas???!!
Paciente:
- Credo sr. doutor, e a tensão, e o colesterorl como era depois... tenho muito cuidado, sr. doutor...
Médico:
- Olhe lá, e... como dizer... sexo, com muita frequência ou...
Paciente:
- Hmmm... ó sr. doutor, isso são coisas minhas, mas posso-lhe dizer que não mais que duas a três vezes por mês... esforça muito o coração... sabe como é...!
Médico:
- Pois, estou a ver... mas, olhe lá... para que porra quer você viver até aos 100 anos!!!??

A anedota é velha, sei... mas vale sempre a pena recordar...

Anónimo disse...

Desde que deixei de fumar, de beber bebidas brancas ou tintas, comer carne e derivados de animais, icluindo ovos e leite, vestir roupas de lã, cobrir-me com edredons de penas, calçar sapatos de pele, andar de carro, ejecular ou praticar sexo sem motivo aparente que o justifique, sinto-me muito melhor. Creio, até, que vou morrer saudável.

xatoo disse...

Não fumo, mas abro uma excepção com aquelas coisas artesanais quando vou a Cuba.
Tenho sempre um bafo de fumo guardado para amandar às trombas dos imperialistas. Cadê eles?

aar disse...

Unreconstructed said...
''Não chateie a esquerda - ou V. acha que nos E.U.A. é o comunismo internacional que anda à cata dos fumadores?''

Nem mais.

Mário Figueiredo disse...

"Mário Figueiredo: É que não há alcoolismo passivo..."

Caro Unreconstruted,

Pensará de forma diferente ao falar com um qualquer familiar de uma qualquer vítima de, por exemplo, atropelamento por um condutor embriagado.

Pensará também de forma diferente ao falar com uma qualquer familia que experimente a violência diária de um seu membro alcoólico.

Apenas para citar dois exemplos.

Unreconstructed disse...

Caro Mário Figueiredo: Você marcou um ponto, admito; obviamente, a violência doméstica é um horror escondido, com dezenas de milhares de vítimas, que o álcool ajuda, e a condução sob influência do dito faz milhares de vítimas também; simplesmente, o nexo de causalidade não é o mesmo; repare: se V. estiver a fumar ao meu lado no meu local de trabalho, não há maneira de eu evitar o seu fumo, mas se eu estiver a beber um copo ao seu lado - a menos que o meu hálito fosse como o da tia do outro senhor - eu não incomodo mais do que a sua (espero que inexistente) sanha moral. Pode dizer-me: mas quanto ao efeito SOCIAL do álcool, o que fazer? Aí, uma de duas: ou se parte do princípio de que somos adultos, tendencialmemte razoáveis e responsáveis, ou se criam sociedades para bebés do tamanho de adultos, como na Escandinávia. E sinceramente, em matéria de hábitos alcoólicos, não me parece que tenhamos muitas lições a receber da malta do vodka belt...

O.de guimarães disse...

Há aquela piadinha que diz: eu não fumo, não bebo, não como fritos...veja lá: os meus filhos até foram adoptados!

Anónimo disse...

A democracia laica é assim. Tem um lado moral.

José Ferreira disse...

Não estou de acordo.
Como já se apercebeu, o ar em Lisboa está muito mais respirável, muito mais puro.
Desde que os autocarros e os táxis passaram a andar a biodísel e os carros a diesel foram banidos, e os carros a gasolina passaram só a consumir gasolina 95 / 98 temos quase (não exegeremos), o parque de Monsanto, à porta de nossa casa.
Com cheiro a cavalos e outros animais, a terra fresca e cheirosa, ar de província, o jardim do Campo Grande, do Campo Pequeno, etc.
Os jardins prometidos pelo Santana, as piscinas, e as pistas de manutenção física prometidas para todas as freguesias.
Que diabo.....
Tabaco ????
Vade retro.
Apesar de ter todo este equipamento ao meu dispor (??) continuo a fumar dois maços por dia, normalmente em tertúlias de mal dizer, acompanhada de um whiskyzito, normalmente mais.
Se me prometerem que eu vivo mais vinte anos se eu deixar este vida de badalhoco, não quero.

Ciro disse...

Quero é Pulido Valente e D. Constança a perorarem sobre a apreensão dos seus computadores...

Mª Lurdes Delgado disse...

