sábado, janeiro 21, 2006

A importâcia do nome

O Rodrigo tem razão: o caso do "envelope 9” é finalmente um caso com um nome capaz. Mérito dos jornalistas, com certeza, já que os casos titulados pela Polícia Judiciária, com o patrocínio do Ministério Público, têm sempre nomes pelintras, que empobrecem a língua e deixam ficar mal o país. Basta comparar a densa originalidade do “envelope 9” com a escolha pindérica do “apito dourado” ou do “saco azul” de Felgueiras. Aliás, os nomes que a Polícia Judiciária inventa para as suas operações deviam merecer um estudo aturado: a operação “reveillon”, a operação “yanke”, a operação “furacão”, a operação “cai neve”, a operação “a voz do deserto”, a operação “final feliz” são apenas alguns exemplos que revelam a esfusiante criatividade que existe na nossa esforçada polícia. O caso do “envelope 9”, com o seu misterioso algarismo e a sua finura linguística, tem requintes de originalidade que as autoridades judiciais deviam saber usar. O desenvolvimento de Portugal passa também por aí.
p.s. O Rodrigo tem razão mas o seu post já deve estar no arquivo. Apesar disso, a ideia percebe-se...
ccs

1 comentário:

pedro oliveira disse...

Parece-me que seria preferível a palavra: sobrescrito ao galicismo: envellope, aportuguesado.