Dr. Vasco Pulido Valente,
A Irlanda tem um governo de esquerda? e a Itália? e os EUA? Pois é a Espanha tem, mas a lei lá, e eu vivi in loco os primeiros dias da entrada em vigor, dá-nos espaço, a nós fumadores, para fumarmos, sem incomodar os que não devem, ou não querem ser incomodados. Eu só fumo dois maços por dia e nunca me senti constrangida!

Ricardo disse...

VPV,

Compreendo o sentido deste texto mas nunca assisti, da sua parte, a um ataque à lei actual. A nova lei que Blair aprovou é "repressivo[a] e abre um belo e vasto campo à intolerância dos não-fumadores" e eu concordo que assim é. Mas a situação actual é também repressiva, só que ao contrário. Quem quer ter "este amor ao corpo" também está no seu pleno direito. Mas desde que não saia de casa porque em quase todos os locais é obrigado a ser fumador passivo.

Vai a um restaurante e poucos são os que têm área reservada, não pode ir a nenhum bar ou discoteca, e por aí fora. Por isso o que eu gostava de ver aplicado era um sistema misto que permita que hajam áreas para fumadores e não fumadores.

Quem critica esta nova lei com estes argumentos tem que criticar a antiga pelos mesmos argumentos.

Anónimo disse...

Fumar faz mal, não me obriguem a fumar. Só peço isto.

Pedro Botelho disse...

Muito pior do que isso, VPV!

Passou hoje de novo, nos Comuns -- depois de uma primeira rejeição nos Lordes -- e passará portanto, mais tarde ou mais cedo, em ambas as casas, a cláusula da "Glorification of Terrorism", que convém recordar em que consiste, através do excelente artigo do Simon Jenkins que indico mais abaixo, onde se pode ler: "I am told that this astonishing bill was cobbled together not by Clarke or the lord chancellor, Charles Falconer, who were both away at the time. The author was a No 10 wonk who was trying to think up '12 points' to put in Blair's holiday press conference pack on August 5."

Ao menos os franceses ainda lhe deram nome: chama-se Lei Fabius-Gayssot (ou, em medíocre latim, Lex Faurissonia, dada a sua finalidade), e é bastante mais directa que a pérfida lei albiónica. Em Inglaterra, parece que entra na História apenas como a No. 10 Wonk's Law, um puro exercício de algum ghost writer anónimo que tinha de preencher folhas brancas à sua frente com sugestões sem importância nem consequências...

E ai daqueles que sugerirem a presenca da maõzinha invisível! É que parece que não foi o Adam Smith que teve que ver com este estranho caso de bloqueio de escrita que, uma vez vencido, vai redundar em lei. Está-se mesmo a ver no que vai dar a História do Mundo Revelada ao Governo -- depois de aprovada pelo colectivo dos Sem-Nome, é claro...

Ora leia agora, se não deu pelo artigo na altura (meu sublinhado):

*********
This is an act of censorship worthy of Joseph Goebbels
The plan to draw up a list of historical events that people can be prosecuted for celebrating is a sign of a leader losing his grip
Simon Jenkins

At last history hits pay dirt. For years it was pap for television. The nation's rulers needed scientists for guns, linguists for trade and economists for mistakes. History was for nuts and numismatists. Now up pops Charles Clarke jingling bags of gold. The home secretary has promised the prime minister that he will lock away for five years anyone who "glorifies, exalts or celebrates" a terrorist act committed in the past 20 years. He does not care if glorification was not meant. If someone, somewhere takes anything that I say or write as encouraging to terror, even if they do not act on it, I have committed a criminal act. Nor is this all. Lest any crackpot thinks he can dance up and down any old high street praising Hitler, Mao or Uncle Joe as outside the 20-year limit, Clarke is preparing a list of earlier terrorist acts that also render their celebrants criminals. After "listed" historic buildings we have "listed" historic terrorisms. To the glorious chronicles of our island race, Clarke is to append an open-ended catalogue of listed events. [...]
Link
*********

Fodavone disse...

Um dos males mais tenebrosos da nossa época é a forma como o senso-comum se atafulha de informação politicamente correcta ao ponto abafar a única virtude humana: o humor.

Vai daí um homem (ou uma mulher) diz "mata" e toda a gente (normalmente, os homens ou as mulheres mais patetas) são incapaz de dizer "esfola".

Daqui a proibir-se socialmente quase tudo é um passo, que pode ser acelerado se aparecer num anúncio de telemóveis.

Mr. Shankly disse...

"Ou, pior ainda, acaba por cair numa velhice patética e por morrer entubado e espicaçado e com médicos que o tratam como quem trata o problema de uma rã"
E ainda:
"É repressivo e abre um belo e vasto campo à intolerância dos não-fumadores. Quando qualquer mentecapto pode perseguir um tabagista como um ente sub-humano, a populaça aprecia. Até Hitler era dado a esse desporto"

Magnífico exercício de demagogia! Nem a referência diabólica a Hitler faltou!
Fique sabendo que a probabilidade de viver através de um tubinho é igual para fumadores e não fumadores. Simplesmente varia a idade em que isso ocorre. Fique sabendo também que nem toda a populaça aprecia semelhante perseguição.

rb disse...

Eu fumo, mas muito pouco, e concordo com a proibição de fumar em determinados locais, nomeadamente, em restaurantes e cafés, desde que se criem espaços para fumadores. É que de facto andarmos a perseguir os fumadores sem primeiro cuidarmos da poluição planetária não me parece sensato. Mas os fumadores que se cuidem pois cá para mim o Sócrates tem essa na manga. É só uma questão de tempo.

Anónimo disse...

Legislar nesta matéria faz-me sentido. Isto porque a liberdade de fumar interfere na liberdade do que não fuma.
Além disso, não percebo porque se fala tanto em direito a fumar se o objectivo é salvar vidas. Para ser totalmente coerente, vpv, teria de ser a favor de drogas pesadas e leves, etc etc... deduzo que seja esse o caso. (dito sem qquer ponta de acusação, apenas é uma pergunta para "testar" a sua coerência)

Hugo
http://jamsession.blogs.sapo.pt

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro Atento,
Você agora adivinha-me os pensamentos?
Cordialmente

Antonio disse...

Todos somos fanáticos de alguma coisa!
Se não acreditarmos em qualquer coisa (ou pessoa) não passamos de uns relativistas perdidos e desesperados.

O corpo, um ideal, um vicio, qualquer coisa. vai dar mais ou menos ao mesmo.

Parece-me qu e. no fundo aquilo em qu emai sacreditamos é no $$$$$$$!

E parece-me que a base destas proibições crescentes em estados onde se defende, ao mesmo tempo uma (pseudo) liberdade , de forma ainda mais fanatica, não é outr aqu enão o $!

O custo nas despsas de saude e produtividade são tão altos que não há volta a dar-lhe!

Estou a favor de restringir os blogs!!!! perdemos nisto demasiado tempo útil!

Veliberalino disse...

Esta polémica dos fumadores versus não fumadores até parece a polémica dos muçulmanos versus cristãos.
Vai durar até à eternidade.
Está no Livro...

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro Veliberalino,
Olhe que não! Em dois tempos, nós, os fumadores, seremos linchados na praça pública. Tenho a sensação, que, na cabeça de muitos, fervilham grandiosos autos de fé. Ainda bem, que eu vivo aqui no Porto, que, julgo eu, não tem grandes pergaminhos, nesta arte pirotécnica.

Anónimo disse...

Creio que em Portugal os fumadores podem dormir descansados por duas razões: O Estado não vai abrir mão de os explorar e os anos de vida que vocês perdem, dá muito jeito às caixas que lhes pagam, ou lhes vão pagar as reformas. Assim mesmo. Pura racionalidade.

e-kanoklasta disse...

Tanto o artigo como os comentários, partem em densas colunas de fumo. Perdi o meu tempo...

cbs disse...

"morrer entubado e espicaçado e com médicos que o tratam como quem trata o problema de uma rã"

Valha-nos a Senhora da Saúde :)

RC disse...

Este texto é muito triste. O tabaco é responsável por imensas doenças. Houve para aqui um iluminado que disse que nunca tinha conhecido um fumador passivo que tivesse morrido por causa do tabaco. Pois eu digo-lhe ainda bem para si! Pois eu conheço e não tiveram mortes nada bonitas!

Até parece que estas leis são criadas de ânimo leve. Ouve-se logo os fumadores (uma parte que outros têm uma consciência colectiva e não olham só para seu umbigo!) falar dos seus direitos, como se um não fumador não tivesse direitos!

esgoto disse...

enquanto na GB se preocupam com o tabaco em Portugal preocupam-se com os jornalistas e fazem buscas a uma redacção de um jornal! Ninguém diz nada? Foram apanhados de surpresa? Também eu!
Desde 74 que isto não acontecia...A partir de agora só falta que me apareçam com um mandato qualquer e me levem a mim e ao pc...

unreconstructed disse...

Sorte da Sr.ª D. M.ª Lurdes Delgado: o Porto é mais dado à forca!

André de Menezes Marques disse...

Brilhante post.

Mario Figueiredo disse...

"Houve para aqui um iluminado[...]"

Fui eu.

Já agora lançva-lhe o desafio: Quem, quando, em que circunstâncias.

Para não se cansar, digo-lhe apenas o seguinte.

Sou a favor de não fumar em lugares públicos. No entanto acredito ser este um dever de cidadania e não algo que me deva ser imposto pelo meu estado na forma de leis. Muito menos me deve ser imposto através de campanhas publicitárias ofensivas e de teor segregacionista.

Sabe, sou liberal. E ser-se liberal implica também ser-se responsável perante o que deveriam ser os meus deveres como cidadão verdadeiramente livre. De outra forma seria anárquico. Portanto volto a dizer, não fumo, nem defendo que se fume em lugares públicos.

Mas se quiser ser dono de um restaurante ou um bar onde as pessoas que o frequentam podem fumar livremente, pois então meu caro amigo, para o raio com os não fumadores!

Obrigado.

Anónimo disse...

Excelente post, excelente imagem. o vasco começa a divertir-se.

Glenfiddich

rb disse...

Concordo com o Hugo (anónimo das 6.54), pela ordem de ideias de VPV, porque é que o Estado não nos dá a liberdade de nos drogarmos à vontade, seja a droga qual for?...

Ricardo Alves disse...

Pior ainda, há países em que é proibido fumar nas enfermarias onde estão recém-nascidos. Mais fascista do que isto não é possível.

Mª Lurdes Delgado disse...

Estou encantada! Espera-me a corda.

OBS disse...

Deixei de fumar há dois anos mas concordo em absoluto com o texto de VPV.

Há um novo absolutismo, uma nova ditadura, uma nova religião.

Ataca em duas frentes, na saúde (culto do corpo e saude perfeita) e no esoterismo de pacotilha de laivos orientais, de expoente máximo no Paulo Coelho e o telejornal da tvi.

basta ver os anúncios da tv ou a Xis para perceber o que é isto.

No fundo, a morte tornou-se uma neurose tremenda, representa o falhanço da ciência ou do próprio indivíduo. Antes tinha cancro e morria, agora a culpa é dele, devia ter comido mais salada, menos sal e deixado de fumar.

Eu deixei de fumar e quase deixava de beber também, porque comecei a ganhar barriga mas... nah.

O que não obsta a que se tente deixar de fumar que é, efectivamente, um vício que cria a ilusão de prazer pois ele próprio cria a necessidade. Recomendo, mesmo ao VPV. Quem sabe se as suas crónicas não mudariam de tom e se aproximariam das da Laurinda Alves?


hmm... pensando melhor... fume lá homem, fume...

obs disse...

aliás, alguns comentários aqui dão-me saudades do tempo em que podia soprar uma bela baforada de fumo nas trombas de um keneth star do tabaco agarrado a um compal light e uma sandes de queijo, com ar enjoado e zangado...

AM disse...

Por insistência do Sr. Arqº Pulido Valente, decidi recorrer aos serviços da empresa que tinha conseguido que, no mesmo dia, sem quaisquer químicos, agulhas ou outro qualquer tratamento, a sua esposa e um seu desenhador tivessem deixado de fumar.
O mesmo se passou comigo.
Depois de 35 anos a fumar para cima de dois maços de cigarros por dia, vai fazer um ano, em Maio, que fumei o que espero tenha sido o último cigarro da minha vida.
Consegui deixar de fumar antes da minha filha aprender a falar e isso, para mim, era extremamente importante.
Nunca serei capaz de agradecer ao Arq. Pulido Valente de forma suficiente a sua insistência e o bem que isso me fez.
Claro que acho que o estado não pode condicionar o uso do tabaco, quando tem aí uma tão grande fonte de receita.
Hipocrisia, cinismo ou apenas realismo????
Venha o diabo e escolha.
Agora se eu estiver num local público fechado(ainda por cima se a minha filha estiver comigo)e o casal VPV/CCS estiverem a incomodar-me(nos) e a prejudicar a minha saúde e a da minha filha, apenas por egoismo e falta de educação, (seja fumando, seja ultrapassando um certo volume aceitável de som, seja emitindo outros gases igualmente incomodativos) aí vou ter que lhes dar uma palavrinha, claro que vou.

Afinal trata-se apenas de algo tão simples como RESPEITO.

AMNM

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro Hugo,
Não sei o que pensa VPV, deste assunto, mas eu sou totalmente a favor da despenalização e descriminalização do consumo de todas as drogas. É uma doença reconhecida pela OMS e parece-me que a melhor forma de a tratar é nos hospitais e não nos tribunais.
Para que fique claro eu fumo cigarros {serão uma droga?}, mas não me charro, não snifo, nem procuro a veia e quanto às pastilhinhas das discotecas, há muitos anos que deixei de frequentar as ditas, não por causa das pastilhinhas, mas pela preservação da audição.
Cordialmente

Teófilo M. disse...

Caro vpv,

não sei se é da idade, mas que as suas ideias começam a baralhar-se, é um facto.

Então é a esquerda que gosta deste exercício de melhoramento do homem?!

Será que o nosso Decimus Juvenalis seria de esquerda quando nos falou da mens sana in corpore sano, ou a defesa do exercício físico é um conceito a que a direita se opõe?

Que você se oponha aos fundamentalismos anti-tabágicos, ainda vá, agora que culpe a esquerda dos mesmos, ou é casmurrice ou vontade de dizer mal.

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro Amnm,
Como eu não conheço o Arq. Pulido Valente, eu sei que ele cá do burgo, mas eu vivo muito retirada, agradecia que divulgasse, quem faz esse milagre. Para ser sincera, a saúde preocupa-me pouco, detestaria morrer a vender saúde. O que realmente me preocupa, são os euros, a trabalheira de, com frequência, ter o pintor cá em casa, a tratar dos tectos, e o receio de ser obrigada a abandonar o Velasquez e os restaurantes de que gosto. Por outro lado, cada vez tenho mais dificuldade em alugar casa na Provença, pois de ano para ano multiplicam-se os avisos de Non Fumeur.
Esse milagre teria obviamente de incluir o não engordar, pois eu vi o que se passou aqui, com o cônjuge, que deixou de fumar há onze anos. É que além de preferir morrer doente, faço questão de morrer magra, sendo um bom garfo.
Cordialmente.

Ricardo Alves disse...

Eu cá na minha acho que as políticas estatais face ao tabaco deveriam ser semelhantes às que se têm face à heroína. Com diferenças de grau.

Ricardo Alves disse...

E agora vão chamar-me «politicamente correcto». Que horror!

o mestre disse...

Caro FODAVONE 6.29 PM,

Sem querer beliscar a sua liberdade de expressão, não acha que o mau gosto pode ser tão incómodo como uma baforada de fumo ou uma descarga de bagaço?
É que nem sequer é original...

Ricardo Alves disse...

Então e as salas de operações dos hospitais? O paciente de barriga aberta, os médicos e enfermeiras debaixo de grande tensão... e nem sequer os deixam fumar um cigarrito!!!
Isto já nem é fascismo, é muito pior: é a «ditadura do politicamente correcto»!

AM disse...

Cara Maria de Lurdes

(Nunca fiando, deixe-me dizer que, obviamente não tenho qualquer interesse económico ou de outro tipo, nesta actividade)

"Ria Slof Monteiro
EASYWAY
CENTRO DE ATENDIMENTO DO PORTO
Edifício Gonçalves Zarco
Rua Gonçalves Zarco 1129, entrada B - Tlf - 22 9958698
(Em frente á Exponor)"

Apenas posso dizer, comigo resultou e, francamente, é mesmo muito bom deixar de fumar :-)

AMNM
(se precisar de mais informações pode usar o meu endereço de e-mail disponível no meu "blog" e "perfil")

OBS disse...

E pronto... sem comentários...

Filipe disse...

Ja vi que a discussao vai animada.

Desde logo afirmo.
Sou fumador.
Defendo o direito de quem nao fuma e nao quer levar com o bafo dos outros.
E possivel concliar os dois pontos anteriores.

Concordo que se proiba de fumar em alguns locais, mas nao concordo com proibicoes totais, entao porque nao nos apoiarmos na informacao, para clientes, como para trabalhadores. Desde que bem afixado em locais publicos de lazer, como restaurantes, pubs, qual e o problema? Se um nao fumador vir que e um local onde e permitido fumar do que tem de se queixar? E que faz um fumador num local onde e proibido? Nao fuma. Se a informacao for bem visivel cada um sabe ao que vai, o que tem de suportar, ou de se restringir! Acredito no fundo da minha alma que este e um atentado aos meus direitos individuais, e que pode ter deslizes bastantes perigosos!

O facto de viver no Reino Unido faz com que esta noticia me deixe completamente revoltado. Entao ja nao posso fumar um cigarro enquanto bebo uma bejeca? Desde que existam bares onde seja proibido fumar para que os nao fumadores possam tomar a sua bebida sem ter que levar com o fumo dos outros!

Nao gostam os nao fumadores de comer sem ter alguem ao seu lado a fumar? Pois bem, tambem eu fico mal-disposto quando tenho uma bela refeicao, com uma bela pinga, e quando vou puxar do meu cigarrito e saime um daqueles "duques" a dizer, nao se importa de apagar o cigarrito?!?!

Sinceramente e possivel conciliar as duass formas de estar, desde que uns nao se imponham aos outros.

Mas o que se passa agora e que a liberdade de uns interfere com as dos outros, remetendo os fumadores para casa. Nao, nao vai acontecer, o que se vai passar (aposto o meu rendimento de um ano com quem quiser) e que no medio prazo vao aparecer aqui bares ilegais onde e permitido fumar, que como nao podem entrar no sistema vao comecar a comprar alcool falsificado. TUdo isto para alegria de quem? Das mafias, que se vao divertir a brava a fazer uma fortuna.

Se o criterio e o da saude proponho o seguinte:

-Proibicao aos carros, e autocarros - poluem 1.000.000.000.n vezes mais que os fumadores. Como moro perto do meu trabalho vou a pe. Quanto aos demais estou-me borrifando, mas afectama minha saude

-Proibicao ao alcool - mata mais que o tabaco, e afecta mais duramente a vida de terceiros (morte de inocentes na estrada, morte de inocentes por violencia, na rua ou em casa)

- Proibicao aos alimentos com alto teor de substancias prejudiciais a Saude. As doencas cardiovasculares sao a maior causa de morte nos paises ocidentais e a ma alimentacao a sua maior causa. Macdonalds a vida!!!

- Proibidos desportos radicais - Causam demasiadas lesoes

- Proibido sexo sem o fim de reproduzir - e um dos maiores esforcos que se pode dar ao coracao

- Proibido defecar e urinar mais do que uma vez por dia porque os niveis de poluicao organica junto das cidades sao demasiado elevados.

- Proibicao de trabalhar de dia ate que os niveis normais da camada de ozono sejam reduzidos para os niveis normais, demasiados cancros de pele.

- Proibido nao fazer exercicio, a lacuna de exercicio e prejudicial a saude.

- Proibir o Futebol!!! Causa Stress aos espectadores, e ate ha cracoes mais sensiveis que nao resistem as emocoes. Para nao dizer que os atletas sao levados aos limites.

- Mais tres duzias de proibicoes, tao ridiculas como as anteriores, incluindo o tema central deste debate.

Defendo que tenho o direito a fazer com o meu corpo desde que nao interfira com terceiros, e que estes nao interfiram comigo, por favor!!! E possivel que eu fume sem chatear ou prejudique ninguem. E e possivel que fume sem que me chatem os cornos!!! PORRA!!!

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro Ricardo Alves,
Você não imagina como me fez rir. E sabe porquê? Vai fazer 22 anos eu tive o meu terceiro filho. Aquilo não é nenhum bicho de sete cabeças, mas que eu passei três más meias horas, passei. Nessa última estava tão desesperada, que, na sala de partos, declarei que precisava de um cigarro, senão desistia. Acho que fui de tal forma convincente, que a minha obstetra, senhora da idade da minha mãe e que achava graça ao meu lado de enfant gaté, disse à parteira para pedir um cigarro aceso ao meu marido. E eu lá fumei o cigarro antes do rapaz nascer.
Isto passou-se na Ordem do Carmo {as freiras nunca suspeitaram desta maluqueira} e claro que não estava de barriga aberta.
Cordialmente

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro Amnm,
Então eu ia lá pensar, que você lucrava com a minha tentativa de deixar de fumar? Nem parece seu! Aqui dá-se opinião sobre tudo e ainda conselhos, sugestões sempre de forma desinteressada. O beneficiário só tem que educadamente agradecer {e eu agradeço}. Pelo que tenho sensibilizado é esta a linha editorial. Se estiver enganada, os directores corrigir-me-ão.
Só não respondeu àquele, para si talvez pequeno detalhe, problema da obesidade a espreitar no fim do tratamento. Olhe que para mim é fulcral. Os governos preocupam-se com os nossos pulmões. As minhas angústias são os gramas a mais.
Cordialmente

AM disse...

"Mª Lurdes Delgado said...

...Só não respondeu àquele, para si talvez pequeno detalhe, problema da obesidade a espreitar no fim do tratamento. Olhe que para mim é fulcral. Os governos preocupam-se com os nossos pulmões. As minhas angústias são os gramas a mais.
Cordialmente "

Minha cara Mª Lurdes

Olhe que em relação a obesidades, nem por isso notei grande maleita.

No entanto, e sem ter grande ligação (a não ser a vontade de ter saúde para ver a minha (única) a crescer, dado que ela só nasceu há dois anitos e eu já vou nos cinquentas)o Dr. (Ovídio Costa passe mais publicidade) além dos comprimiditos para o "castrol" (Energy) ainda me recomendou algum exercício para fazer aumentar o "castrol bom"(a alternativa era comer peixe, mas parece que o bacalhau e a sardinha para este efeito não são peixe (?)).
Vai daí peguei em menos que um mês de tabaco (West light), fui aos armazéns("Marques Soares") e comprei uma bicicleta fixa, magnética ("Lybra").
Desde então, chego a casa por volta das 19h, visto o pijama ("casa das meias"), e lá vão 5km a pedalar, são cerca de 17.30 min com o "pulsómetro" a marcar 120 a 130 ppm :-)
Ainda tou aqui com um pneusito, mas a coisa há-de ir ao sítio. A digestão é que já melhorou e o refluxo gástrico quase desapareceu.

(Ó tia Constança!!
Não se arranja para aí um (sub)bloguesito a falar de saúde e assuntos domésticos, que a gente assim ainda estraga o ambiente sério cá da tertúlia)

AMNM

3:39 PM

Joao Pereira disse...

Direita/Esquerda!???? para leis anti-tabágicas???
Mas está tudo parvo?? o cérebro deve estar a começar a ficar afectado pelo tabaco... só pode!

Aquilo que muitos tabagistas, ou mesmo muitos dos que são contra estas leis de restrição de fumar em locais públicos não entendem, é que eu tenho tanto direito a estar num local onde não levo com a porcaria do fumo. Não gosto do cheiro, incomoda-me quando estou a comer e levo com o tabaco.

Durante muitos anos, pensou-se que poderia haver civilidade na maioria dos fumadores, que eles mais cedo ou mais tarde respeitariam as pessoas que não querem levar com o tabaco, seja por saúde, ou apenas pq não gostamos do cheiro. Não existe auto regulação, pelos próprios... portanto agora é bom q comece a haver regulação por parte de quem manda...

Quando existiam fábricas que poluíam o ar com cheiros nauseabundos, eu lutei, para que houvesse regulação e muita gente lutou também.

Esta luta é apenas uma luta de respeito pelos que não querem levar com a porcaria do tabaco na cara, na roupa. A opção de fumar é de quem a toma, não de quem não a toma. Colocá-la como uma orientação ideológica é muito imbecil mesmo.

Filipe disse...

Imbecil como o Pereirinha que quer impor a sua vontade a todos os outros. Tenho direito a ter restaurantes aonde se fume, como voce tem direito a ter restaurantes onde nao se fume. A voce e que lhe coloco uma etiqueta politica, AUTORITARIO, de esquerda ou de direita tanto me faz, venha o diabo e escolha. Ate devem ser primos, meta uma cunha!

José Moreno disse...

Que vontade que eu tenho de voltar a pegar num cigarro!!